NOTIMP - NOTICIÁRIO DA IMPRENSA

Capa Notimp Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil e até do mundo. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.


PORTAL G1


FAB encontra helicóptero que desapareceu com PMs no sudoeste do Pará

Piloto da aeronave precisou realizar um pouso forçado devido ao mau tempo na região. Todos foram encontrados com vida.

Por G1 Pa — Belém | Publicada em 08/09/2020 08:41

Foi localizada, nesta terça-feira (8), a aeronave que conduzia dois oficiais da Polícia Militar e uma criança, que desapareceu ao decolar na região de Jacareacanga, sudoeste do Pará. Todos foram resgatados com vida.

De acordo a PM, o piloto do helicóptero precisou realizar um pouso forçado devido ao mau tempo na região. A aeronave foi localizada por uma equipe da Força Aérea Brasileira, que realizou todos os procedimentos de segurança para resgatar os ocupantes e levá-los à cidade de Itaituba, sudoeste do estado.

No último domingo (6), o helicóptero com cinco pessoas desapareceu na região sudoeste do estado, quando faria o voo de Jacareacanga à Itaituba, distante 390,6 km. Na aeronave estavam o piloto, co-piloto, o comandante e o subcomandante do 15º Batalhão de Policiamento Militar e uma criança de dez anos de idade.

Segundo o subcomandante do Corpo de Bombeiros em Santarém, major Piquet, as buscas contaram com uma aeronave vinda do Mato Grosso, que faz captura de ondas de calor para ajudar a encontrar a tripulação e os componentes da equipe da aeronave.

"(Ao serem localizados) foi gerado um novo processo de resgate das pessoas e da aeronave, felizmente nenhum teve lesão que viesse a comprometer a sobrevida e já com certeza temos que agradecer pelo fato de não termos alguma fatalidade", afirmou.

AGÊNCIA BRASIL


Equipes de resgate da FAB encontram helicóptero desaparecido no Pará

A aeronave foi localizada próximo ao rio Tapajós

Bianca Paiva | Publicada em 08/09/2020 18:17

O helicóptero de prefixo PP-BLU foi encontrado na madrugada desta terça-feira (8), nas proximidades do Rio Tapajós por uma equipe da Força Aérea Brasileira. Segundo a Polícia Militar do Pará, os quatro ocupantes foram resgatados sem ferimentos. 

A FAB informou que a aeronave desaparecida decolou da cidade de Jacareacanga, sudoeste paraense, e havia realizado um pouso de precaução. 

PORTAL AEROFLAP


Com Vídeo: Veja o início da formação de um piloto da FAB no caça Gripen F-39


André Magalhães | Publicada em 08/09/2020 17:23

A SAAB postou um vídeo apresentando o Major Aviador Abdon, piloto de provas da FAB, que está iniciado o processo de formação de pilotagem no caça Gripen E/F.

Na parte 1 do vídeo, o Major fala sobre sua mudança para a Suécia para que assim inicie o curso de formação no novo caça da FAB.

Contudo, pilotos da FAB já estão presente em meio ao Gripen F-39 (nome oficial do caça no Brasil), a algum tempo. Destacamos aqui o piloto de testes da FAB, Major Aviador Cristiano, que se tornou o primeiro aviador da FAB a comandar o Gripen E brasileiro.

O caça inclusive já está a caminho do Brasil por via marítima. A aeronave deverá chegar ao país pelo porto de Itajaí-SC. De lá o caça será levado e montado no Ministro Victor Konder, Navegantes-SC e segue em voo para Gavião Peixoto-SP.

Na cidade paulista o Gripen F-39E vai passar por vários testes necessários para a certificação.

No entanto, a entrega do Gripen aos militares da FAB acontece no ano que vem, marcando assim uma nova era na aviação militar do Brasil.

Todavia, o caça deverá fazer um voo de apresentação em Brasília-DF, no dia 23 de outubro deste ano. A data escolhida é em virtude ao Dia do Aviador e da FAB.

PORTAL DEFESANET


Comitiva da SEFA visita instalações do futuro Comando Aéreo Amazônico (COMAR VII)

O objetivo foi continuar a verificação das condições e meios para consolidar o aprimoramento da estrutura organizacional do Comando da Aeronáutica (COMAER)

Tenente Padoan E Tenente-coronel Santana | Publicada em 08/09/2020 09:09

Uma comitiva da Secretaria de Economia, Finanças e Administração da Aeronáutica (SEFA), esteve, no dia 2/9, nas instalações da Guarnição de Aeronáutica de Manaus (GUARNAE-MN). O local sediará o futuro Comando Aéreo Amazônico (COMAR VII). A visita teve por objetivo continuar a verificação das condições e meios para consolidar o aprimoramento da estrutura organizacional do Comando da Aeronáutica (COMAER), facilitando a execução dos ajustes necessários à reestruturação.

O Comandante da Ala 8 – Base Aérea de Manaus (AM), Brigadeiro do Ar Luiz Guilherme da Silva Magarão, e os Comandantes das Organizações Militares (OM) sediadas na GUARNAE-MN, receberam a comitiva, que contou com a presença do Secretário de Economia, Finanças e Administração da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Marcelo Kanitz Damasceno; do Chefe do Centro de Controle Interno da Aeronáutica, Major-Brigadeiro Intendente Marcos Aurélio Pereira Silva; do Diretor de Economia e Finanças da Aeronáutica, Major-Brigadeiro do Ar Luiz Ricardo de Souza Nascimento; do Diretor de Administração da Aeronáutica, Major-Brigadeiro Intendente Mauro Fernando Costa Marra; do Subdiretor de Abastecimento da Diretoria de Administração da Aeronáutica, Brigadeiro Intendente Alexandre Falconiere de Torres; do Subdiretor de Pagamento de Pessoal e Chefe do Centro de Apoio Administrativo da Aeronáutica, Brigadeiro Intendente Alexandre Santana Nogueira; além de outros militares colaboradores do processo de aprimoramento da reestruturação.

O Tenente-Brigadeiro Damasceno salientou a importância do processo de reativação do Comando Aéreo Amazônico. “O COMAR servirá como referência e também como uma representação do Comandante da Aeronáutica na Região Amazônica, não somente para os órgãos e autarquias regionais, mas também para o público interno da Guarnição”, disse o Oficial-General.

Para o Brigadeiro Magarão, a visita ocorreu em momento oportuno. “Foi uma oportunidade ímpar para os Comandantes de OM da Guarnição de Manaus de conhecer as peculiaridades da atuação do novo COMAR, bem como de ter contato com os conceitos dos projetos estratégicos da SEFA”, destacou.

De acordo com a DCA 19-5/2020, o Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Antonio Carlos Moretti Bermudez, em sua Diretriz de Planejamento Institucional (DIPLAN), estabeleceu orientação no sentido de viabilizar o processo de aprimoramento da reestruturação da FAB, proporcionando a separação efetiva das atividades administrativas e operacionais das OM do COMAER, finalizando, assim, as ações decorrentes do processo de reestruturação organizacional, de modo a elevar o seu nível de prontidão operacional e a sua capacidade de dissuasão. 

DEFESA AÉREA & NAVAL


Aeronave SC-105 Amazonas da FAB apoiou, durante a travessia do Atlântico, os A-29 que serão entregues à Força Aérea das Filipinas


Guilherme Wiltgen | Publicada em 08/09/2020 10:47

Uma aeronave SC-105 Amazonas, operada pelo Segundo Esquadrão do Décimo Grupo de Aviação (2°/10°) – Esquadrão Pelicano, sediado na ALA 5, Base Aérea de Campo Grande (MS), prestou apoio aéreo a seis aeronaves A-29 da Embraer, no dia 4 de setembro. A aeronave de Busca e Salvamento acompanhou os A-29 durante a travessia do Oceano Atlântico até a Ilha do Sal, em Cabo Verde.

O FAB 6551 decolou do Recife (PE) às 3h20 (horário de Brasília) para Fernando de Noronha, de onde prosseguiu junto com as aeronaves de caça até a Ilha do Sal. As aeronaves A-29 seguiram em viagem para as Filipinas. Durante o voo, foi prestado apoio de informações meteorológicas, ponte de comunicação, plote de embarcações próximas à rota, além de apoio SAR. A aeronave possui capacidade de lançamento de botes e paraquedistas caso algum incidente ocorresse em alto mar. O pouso, no retorno ao Brasil, ocorreu às 23 horas.

Segundo a Comandante da aeronave, a Major Aviadora Débora Ferreira Monnerat, essa é a primeira vez que o Esquadrão Pelicano presta este tipo de apoio. “É uma grande honra comandar o SC-105 nesta missão de tanta responsabilidade, a qual possui extrema relevância nacional e internacional”, disse.

Treinamento para pilotar o Gripen – parte 1


Luiz Padilha | Publicada em 08/09/2020 12:01

Colaboração Real – Pilotar o Gripen é sonho de muita gente, mas poucos sabem a quantidade e a intensidade dos treinamentos necessários antes de entrar no cockpit dessa aeronave. Nesse vídeo, o piloto de provas da FAB, Major Abdon, dá início a esse processo. Confira!

 

 

 

 

 

OUTRAS MÍDIAS


PODER AÉREO - VÍDEO: Treinamento para pilotar o Gripen – parte 1


Publicada em 08/09/2020 12:00

Pilotar o Gripen é sonho de muita gente, mas poucos sabem a quantidade e a intensidade dos treinamentos necessários antes de entrar no cockpit dessa aeronave.

Nesse vídeo, o piloto de provas da FAB, Major Abdon, dá início a esse processo. Confira!

TECNODEFESA - Como a FAB se prepara para o Gripen – Entrevista com Ten Brig Ar Luiz Fernando de Aguiar


João Paulo Moralez | Publicada em 08/09/2020 12:00

Está cada vez mais perto o dia em que o Gripen chegará para assumir as missões de defesa do espaço aéreo brasileiro. É inegável que esse caça vai agregar um salto qualitativo e operacional talvez inédito para a Força Aérea Brasileira (FAB). Suas capacidades táticas, os equipamentos de guerra eletrônica, de armas, de comunicação em rede, além da elevada disponibilidade e flexibilidade operacional será um elemento dissuasório fundamental na geopolítica regional.

Entrevistamos o Ten Brig Ar Luiz Fernando de Aguiar, que desde o dia 2 de fevereiro assumiu o cargo de Comandante de Preparo (COMPREP) da FAB. A missão deste grande comando é a de liderar todas as atividades relativas ao planejamento e preparo da Força Aérea, uma tarefa desafiadora e que exige um time de profissionais extremamente qualificados e comprometidos.

O Ten Brig Ar Aguiar é natural da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Foi declarado Aspirante a Oficial Aviador em 9 de dezembro de 1982 e promovido ao atual posto em 25 de novembro de 2018. Possui todos os cursos acadêmicos e operacionais de carreira e, ainda: Curso de Guerra Eletrônica; de Administração de Recursos Humanos; de Gestão da Informação; e de Capacitação em Gestão Integrada de Processos, Projetos, Resultados e Mudança; e MBA em Gestão Estratégica.

Dentre as principais funções exercidas estão: Comandante do Grupo de Serviço de Base da Base Aérea de Anápolis; Assessor Militar para Assuntos de Aeronáutica do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República; Comandante da Base Aérea de Natal; Adido Aeronáutico junto à Embaixada do Brasil no Chile; Chefe do Estado-Maior do Sétimo Comando Aéreo Regional; Comandante da Terceira Força Aérea; Chefe do Estado-Maior do COMGAR; Comandante do Segundo Comando Aéreo Regional; Presidente da Comissão de Implantação de Sistemas Espaciais; e Diretor-Geral do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA). Possui cerca de 4.900 horas de voo em 12 tipos diferentes de aeronaves. Já recebeu 16 condecorações nacionais.

Dadas as capacidades do Gripen de operar a partir de pistas extremamente curtas, a FAB prevê a sua em aeródromos ou pistas destacadas na região de fronteira do Brasil?

A FAB fez um levantamento bastante completo para identificar todas as pistas em que será possível operar o Gripen E/F, o que resultou na identificação de mais de 300 aeródromos em que a aeronave pode pousar. São pistas de pouso, aeroportos e bases militares que cobrem todo o território nacional.

Além disso, vários órgãos da FAB estão realizando um estudo em conjunto para determinar as necessidades e possibilidades de operação em rodopista no Brasil. Nesse caso, trata-se da interdição de um trecho comum de rodovia por um breve período de tempo de modo a possibilitar o pouso, reabastecimento e remuniciamento das aeronaves. Depois desse reposicionamento, o avião estará pronto para realizar uma nova decolagem logo em seguida ou então pode ficar em alerta, às margens da rodovia, para eventuais acionamentos. Sabendo-se que o Gripen C/D (versão anterior das aeronaves que estamos adquirindo) consegue operar em trechos de rodovias que chegam a 800m de comprimento e 16m de largura, estimamos que o Gripen E/F terá capacidades similares.

Essa capacidade permitirá complementar qualquer lacuna do território nacional que, porventura, não conte com aeródromos suficientes para a condução de operações aéreas. Além de contribuir com a furtividade das operações, já que, dessa forma, torna-se bastante difícil para um eventual oponente localizar e neutralizar a base de operações.

Quando está prevista a obtenção da capacidade operacional plena (Full Operational Capability) do Gripen na FAB? Como deve funcionar e o que envolve esse processo?

A capacidade completa (Full Capability – FC) do Gripen será entregue para a FAB no início de 2025. Isso significa que, na FC, teremos todos os sistemas integrados e testados, prontos para serem empregados no combate. Para entender melhor esse conceito, é bom enxergarmos o Gripen não só como um avião, e sim como uma plataforma de combate que possui vários sensores, equipamentos e armamentos.

Todos esses sistemas devem funcionar de maneira integrada para cumprir uma determinada missão. Essa integração, seja no Gripen ou na maioria dos projetos modernos de aeronaves de combate, é feita de forma paulatina. É costumeiro que os sistemas essenciais de voo e os sistemas básicos de combate sejam entregues logo nas primeiras aeronaves, o que permite realizar testes de recebimento, o treinamento inicial dos pilotos e mantenedores e, até certo grau, o emprego operacional. Na medida em que as próximas aeronaves vão sendo entregues, elas vêm com novos equipamentos e funcionalidades incorporados e a frota já recebida também é atualizada para a última versão.

Entende-se que tal método de desenvolvimento seja benéfico para os dois lados, seja para a FAB como cliente, seja para a SAAB como empresa contratada. Isso porque a FAB conseguirá iniciar logo os seus treinamentos e conseguirá testar o conceito operacional da plataforma antes do “pacote de desenvolvimento” estar fechado. Isso dá a oportunidade para que a FAB e SAAB trabalhem em conjunto para que o produto final seja refinado com foco na eficiência operacional testada e comprovada pelo operador, garantindo assim que o Gripen atenderá plenamente aos anseios da nossa Força e, por consequência, se torne um Caça bastante competitivo no cenário mundial. Acrescento que a versão inicial do Gripen será denominada “Basic Capability – BC”, a ser entregue já em 2021, sendo requisito essencial da FAB que a aeronave já esteja pronta para missões de Defesa Aérea desde então.

Qual é expectativa da Força Aérea em relação a distribuição do Gripen pelas localidades?

Inicialmente, todos os Gripens brasileiros ficarão sediados na Ala 2, em Anápolis – GO. Estão sendo feitos estudos para uma distribuição em outras localidades

Quando os primeiros pilotos devem ser enviados para a Suécia para receber o treinamento no Gripen E? Como vai funcionar esse processo e quantos pilotos devem passar por esse treinamento?

A escolha dos primeiros pilotos de Gripen foi resultado de um rigoroso processo de seleção onde foi avaliado todo o desempenho operacional dos Pilotos de Caça. Interessante comentar que, naturalmente, a formação do Oficial Aviador na Academia da Força Aérea (AFA) e, em seguida, a formação de Pilotos de Caça e Líderes de Esquadrilha de Caça já constituem processos seletivos extremamente rigorosos, que forjam pilotos do mais alto gabarito. Com isso, destacar alguns poucos dentre um grupo de profissionais que já é bastante seleto não é tarefa fácil. Foram detalhes mínimos que levaram à escolha dos 12 Oficiais Aviadores que serão os primeiros pilotos de Gripen.

Esses pilotos seguirão para a Suécia em três turmas com quatro pilotos cada uma, sendo que a primeira turma já partirá em janeiro de 2021. Ficarão na Suécia por um período aproximado de 5 meses e lá farão o curso do Gripen C/D (versão anterior ao Gripen brasileiro, sendo o C mono-posto e o D bi-posto). Ao regressarem ao Brasil, farão o curso teórico e de simulador para então poderem voar o Gripen E (mono-posto).

Interessante notar também que, nesse momento inicial, ainda não teremos o Gripen F (bi-posto), o qual permite o voo “duplo-comando” para instrução. Este irá entrar em operação na FAB somente no final de 2023. Por conta disso é que se faz necessária uma adaptação ao Gripen C/D na Suécia, cuja pilotagem é bastante parecida com a do Gripen E/F e, dessa forma, os habilitará a realizar o primeiro voo no Gripen E já solo. Ressalta-se que esse será o modelo de treinamento definitivo a ser adotado pela Força Aérea da Suécia já que, diferente da FAB, aquela Força Aérea não optou pela aquisição do Gripen F, apesar de estarem migrando também para o Gripen E.