NOTIMP - NOTICIÁRIO DA IMPRENSA

Capa Notimp Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil e até do mundo. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.


MINISTÉRIO DA DEFESA


Operação Pantanal: combate a focos de incêndio segue na região


Por Tenente Fraga | Publicada em 20/08/2020 16:03

Brasília (DF), 20/08/2020 – O Ministério da Defesa, por meio das Forças Armadas, prosseguiu no combate a focos de incêndio que atinge o Pantanal de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso. Em parceria com agências federais e estaduais, integrantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica também empregam aeronaves que transportam brigadistas e despejam água, durante os sobrevoos, para conter as chamas.

Na quarta-feira (19), as ações ocorreram no combate a três áreas de focos de incêndio no município de Poconé (MT), nas seguintes regiões: Corixão (01), Colônia Pesqueiro do Beição (01) e Fazenda Pantanal Mato Grosso (01).

As ações de apoio contam com 411 pessoas, sendo militares, brigadistas e civis, e com o emprego de cinco aeronaves das Forças Armadas em voos de reconhecimento, transporte de militares/brigadistas e lançamentos de água, abrangendo os estados de MS e MT.

Operação Pantanal

As Forças Armadas atuam, desde o dia 25 de julho, no combate a incêndio no Pantanal sul-mato-grossense. No dia 5 de agosto, as ações foram estendidas ao Pantanal mato-grossense. O Ministério da Defesa atende à solicitação recebida pelos dois estados.

O Centro de Coordenação da Operação está instalado no aeródromo do Sesc Pantanal, em Poconé (MT), ponto estratégico para o emprego dos meios. Participam da operação embarcações e helicópteros da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, além de Fuzileiros Navais com curso em incêndio florestal.

Operação Covid-19: emprego das Forças Armadas na missão completa cinco meses


Publicada em 20/08/2020 16:57

Brasília (DF), 20/8/2020 – As Forças Armadas vêm atuando, desde a ativação do Centro de Operações Conjuntas, pelo Ministério da Defesa, na coordenação e no planejamento do emprego de militares no combate à Covid-19. Cinco meses depois, as Forças Armadas atuam nessa missão em prol da vida dos brasileiros.

A partir de dez Comando Conjuntos, distribuídos por todo o território nacional, os militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica contribuem no transporte aéreo de materiais de saúde, distribuição de cestas básicas, doação de sangue, desinfecção de espaços públicos, dentre outras necessidades.

Durante os últimos 150 dias, a atuação do efetivo atingiu 34 mil homens e mulheres das Forças da Defesa, o emprego de 107 embarcações, 85 aeronaves e 1.802 viaturas no apoio ao desempenho das atividades.

Atividade Logística
A capilaridade das Forças Armadas possibilitou a prontidão no transporte de 21.324 toneladas de mantimentos por via terrestre e de 727 toneladas por meio aéreo, apoiando famílias em situação de vulnerabilidade social, bem como as comunidades quilombolas e indígenas por todo o País. Houve, ainda, a distribuição de 1.006.382 kits de mantimentos, 656.647 alimentos prontos para consumo e 320.195 materiais de higiene.

Em diversas oficinas das Forças, foram produzidas 580.202 máscaras de proteção, 13.540 protetores faciais tipo face shield e 24.555 litros de álcool em gel. Para manter equilibrados os estoques de bancos de sangue nos 26 estados e no Distrito Federal, 28.523 militares doaram sangue. Ações de conscientização, palestras, distribuição de panfletos e orientação junto à população, também foram métodos de evitar o contágio pelo novo coronavírus e disseminar os cuidados a serem adotados, que somaram 5.581 campanhas.

Atividade Operacional
Em outra frente de ação no combate à Covid-19, militares desinfectaram áreas de grande circulação, totalizando 5.098 locais públicos higienizados, dentre eles: terminais rodoviários, escolas, hospitais, estações de metrô e órgãos públicos civis e militares. Com o intuito de adestrar e multiplicar esse conhecimento e, assim, possibilitar que outros agentes, militares e civis, continuem as ações de limpeza, foram capacitados 15.366 pessoas.

Simultaneamente, em vias marítimas, foram realizadas 2.338 patrulhas fluviais e 35 navais, além de apoio aos órgãos de segurança pública no controle de circulação na fronteira, em 9.769 postos, montagem de 4.591 barreiras sanitárias e de 2.030 postos de triagem. Além disso, órgãos de saúde, por todo o Brasil, contaram com o auxílio dos homens e mulheres da Defesa em 2.948 ações.

Ações em Curso
No âmbito do Comando Conjunto Norte, militares habilitados em Defesa Nuclear, Biológica, Química e Radiológica (DNBQR), do 2° Batalhão de Operações Ribeirinhas, descontaminaram, preventivamente, o Centro de Referência Especializado em Assistência Social - Rosana Campos (PA). Durante inspeção naval, militares da Capitania Fluvial de Santarém realizaram ações de conscientização e entregaram panfletos na orla de Santarém (PA).

Em Brasília (DF), coordenado pelo Comando Conjunto Planalto, houve capacitação de funcionários e descontaminação das instalações do Tribunal Superior Eleitoral, em áreas de uso comum, como: corredores, escadas, corrimãos, maçanetas e portas. A atividade foi realizada por militares do Batalhão da Guarda Presidencial e do 16º Batalhão Logístico.

Em outra atividade, em Palmas (TO), durante inspeção naval, militares da Marinha, por meio da Capitania Fluvial do Araguaia, prestaram orientações sobre medidas de prevenção e de higiene, modos de transmissão e os cuidados a serem tomados pela população no combate ao novo coronavírus.

Já no Comando Conjunto Amazônia, militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica doaram sangue na Fundação Hospitalar de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (AM), incentivando as pessoas a aderirem ao gesto humanitário.

No Comando Conjunto Leste, houve capacitação e desinfecção no Programa de Atendimento a Refugiados e Solicitantes de Refúgio, em Cáritas (RJ). O Pares atende refugiados de mais de 60 nacionalidades e tem como objetivo promover o acolhimento, assegurar os direitos dos refugiados e criar condições para que eles possam reconstruir a vida no Brasil. Ainda na mesma frente de ação, militares do Centro de Instrução Almirante Sylvio de Camargo (RJ) passaram por capacitação. Na ocasião, militares do Grupamento Operativo de Fuzileiros Navais especializados em Defesa Nuclear, Biológica, Química e Radiológica descontaminaram o local.

Operação Covid-19
O Ministério da Defesa ativou, em 20 de março, o Centro de Operações Conjuntas, para atuar na coordenação e no planejamento do emprego das Forças Armadas no combate ao novo coronavírus. Nesse contexto, foram ativados dez Comandos Conjuntos, que cobrem todo o território nacional, além do Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), de funcionamento permanente. A iniciativa integra o esforço do governo federal no enfrentamento à pandemia.

As demandas recebidas pelo Ministério da Defesa, de apoio a órgãos estaduais, municipais e outros, são analisadas e direcionadas aos Comandos Conjuntos para avaliarem a possibilidade de atendimento. De acordo com a complexidade da solicitação, tais demandas podem ser encaminhadas ao Gabinete de Crise, que determina a melhor forma de atendimento.

Por Tenente Helena, com informações dos Comandos Conjuntos.

Fotos: divulgação Forças Armadas

Para acessar fotos da Operação COVID-19, visite os Flickrs da Operação. (Link 1/Link 2/Link 3

PORTAL AEROIN


KC-390 Millennium leva 10 toneladas de materiais para Boa Vista e Manaus


Carlos Roman | Publicada em 20/08/2020 23:00

A Força Aérea Brasileira (FAB), em apoio à Operação COVID-19, realizou no domingo (16), missões de Transporte Aéreo Logístico. A aeronave KC-390 Millennium, pertencente ao 1º Grupo de Transporte de Tropa (1º GTT) – Esquadrão Zeus, decolou da Base Aérea de São Paulo (BASP), em Guarulhos, com 10,8 toneladas de carga, com destino a Manaus (AM) e Boa Vista (RR). Os itens transportados serão utilizados no enfrentamento à pandemia do novo Coronavírus.

As missões foram coordenadas pelo Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), junto ao Centro de Operações Conjuntas (COC) do Ministério da Defesa, em apoio ao Ministério da Saúde. Há, ainda, a participação do Comando de Preparo (COMPREP), que atua no desenvolvimento da doutrina utilizada no preparo operacional dos tripulantes.

A aeronave pousou na Ala 8 – Base Aérea de Manaus, transportando aventais, máscaras, toucas e álcool em gel, totalizando 5,4 toneladas em carga. Para a Ala 7 – Base Aérea de Boa Vista (RR), o KC-390 transportou mais 5,4 toneladas de carga, com macas, medicamentos e kits de capnografia.

O Comandante da aeronave, Tenente-Coronel Aviador Luiz Fernando Rezende Ferraz, destacou a grata satisfação em poder ajudar a população neste momento de enfrentamento ao novo Coronavírus. “Conseguir levar grande quantidade de material, com uma aeronave brasileira, é um momento ímpar e faz parte da história do Brasil e da Força Aérea cumprindo a missão de integrar o território nacional”, disse.

O Mecânico da Aeronave, Sargento Paulo Victor de Castro Ribeiro, também destacou a importância da missão. “Participar de um grupo seleto de mantenedores e tripulantes que auxiliam a população neste momento de combate à COVID-19 transportando materiais, equipamentos e alimentos é gratificante”, finaliza.

Operação COVID-19

A Operação COVID-19, coordenada pelo Ministério da Defesa, mobiliza militares por todo o Brasil. Homens e mulheres das Forças Armadas atuam no enfrentamento à pandemia do novo Coronavírus, em apoio à população. As ações envolvem descontaminação de espaços públicos, doações de sangue, transporte de medicamentos e equipamentos de saúde, distribuição de kits de alimentos para pessoas de baixa renda, entre outras. Na execução dessas atividades, os militares atuam organizados em 10 Comandos Conjuntos que cobrem todo o território nacional, bem como no Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE). Esses Comandos reúnem militares das três Forças (Marinha do Brasil, Exército Brasileiro e Força Aérea Brasileira), que desenvolvem esforços no cumprimento das missões.

Acompanhe a página especial sobre a atuação da FAB na Operação COVID-19.

Confira mais fotos da Operação COVID-19 no Flickr oficial da FAB.

PORTAL AEROFLAP


Com Vídeo: SAAB posta mais um episódio da série Colaboração Real 3


Publicada em 20/08/2020 11:59

A SAAB postou mais um vídeo da Colaboração Real 3. Neste episódio é abordada as questões relacionadas aos armamentos do caça Gripen E/F.

O novo caça da FAB será entregue aos militares em 2021, na Ala 2, em Anapólis - GO. Essa ALA será o lar dos 36 Gripens E/F.

Contudo, o primeiro exemplar do Gripen E brasileiro virá ao Brasil este ano para a conclusão dos testes necessários para a certificação.

Além disso, está prevista um apresentação do Gripen E em Brasília - DF, no dia 23 de Outrubro.

Estrutura especial de saúde é montada para Exercício Operacional Tápio em Campo Grande


André Magalhães | Publicada em 20/08/2020 11:50

O Exercício Operacional Tápio, realizado na Ala 5 – Base Aérea de Campo Grande, teve início nesta segunda-feira (17/08) e tem como diferencial  as medidas adotadas para combate e prevenção à COVID-19. Esta edição conta com a execução de um Plano de Biossegurança, instalação de uma Unidade Celular de Saúde (UCS), aeronaves adaptadas para Evacuação Aeromédica, locais designados para eventual isolamento social e um Esquadrão de Saúde equipado para receber pacientes com agravamento do quadro clínico. Todas essas ações fazem parte do planejamento de saúde elaborado para o Exercício.

São cerca de 25 profissionais de saúde, entre médicos, farmacêuticos, dentistas e técnicos de enfermagem, que se somam aos cerca de 70 militares da área médica já alocados na Ala 5.

Este ano, foi implementado um Plano de Biossegurança focado no combate e prevenção à COVID-19, com os seguintes pontos-chave: testagem, monitoramento dos participantes, orientações frequentes sobre as medidas sanitárias, isolamento social, adaptações de estruturas para eventual recebimento de casos confirmados, pronta-resposta para eventual controle de disseminação do vírus e Evacuação Aeromédica em casos específicos.

A estrutura foi toda planejada para não sobrecarregar o sistema de saúde de Campo Grande (MS). Por isso, o aparato médico concentrado na Ala 5 foi adaptado para atender aos militares do Exercício Operacional Tápio.

“Ter todo esse planejamento e incremento na estrutura nos dá autonomia para atender aos militares do treinamento, evitando deslocá-los para outras unidades médicas fora do Sistema de Saúde da Aeronáutica”, explica a Comandante do Esquadrão de Saúde da Ala 5, Tenente-Coronel Médica Hellen Patrícia Renda dos Santos.

Além de prestar pronto-atendimento aos integrantes do Exercício, a participação de profissionais de saúde em exercícios militares possibilita o treinamento para emprego em situações operacionais reais, tanto no Brasil quanto no exterior.

“Nós, profissionais de saúde militares, podemos atuar em Missões de Paz, nas quais o risco biológico é alto e o sistema de saúde é precário. Por exemplo, áreas de malária, febre amarela, cólera, Ebola e, atualmente, casos de COVID-19. Também podemos prestar assistência a refugiados vulneráveis com doenças endêmicas e levar apoio humanitário em geral, principalmente no atendimento ao Sistema de Cooperação das Forças Aéreas Americanas  (SICOFAA)”, ressalta o Major Médico Pascale, responsável pela elaboração do Plano de Biossegurança do Exercício.

Unidade Celular de Saúde – Triagem

No Exercício Operacional Tápio, foi instalada uma Unidade Celular de Saúde para realizar o atendimento de nível primário a todos os militares participantes.

Em cumprimento ao Plano de Biossegurança implementado para prevenção e combate à COVID-19, a UCS funciona, primeiramente, como uma triagem dos militares. Se durante a triagem for identificado um caso de suspeita de COVID-19, este paciente é direcionado para um local na Ala 5 adaptado para cumprimento do isolamento social aliado a monitoramento médico.

Também na UCS, após a triagem, os pacientes recebem atendimento inicial e podem ficar em observação por profissionais da área médica. A estrutura conta com três módulos, leitos adaptados e 12 profissionais de saúde, para possibilitar o atendimento durante todo o Exercício.

Uma das principais características da UCS é a mobilidade, possibilitando, por exemplo, a instalação da estrutura em ambientes de operações reais.

“Quando instalamos a UCS em Cascavel, em 2018 e 2019, para a Operação Ostium (vigilância do espaço aéreo sobre a região de fronteira do Brasil), foi um exemplo das possibilidades que essa estrutura inicial de Hospital de Campanha pode oferecer”, explicou o responsável pela Unidade Celular de Saúde, Tenente-Coronel Médico Rodolfo José Seraphico de Souza Siqueira.

Esquadrão de Saúde da Ala 5 – Casos graves

O Esquadrão de Saúde da Ala 5 recebeu o reforço de 12 profissionais de saúde, além de incremento da estrutura para eventual recebimento de casos mais graves de COVID-19, conforme preconizado no Plano de Biossegurança implementado para o Exercício Operacional Tápio. O Esquadrão de Saúde instalou uma área para casos de atendimento específico de síndrome gripal, além de ter disponibilizado sete leitos de suporte avançado e quatro leitos de atendimento moderado.

“Acredito que a nossa importância durante esse exercício seja, não só para dar assistência médica, mas para garantir a manutenção das medidas de prevenção à pandemia. Além de poder contribuir com atendimentos direcionados, principalmente se existirem casos suspeitos ou confirmados”, explica.

Aeronaves da FAB – Evacuação Aeromédica

H-60L Black Hawk, C-105 Amazonas e H-36 Caracal são algumas das aeronaves da FAB que podem ser adaptadas para realizar Evacuação Aeromédica. No Exercício Operacional Tápio, uma aeronave está de prontidão para eventual transporte de pacientes com coronavírus.

No caso de pacientes acometidos por doenças com alto grau de contaminação, o transporte é feito em cápsula de isolamento (maca-bolha), com o objetivo de isolar o paciente do meio externo.

De acordo com o Tenente Médico Diogo Hashimoto, essa estrutura já foi utilizada pela FAB na realização de transporte de pacientes com Ebola. “Temos aqui a estrutura 100% de prontidão para eventual necessidade de transporte de pacientes que testarem positivo para COVID-19”, ressaltou.

PORTAL DEFESANET


ASOCEA lança Painel de Indicadores de Segurança Operacional Brasileiro

O programa permite que qualquer cidadão possa verificar o nível de segurança operacional da aviação civil brasileira e comparar esses indicadores com os de outros países

Capitão Lopez Ramos E Major Monteiro | Publicada em 20/08/2020 11:11

O Programa Brasileiro para a Segurança Operacional da Aviação Civil (PSO-BR) está disponível no site da Assessoria de Segurança Operacional do Espaço Aéreo (ASOCEA), após um minucioso trabalho conjunto entre a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e o Comando da Aeronáutica (COMAER). O programa permite que qualquer cidadão possa verificar o nível de segurança operacional da aviação civil brasileira e comparar esses indicadores com os de outros países.

O PSO-BR veio atender novos dispositivos da Organização de Aviação Civil Internacional (OACI), estabelecidos em 2016 na 2ª edição do Anexo 19 à Convenção de Chicago, denominado de Gerenciamento da Segurança Operacional. Concomitantemente com a aprovação do novo PSO-BR, foi criado um Grupo de Trabalho com integrantes da ANAC e do COMAER, com o objetivo de estudar uma proposta para sua implementação.

O principal resultado desse trabalho foi a sugestão de criação do Comitê de Segurança Operacional da Aviação Civil Brasileira com a finalidade de ser o mecanismo de coordenação entre a ANAC e o COMAER, cujo objetivo é o de estabelecer as diretrizes a serem adotadas no País, visando a melhoria contínua da segurança operacional na aviação civil brasileira. Com a finalidade de desenvolver estudos em assuntos relacionados com a segurança operacional, o Comitê conta com o apoio de um Grupo Técnico Permanente, formado pelos vinte integrantes.

Atualmente, o Grupo Técnico - composto por integrantes do Departamento de Controle do Espaço Aérea (DECEA), do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), da ASOCEA, e outras Unidades do COMAER - encontra-se dividido em três subgrupos. Um deles, que trata do estabelecimento de um instrumento de monitoramento das metas e indicadores definidos no Plano de Segurança Operacional para a Aviação Civil Brasileira 2019-2022, aprovado pelo Comitê, tem como coordenador o Coronel Aviador Reformado Bittencourt, integrante da ASOCEA. "Sinto-me honrado em tornar público estes indicadores no site da ASOCEA para que qualquer cidadão  interessado em aviação civil possa verificar como anda a segurança operacional do Brasil e verificar que ela está muito bem", disse.

O Chefe da ASOCEA, Coronel Aviador Ricardo Miranda, destacou, entre outras funcionalidades, o melhor acompanhamento das metas estabelecidas para que o Nível Aceitável de Desempenho da Segurança Operacional seja alcançado e contribua para a redução do número de acidentes e incidentes em todos os segmentos da aviação civil.

DEFESATV


Nova Estação Radar para monitoramento aéreo em Corumbá é inaugurada

Ministério da Defesa, por meio da Força Aérea Brasileira, inaugurou a Estação Radar de Vigilância Aérea em Corumbá

Anderson Gabino | Publicada em 20/08/2020 07:47

Nesta terça-feira (18), o Ministério da Defesa, por meio da Força Aérea Brasileira, inaugurou a Estação Radar de Vigilância Aérea em Corumbá, Mato Grosso do Sul. Essa inauguração faz parte do processo de modernização da rede de radares de vigilância do Sistema do Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (SISCEAB).

A cerimônia foi presidida pelo Presidente da República, Jair Bolsonaro, e contou com a presença o Ministro da Defesa, Fernando Azevedo. Eles inauguraram a placa alusiva à Estação Radar de Corumbá.

“Hoje é um dia significativo. A parceria do Ministério da Justiça e do Ministério da Defesa é operacionalizada pela Força Aérea Brasileira. A inauguração do primeiro dos três radares para fazer a cobertura e a vigilância da fronteira de Mato Grosso do Sul é um marco e um avanço para defender o espaço aéreo brasileiro”, ressaltou Fernando Azevedo.

A Estação Radar traz benefícios tanto para o controle civil de aeronaves quanto para a defesa aérea. O Presidente Bolsonaro falou do benefício da estrutura para o enfrentamento ao tráfico de drogas. “O que estamos inaugurando aqui ajudará e muito a nossa Polícia Federal e nossa Polícia Rodoviária Federal no combate a ilícitos, em especial ao tráfico de drogas e armas ilegais”, destacou.

O Presidente ativou a Estação Radar ao utilizar o equipamento para fazer contato com a primeira aeronave monitorada pelo Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo II (Cindacta).

O controle das aeronaves pela Estação Radar proporciona maior vigilância do espaço aéreo na região de fronteira do Brasil com Paraguai e Bolívia, já que potencializa a identificação de aviões voando em baixas altitudes.

O combate ao narcotráfico e as ações de policiamento aéreo são otimizadas com o uso das tecnologias disponíveis nesse controle. Os radares são fabricados nacionalmente, por empresa de São Bernardo do Campo (SP), fator que agiliza procedimentos de assistência técnicas pelo fabricante.

O Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Antonio Carlos Moretti Bermudez enfatizou o uso do equipamento como medida de proteção eletrônica.

“O dia de hoje marca a importância dada pelo governo brasileiro à defesa da soberania e de suas riquezas. Nossa fronteira sudoeste é o símbolo da natureza idônea, onde estão o bioma pantanal, extraordinário patrimônio híbrido, a terceira maior reserva de minérios de ferro e a segunda maior de manganês do Brasil”, disse ele, enfatizando que são riquezas que despertam interesses e devem ser protegidas.

A Estação Radar de Corumbá é a primeira de três estações a serem implantadas na fronteira oeste do Brasil. Para aumentar a eficiência no trabalho de combate a atividades ilícitas, os municípios de Porto Murtinho e Ponta Porã, no mesmo estado, serão os próximas a receberem o equipamento. Dessa forma, toda a fronteira de Mato Grosso do Sul com os países vizinhos ficará coberta.

Ao término da cerimônia, os presentes acompanharam simulação de ação de apreensão de aeronave suspeita.

Na demonstração, após o pouso do avião interceptado, operadores do grupo de pronta intervenção, formado por policiais treinados para atuar em ações de alto e altíssimo risco, se aproximam para abordagem, algemam os suspeitos e os levam em viatura. Em situações similares, a Polícia Federal apreende drogas e desmonta organizações criminosas.

A solenidade ainda contou com o Governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, a Ministra da Agricultura, Tereza Cristina, o Ministro-Chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, a Senadora Soraya Thronicke, o Chefe do Estado Maior da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos Augusto Amaral Oliveira, deputados federais e autoridades civis e militares.

Major da Força Aérea Brasileira é o primeiro piloto a voar o F-39 Gripen E

Voo sobre o mar Báltico, na Suécia, durou, aproximadamente, 50 minutos e faz parte da verificação das qualidades de voo e de pilotagem da aeronave

Por Redação Defesatv | Publicada em 21/08/2020 06:00

O piloto de provas da Força Aérea Brasileira (FAB), Major Aviador Cristiano de Oliveira Peres, realizou, nesta quinta-feira (20), na Suécia, o primeiro voo de um piloto brasileiro no novo caça F-39 Gripen E.

A aeronave decolou do aeródromo da SAAB, empresa responsável pelo desenvolvimento do vetor, em Linköping, e sobrevoou o mar Báltico por aproximadamente 50 minutos. A atividade faz parte da verificação das qualidades de voo e pilotagem da aeronave.

O militar explica que a preparação para o voo desta quinta-feira foi intensa. Ele está desde janeiro em Linköping e tem passado por uma série de treinamentos que o qualificaram para a pilotagem. Entre eles, o estudo da documentação técnica do F-39 Gripen e muitas horas de treinamento em simuladores.

Para o Major Cristiano, realizar o voo foi uma grande responsabilidade dada a importância do projeto para a Força Aérea Brasileira.

“O Gripen E FAB 4100 ainda é um protótipo e demandou muito tempo de preparação para esse voo. Mas quando eu ouvi da torre de controle a autorização para o pouso, tive a certeza que todo o esforço valeu a pena. Foi para isso que eu decidi me tornar piloto de ensaio em voo. Agradeço à FAB por ter confiado a mim a missão de levar ao alto a nossa bandeira em céus suecos”, acrescentou.

Gripen

As atividades conjuntas iniciaram em 2014 com a assinatura do contrato para o desenvolvimento e produção de 36 aeronaves Gripen E/F para a Força Aérea Brasileira, incluindo sistemas embarcados, suporte e equipamentos.

As plataformas são desenvolvidas e produzidas com a participação de técnicos e engenheiros brasileiros. Essa integração faz parte da transferência tecnológica e visa a proporcionar o conhecimento necessário para a continuidade das atividades no Brasil.

IPEV

O Major Cristiano faz parte do efetivo do Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo (IPEV), subordinado ao Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA).

O IPEV tem por finalidade prestar serviços tecnológicos especializados na área de ensaios em voo, instrumentação de aeronaves e telemetria de dados para apoio à pesquisa, ao desenvolvimento e à certificação de produtos aeronáuticos, bem como formar pessoal especializado em ensaios em voo.

Realiza, ainda, pesquisas e desenvolvimento de técnicas e meios de ensaios em voo além de métodos de planejamento e apoio à decisão nas atividades de ensaios em voo, buscando soluções inovadoras e mais eficientes e eficazes.

DEFESA AÉREA & NAVAL


Colaboração Real S03 E07: Os armamentos do Gripen


Guilherme Wiltgen | Publicada em 20/08/2020 10:33

Altamente versátil , o Gripen pode transportar diferentes armamentos para missões ar-solo, ar-mar e ar-ar conjuntamente.

O caça brasileiro é capaz de utilizar uma grande variedade de armamentos, dependendo da missão.

 

OUTRAS MÍDIAS


CAVOK - BRASIL: Black Hawk da FAB resgata onça pintada em região de incêndios no Mato Grosso


Fernando Valduga | Publicada em 20/08/2020 06:00

Uma aeronave H-60L Black Hawk da Força Aérea Brasileira (FAB) resgatou uma onça pintada na região do município de Poconé, no sul de Mato Grosso, na tarde de segunda-feira (17).

O animal estava debilitado por conta dos incêndios que atingem a área e o helicóptero, operado pelo Quinto Esquadrão do Oitavo Grupo de Aviação (5º/8º GAV) – Esquadrão Pantera, foi acionado para retirá-lo do local. A tripulação da aeronave está há mais de 20 dias cumprindo missões de Transporte Aéreo Logístico nas regiões do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

A onça foi localizada por bombeiros militares e técnicos do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), próxima a uma fazenda da região pantaneira. Um dos pilotos do H-60L, Tenente Aviador Josué Marcos Coelho Gonçalves, explica que veterinários da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT) sedaram o felino para que pudesse acontecer a exfiltração. “Conseguimos colocar a onça em uma gaiola a bordo da aeronave e transportamos até o campo de futebol da UFMT, onde ela recebeu os primeiros atendimentos”, detalha. A onça se recupera sob os cuidados dos profissionais da UFMT.

Transporte de brigadistas

No sábado (15), o H-60L Black Hawk também realizou outra saída a partir da sede do Centro de Coordenação da Operação Pantanal, em Poconé (MT), para auxiliar no combate aos incêndios. O helicóptero atua no transporte de brigadistas do Corpo de Bombeiros do Mato Grosso e do Mato Grosso do Sul, Fuzileiros Navais da Marinha do Brasil e profissionais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) até os locais das chamas.

Operação Pantanal

A Operação Pantanal, deflagrada pelo Ministério da Defesa (MD), conta com a atuação das Forças Armadas, empregando aeronaves no combate a incêndios e atuando em parceria com agências federais e estaduais, por conta das queimadas na região. O Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), Organização da FAB responsável pelo emprego das aeronaves, realiza a coordenação junto ao MD, que atendeu à solicitação do Governo do Mato Grosso do Sul. Para cumprir a demanda, o MD estabeleceu um Centro de Coordenação no Comando do 6º Distrito Naval, na cidade de Ladário (MS). Também participam das ações helicópteros da Marinha do Brasil e do Exército Brasileiro.

Fonte: Agência Força Aérea, por Tenente Letícia Faria – Fotos: Tenente Josué / 5º/8º GAV

INFODEFENSA.COM - Brasil cierra su frontera centro-oeste por vía aérea


Roberto Valadares Caiafa | Publicada em 21/08/2020

En continuidad con el proceso de modernización de la red de radares de vigilancia del Sistema Brasileño de Control del Espacio Aéreo (SISCEAB) y con el objetivo de mejorar el control del espacio aéreo en la frontera de Brasil con Paraguay y Bolivia, la Fuerza Aérea Brasileña (FAB) inauguró, el 18 de agosto, en Corumbá (MS), una nueva estación de radar compuesta por radares primarios y secundarios.

El acto fue encabezado por el presidente de la República, Jair Bolsonaro. 

La entrada en servicio de estos nuevos equipos tiene por objeto mejorar la identificación de las aeronaves que vuelan a baja altitud en esa región fronteriza, aportando beneficios operativos tanto para el control civil de las aeronaves como para la defensa aérea, aumentando la capacidad de detectar tráfico no autorizado o empleo ilícito, contribuyendo decisivamente al éxito de la vigilancia del espacio aéreo y a la lucha contra las acciones contra el narcotráfico.

Por lo tanto, además de ayudar en el control del espacio aéreo, la nueva estación proporcionará la expansión de la vigilancia y combatir el tráfico aéreo ilícito, centrándose en el Medio Oeste brasileño.

La implementación de nuevas tecnologías y equipos ha sido una preocupación estratégica constante de la Fuerza Aérea Brasileña, con el objetivo de mantener la soberanía y la defensa nacional. 

"Estamos constantemente buscando nuevas soluciones y tecnologías para mejorar el trabajo realizado al país dentro de nuestras acciones de Control, Defensor e Integración de 22 millones de kilómetros cuadrados", dijo el comandante de la FAB, teniente brigadier del Aire Antonio Carlos Moretti Bermudez. 

"Esta nueva estación supone un importante aumento del control del tráfico aéreo en la región y, principalmente, optimiza la detección del tráfico no cooperativo en esta zona fronteriza, constituyendo una herramienta adicional para la defensa aérea de nuestro país", dijo el director general del Departamento de Control del Espacio Aéreo (DECEA), teniente brigadier del Aire Heraldo Luiz Rodrigues.

El equipo modelo LP23SST-NG,fabricado por Omnisys, en Brasil, forma parte de una nueva generación de radares primarios de largo alcance, capaces de detectar aeronaves cooperativas y no cooperativas y estará equipado con la capacidad de identificar con precisión objetivos, así como funciones de protección electrónica que protegen los radares contra interferencias electromagnéticas, intencionales o no. FAB, a través de la Comisión de Despliegue del Sistema de Control del Espacio Aéreo (CISCEA), y Omnisys firmaron, a finales de 2018, un contrato para el suministro de tres radares. 

Las ubicaciones de Porto Murtinho (MS) y Ponta Porã (MS) serán las próximas en disponer del equipo. "Estamos aumentando la capacidad de vigilancia del espacio aéreo en el territorio nacional, reforzando las acciones para mantener la soberanía y la seguridad de nuestras fronteras", dice el comandante de la CISCEA, brigadeiro Sérgio Rodrigues Pereira Bastos Junior. 

Fabricación brasileña

Los radares son fabricados en Brasil por la empresa Omnisys en San Bernardo do Campo (SP), lo que permite un acceso rápido y fácil a toda su cadena de producción y acelera los procedimientos de asistencia técnica por parte del fabricante.

El proyecto también prevé la absorción de conocimientos técnicos por parte del Comando Aeronáutico (COMAER), con el objetivo de llevar a cabo actividades de mantenimiento preventivo y correctivo, minimizar los costes logísticos y mantener un alto nivel de disponibilidad de equipos.

Además del radar primario LP23SST-NG,la estación de radar también contará con el radar secundario RSM970S,que tiene como objetivo obtener información de identificación y altitud de aeronaves cooperativas.

"La inauguración de esta estación de radar de vigilancia fronteriza es otro hito importante para Brasil y nos sentimos honrados de ser parte de proporcionar tecnología de vanguardia, desarrollada en territorio nacional, y soluciones para el control del tráfico aéreo que contribuirán aún más a la soberanía del país", dice el CEO de Omnisys, Luiz Henriques. 

BARBACENA MAIS - Equipe de saúde da Epcar doa equipamentos ao Hospital Santa Maria em Antonio Carlos

A equipe de saúde da Epcar visitou o pequeno Hospital Santa Maria em Antônio Carlos, para entrega de EPI´s Face Shield aos profissionais de saúde daquela instituição.

Kátia-cilene Antônio Carlos | Publicada em 20/08/2020 19:28

A equipe de saúde da Epcar visitou o pequeno Hospital Santa Maria em Antônio Carlos, para entrega de EPI´s Face Shield aos profissionais de saúde daquela instituição. 

A visita contou com a presença o Tenente-coronel Márcio Matos, Tenente-enfermeira Silvânia, Tenente Wagner Fiorino, Farmacêutico-enfermeiro Rodrigo da Epcar que foram recebidos pelo Secretário de Saúde de Antônio Carlos, Waldir Jorge Ferreira, e pela doutora Antônia Itália Fusco Brandão Malaguti, diretora do hospital e pela RT - responsável técnica enfermeira, Darcilei Nézio de Castro Neves.

“O Face Shields reforça a segurança dos profissionais de saúde que precisam de proteção para enfrentar com seguranças pandemia Covid 19” explica a enfermeira Darcilei.

O Grupo de apoio GAP-BQ desenvolveu os Face Shields que estão sendo distribuídos pela GUARNAE_BQ (Guarnição da Aeronáutica de Barbacena) às instituições de saúde da região de Barbacena.