AZUVER

Exercício de guerra simulada reúne oficiais-alunos das Forças Armadas

Esse é o maior exercício conjunto de planejamento e condução de operações militares do Ministério da Defesa
Publicado: 07/11/2018 11:00
Imprimir
Fonte: ECEMAR
Edição: Agência Força Aérea, por Tenente João Elias - Revisão: Capitão Landenberger

Oficiais-Alunos das três escolas de Altos Estudos Militares das Forças Armadas participam até esta quarta-feira (07) do exercício de guerra simulada AZUVER, no Rio de Janeiro (RJ). Esse é o maior exercício conjunto de planejamento e condução de operações militares do Ministério da Defesa que mobiliza integrantes da Escola de Guerra Naval (EGN), da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (ECEME) e da Escola de Comando do Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).

O exercício, que começou no dia 24 de setembro, tem como cenário fictício a disputa entre dois países, Azul e Vermelho, que lutam por uma determinada região. Os oficiais-alunos colocaram em prática os ensinamentos adquiridos durante os respectivos cursos, exercendo todas as funções e tarefas, tanto aquelas de um Estado-Maior Conjunto, quanto de uma Força Componente, seja esta Naval, Terrestre ou Aérea.

O Exercício AZUVER é divido em três etapas. Na primeira delas, de forma conjunta com os alunos das três escolas, realiza-se o Exame de Situação, no qual são propostas as Linhas de Ação para o cumprimento da missão. Neste ano, 25% dos planejamentos são comandados por oficiais-alunos da Força Aérea. Na segunda etapa, denominada Planos e Ordens, é elaborado o Plano Operacional, também conhecido como “Plano de Campanha”, o qual detalha e regula as operações militares, no âmbito do Teatro de Operações. Finalmente, no âmbito de cada Força Componente, desencadeia-se o planejamento tático, e, em seguida, a última etapa do AZUVER, chamada de Controle da Operação Planejada. Nessa fase, em cada escola, ocorre a simulação dos engajamentos propriamente ditos, por meio de Sistemas de Simulação de Guerra.

Na ECEMAR, é utilizado o Sistema MARTE, criado e mantido pelo Centro de Computação da Aeronáutica de São José dos Campos (CCA-SJ), que permite aos oficiais-alunos elaborarem o planejamento e a execução das missões aéreas, testando seus conhecimentos e subsidiando a arbitragem dos instrutores nos Grupos de Controle (GRUCON) do exercício.

No cenário de 2018, reafirma-se o aprimoramento doutrinário, com o uso de novas tecnologias embarcadas em Sistemas Espaciais de Comunicação e Reconhecimento, o incremento de temas de guerra cibernética, e a inserção de novas aeronaves no exercício, como o F-39 Gripen, o KC-390, Aeronaves Remotamente Pilotadas (ARP) e o C-767.

“O AZUVER representa um ganho significativo para o Ministério da Defesa e para as Forças Singulares, uma vez que se constitui em oportunidade ímpar para o exercício de planejamento conjunto, bem como para o adestramento dos oficiais de Estado-Maior, principalmente nas técnicas de Comando e Controle”, explicou o Comandante da ECEMAR, Brigadeiro do Ar Flávio Luiz de Oliveira Pinto.