BRUMADINHO

FAB já gerenciou mais de 4200 movimentações aéreas na operação de busca às vítimas

O trabalho de busca às vítimas do rompimento da barragem em Brumadinho (MG) entrou no 12º dia
Publicado: 05/02/2019 17:45
Imprimir
Fonte: DECEA, por Denise Fontes
Edição: Agência Força Aérea, por Tenente Gabrielli - Revisão: Capitão Landenberger

Atuação do 1°GCC em BrumadinhoA atuação da Força Aérea Brasileira (FAB) em apoio à operação de buscas às vítimas do desastre em Brumadinho (MG) permanece intensa. O trabalho de resgate entrou no 12º dia nesta terça-feira (05/02). Até hoje, foram gerenciados cerca de 20 voos simultâneos, contabilizando mais de 4200 movimentos aéreos, envolvendo mais de 60 militares na missão.

A estrutura montada em prol do gerenciamento do tráfego aéreo na região está sob a coordenação do Primeiro Grupo de Comunicações e Controle (1º GCC), unidade subordinada ao Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), que tem dado suporte e garantido a segurança das aeronaves envolvidas na operação de resgate.

Foi montada uma unidade de Serviço de Informações Aeronáuticas (AFIS) – conhecida como estação-rádio – no terreno de uma igreja no Córrego do Feijão, local mais próximo da área do desastre. Um Centro de Comando e Controle também foi implantado na Faculdade Asa para coordenar as ações de tráfego aéreo. “São dois pontos distintos e a coordenada central entre eles engloba 9 milhas, em um raio de 16 quilômetros”, explica o Chefe da Divisão de Operações do 1º GCC e Chefe do Centro de Operações Aéreas em Brumadinho, Major Aviador Leonardo André Haberfeld Maia.

Militares do Esquadrão Puma em açãoA estrutura da FAB conta com geradores, antenas para enlace de dados via satélite, computadores interligados em rede e sistemas de comunicação VHF, UHF e HF. Esse suporte na comunicação entre as aeronaves está sendo executado pelos militares do 1º GCC e do Primeiro Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA I). “Além da coordenação do tráfego aéreo envolvendo a segurança e a fluidez dos movimentos aéreos, a FAB está atuando para que o espaço aéreo da região fique restrito apenas a essas aeronaves, não sendo autorizados os voos com drones”, esclarece o Adjunto do Centro de Operações Aéreas em Brumadinho, Capitão Aviador Bruno Olimpio de Morais Strafacci.

Militares do 1º GCC participam de briefingInteração

A integração entre as Forças Armadas e os órgãos públicos tem sido o grande diferencial da operação em Brumadinho. De acordo com o Major Haberfeld, todos os órgãos estão engajados na missão. “A interação está muito sinérgica, provendo uma pronta resposta à capacidade operacional, como a exfiltração e a infiltração de militares em curto tempo na área da operação”, explica o major.

O comandante da aeronave do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG), Tenente-Coronel Farley Rocha Soares, compartilha da mesma opinião. “Essa integração está sendo muito positiva, se não fosse a atuação da Força Aérea Brasileira, no controle e monitoramento, não atingiríamos a excelência”, avalia.

A mobilização dos profissionais envolvidos no trabalho de resgate da tragédia em Brumadinho revela o lado solidário de quem se dedica à missão de salvar vidas. “Estamos envidando esforços para atender a uma situação tão difícil como essa. É importante ser útil para a sociedade”, revela o Tenente Aviador Airton Camara de Medeiros Júnior, piloto do Esquadrão Puma (3º/8º GAv).

Fotos: Fábio Maciel / DECEA

Assista ao vídeo e veja mais informações sobre a atuação da FAB em Brumadinho.