NOTIMP - NOTICIÁRIO DA IMPRENSA

Capa Notimp Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil e até do mundo. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.


JORNAL O ESTADO DE SÃO PAULO


Secretário de Defesa dos EUA telefona para ministro da Defesa do Brasil


Publicado Em 18/04 - 19h25

No momento em que a Boeing e a Embraer estão em plena negociação para a compra da empresa brasileira pelos norte-americanos, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, James Mattis, telefonou para o ministro interino da Defesa do Brasil, Joaquim Silva e Luna.

Esse foi o primeiro contato oficial entre os dois que, oficialmente, teve como principal objetivo reforçar a relação entre os dois países, abrindo um canal direto de comunicação entre os representantes da Defesa do Brasil e dos Estados Unidos. Os dois falaram desde questões como a proximidade histórica entre os países, passando pela participação do Brasil nas missões de paz da Organização das Nações Unidas (ONU), atuação elogiada por Mattis, além da questão da segurança na extensa região de 17 mil quilômetros de fronteira. Na fronteira, as Forças Armadas brasileiras desenvolvem ações para a redução de ilícitos transnacionais e de ajuda humanitária que o Brasil coordena junto à ONU e à Cruz Vermelha para os venezuelanos que buscaram o País como refúgio.

De acordo com assessoria da pasta, o secretário de Defesa dos Estados Unidos convidou o Ministro da Defesa para um próximo encontro, ainda sem data definida e declarou que as falas do ministro Silva e Luna soaram como "música para os meus ouvidos".

James Mattis destacou ainda o quanto a experiência dos dois na área de Defesa facilita o diálogo entre os dois países e convidou o Ministro da Defesa para um próximo encontro presencial, ainda sem data definida. A informação oficial é de a extensa negociação entre a Boeing e a Embraer não teria entrado na pauta. (Tânia Monteiro)

 

PORTAL G-1


Teste de helicóptero da Força Aérea é alvo de reclamações de moradores em São José

Objetivo do trabalho é que helicóptero fique "invisível" durante um possível combate. Barulho da aeronave durante os testes incomoda moradores durante a noite.

Publicado Em 18/04 - 10h43

O barulho provocado durante testes com um helicóptero da Força Aérea Brasileira é alvo de reclamações de moradores em São José dos Campos (SP). A aeronave passa por testes noturnos há 16 dias no Departamento de Ciência e Tecnologia Aeronáutica (DCTA).

O trabalho com o helicóptero AH2, de fabricação russa, tem o objetivo de deixar a aeronave imperceptível durante um possível combate.

Um equipamento, que fica no hangar, é responsável por medir as emissões infravermelho do helicóptero durante o voo. Na tela do aparelho, a área vermelha é onde a aeronave emite mais calor (veja abaixo). Os dados coletados no estudo serão usado para aumentar a segurança da tripulação durante possíveis ações.

“A gente mede o quanto de calor essa aeronave produz, e com essa informação a gente consegue desenvolver técnica e tática de forma a proteger os aeronavegantes que estão na aeronave contra um míssil infravermelho”, explicou o diretor do instituto de aplicações do DCTA, Tenente Coronel Luciano Magalhães.

Com os resultados, é possível descobrir a distância que um míssil oponente conseguiria supostamente atingir a aeronave. Mas o barulho tem gerado reclamações constantes dos moradores próximo do local dos testes, que acontecem durante a noite.

“Os voos têm que ser a noite, pois se fizéssemos durante o dia, o sol provoca várias reflexões na terra e nas nuvens que atrapalham os resultados que são medidos. A gente tomou algumas medidas para gente mitigar esse ruído”, completou Luciano.

Os testes terminam nesta quinta-feira (19) e o helicóptero voltará para a sua base em Porto Velho (RO). As atividades são realizadas em São José dos Campos, segundo o DCTA, pela capacidade técnica da equipe.

“Aqui no DCTA reúne grande quantidade de equipamentos que são capazes de fazer essa medição, bem como técnicos. Nossa equipe chega a 30 civis e militares, e são profissionais do mais alto gabarito, com conhecimento no infravermelho para que possa ser feita essa avaliação”, explicou o tenente.

 

Florianópolis terá apresentação da Esquadrilha da Fumaça neste sábado

Performance será a partir das 15h45, em homenagem a Tiradentes.

Publicado Em 18/04 - 14h08

A Esquadrilha da Fumaça se apresenta neste sábado (21), feriado de Tirandentes, em Florianópolis. A performance será às 15h45, com duração de 35 minutos e mais de 50 acrobacias, e poderá ser vista, especialmente, da Avenida Beira-Mar Continental.

Conforme a organização, o espetáculo será em homenagem ao patrono das polícias Civil e Militar, Joaquim José da Silva Xavier, conhecido como Tiradentes.

A Beira-Mar Continenta será aberta exclusivamente para o público acompanhar o espetáculo. Na via estará ainda o integrante do grupo que vai narrar e explicar todas as manobras.

A última vez em que a Esquadrilha da Fumaça, formada por cerca de 70 militares, esteve na capital catarinense foi no dia 14 de outubro.
 

 

PORTAL DEFESANET


Na Ala 10, aspirantes iniciam prática em aviações específicas


Publicado Em 18/04 - 10h00

O relógio ainda não marcava cinco horas da manhã de quarta-feira (4) e já ocorria o briefing preparatório para o primeiro voo do Aspirante Aviador Gabriel Ramirez Pina, de 22 anos, no avião C-95 Bandeirante, do Esquadrão Rumba (1°/5°GAV).

Foi a primeira instrução aérea do Programa de Especialização Operacional (PESOP) de 2018 e o primeiro voo do Aspirante Ramirez na aeronave bimotor de transporte. “O voo muda bastante, a aviônica é bem distinta, então o tipo de coordenação é diferente do que a gente está acostumado”, apontou o aviador que se formou na Academia da Força Aérea (AFA) no ano passado. Na AFA, os cadetes pilotam apenas as aeronaves T-25 Universal e o T-27 Tucano.

Depois do Esquadrão Rumba, que capacita os pilotos de combate nas aviações de transporte e patrulha, o Esquadrão Gavião, que especializa os pilotos de asas rotativas, iniciou as instruções de voo na quinta-feira (5); seguido pelo Esquadrão Joker, responsável pela formação dos pilotos de caça da Força Aérea Brasileira (FAB), que começou as instruções na segunda (9).

Nas aviações de transporte e patrulha, a instrução aérea começa com duas missões, uma de ambientação da aeronave e outra de exercícios no espaço aéreo da cidade de Natal. "O mais importante nessa fase inicial de instrução para os estagiários é que eles estejam com o estudo das particularidades da aeronave realizado e o voo mental bem feito. Com isso, os instrutores podem se concentrar no desenvolvimento psicomotor deles”, avaliou o instrutor do Rumba, Major Aviador Jader Mario Santana Moreira.

Nos cursos de especialização de asas rotativas e de caça a instrução aérea também começa com voos de ambientação, fase denominada pré-solo. Nesta etapa, os alunos aprendem procedimentos necessários para um voo básico de helicóptero ou de caça. Os instrutores realizam exercícios que demonstram ao aluno as especificidades da aeronave e de cada aviação.

PESOP

O Programa de Especialização Operacional (PESOP) é coordenado pela Ala 10, localizada em Parnamirim, na região metropolitana de Natal (RN), e tem como objetivo formar os pilotos de combate da FAB nas aviações de caça, asas rotativas, transporte e patrulha.

Os aviadores formados pela AFA passam um ano na Ala 10, preparando-se para integrar as equipes operacionais da FAB, nas diversas unidades operacionais espalhadas pelo Brasil. Este ano, a Turma Fenrir, egressa da AFA, é composta por 98 aspirantes a oficial aviador.

 

OUTRAS MÍDIAS


TELETIME (SP) - CCISE e Congresso de Satélites abrem chamada para apresentações


Samuel Possebon Publicado Em 17/04 - 21h57

O Congresso Latinoamericano de Satélites 2018 e a Comissão de Coordenação e Implantação de Sistemas Espaciais (CCISE), responsável pelo gerenciamento do Programa Estratégico de Sistemas Espaciais (PESE), estão recebendo propostas para apresentações sobre uma série de temas que irão subsidiar o planejamento estratégico do Estado Brasileiro na área de tecnologias baseadas em satélites. As apresentações serão feitas de maneira reservada para a equipe da CCISE durante o evento, que acontece no Rio de Janeiro nos dias 14 e 15 de agosto. O Congresso Latinoamericano de Satélites é o principal encontro do setor no Brasil e é organizado pela Glasberg Eventos com apoio da TELETIME.

As regras para o processo de seleção das apresentações estão disponíveis aqui ou pelo site do evento (www.satelitesbrasil.com.br). O prazo final para envio das propostas é 7 de maio de 2018, pelo email satelites@glasberg.com.br. A participação é aberta a qualquer empresa ou consultoria que atue nos setores de interesse, mas a participação está condicionada à inscrição no evento.

Entre os temas sobre os quais a Comissão de Coordenação e Implantação de Sistemas Espaciais gostaria de ouvir apresentações estão:

Centros de Lançamento

– Redução de Custos de Operação de Centros de Lançamento de Satélites.

– Modelos de Negócios Viáveis para o Centro Espacial de Alcântara.

– Sistemas de Avaliação de Custos de Operação de Centros de Lançamento.

– Possíveis parcerias internacionais de interesse da indústria espacial brasileira.

Lançadores

– Tecnologias Aplicadas em Lançadores de Microssatélites.

– Redução de Custos Recorrentes de Lançadores de Microssatélites.

– Modelos de Negócios Viáveis para Lançadores de Microssatélites.

– Sistemas de Avaliação de Custos de Lançadores.

– Possíveis parcerias internacionais de interesse da indústria espacial brasileira.

Satelites

– Desafios de Integração de Plataformas Satelitais.

– Desafios de Integração de Cargas Úteis de Satélites.

– Avaliações de Mercado de Micro e Nanossatélites.

– Sistemas de Avaliação de Custos de Sistemas Satelitais.

– Possíveis parcerias internacionais de interesse da indústria espacial brasileira.

– Novas tecnologias e arquiteturas para Sistemas Espaciais de Sensoriamento Óptico.

Análise de Missão

– Propostas de arquiteturas de sistemas espaciais para atividades de sensoriamento remoto óptico em monitoramento de grandes áreas.

– Propostas de arquiteturas de sistemas espaciais para atividades de sensoriamento remoto radar em monitoramento de grandes áreas.

– Propostas de arquiteturas de sistemas espaciais para atividades de comunicações em baixa órbita e/ou geoestacionários.

Capacitação

– Modelos de capacitação para o pessoal que atua no Setor Espacial.

– Cursos no Brasil e no exterior, em diversos níveis, voltados para a formação de pessoal do Setor Espacial.

– Modelos de laboratórios, softwares e sistemas de aplicação na formação do pessoal no segmento espacial.

 

CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO - Câmara inicia debate final do Projeto que define a Intervenção Urbana do Anhembi


Marco Antonio Calejo Publicado Em 18/04 - 22h45

Na Sessão Plenária desta quarta-feira (18/4), a Câmara Municipal de São Paulo iniciou a fase final do debate para segunda, e definitiva, votação do Projeto de Lei que estabelece os parâmetros do PIU (Projeto de Intervenção Urbana) do Complexo do Anhembi. O PL 11/2018, do Executivo, cria regras para o uso e a ocupação do solo do espaço.

Dois vereadores usaram a tribuna para falar sobre a proposta. Um deles, o vereador Paulo Frange (PTB), explicou que tipo de regras serão estabelecidas. “Parâmetro significa qual é coeficiente de aproveitamento, quanto nós podemos construir, qual é o gabarito, qual é a permeabilidade e qual é o fator de planejamento”, disse.

Frange falou também da importância de se definir o limite de gabarito antes da venda da área, que é vizinha do Campo de Marte, administrado pela Aeronáutica. “Eu acho que esse assunto tem que ser discutido entre a Prefeitura de São Paulo, na figura do prefeito, e o Ministério da Aeronáutica. Precisamos deixar escrito, porque se não o próprio pretendente da área vai ter insegurança. Precisa saber qual é a altura que se pode construir”.

O vereador Natalini (PV) foi o segundo a discursar no Plenário. “Eu estou questionando o PIU, porque é um projeto de intervenção urbanística. Ele, na sua essência, é altamente liberatório, não respeita os limites de gabarito e questões ambientais. Não somos contra prédios e nem contra as pessoas que ganham dinheiro construindo (prédios) em São Paulo, porque as pessoas têm que ter onde morar. Porém, não pode ser a qualquer custo. Tem que ser dentro de regras civilizadas de urbanismo que o PIU, em minha opinião, desrespeita”, disse.

Natalini declarou que, da forma que o projeto está, existe chance dele ser questionado na Justiça.

O debate sobre o PL 11/2018 no Plenário deve continuar na próxima semana. Nesta quinta-feira (19/04), a Câmara realiza uma audiência pública no Anhembi sobre o projeto.