ORDEM DO DIA

Aniversário do Marechal do Ar Eduardo Gomes

Leia a Ordem do Dia alusiva ao Aniversário do Marechal do Ar Eduardo Gomes
Publicado: 20/09/2018 00:00
Imprimir
Fonte: GABAER
Edição: Agencia Força Aérea, por Ten João Elias - Revisão: Major Alle

Uma nação se faz com muito mais do que o seu território e um punhado de pessoas. Fundamental para a existência de uma nação, é a integração do seu povo em torno de um sentimento patriótico de união.

O patriotismo é um sentimento de amor pelo local onde nascemos e escolhemos para viver. É um sentimento de orgulho pelo nosso povo, pelas nossas conquistas, pelas nossas riquezas naturais e pelos nossos bens materiais e imateriais. É um sentimento que nos motiva a concentrar nossos esforços individuais em prol do bem comum e do progresso da coletividade.

Na história das nações vemos que um ou outro indivíduo se destacam por seus esforços altruístas e assim despontam como lideranças em busca desse bem comum tão almejado. São pessoas que enfrentaram adversidades, muitas vezes com o sacrifício da própria vida, para nos deixar como herança um mundo mais justo e igualitário.

É nos ombros de pessoas assim, com grandeza de espírito, que se edificam grandes nações!

Nesse sentido, a Força Aérea Brasileira volta a sua atenção, neste dia 20 de setembro, aniversário do nosso Patrono, para relembrar e exaltar o grande líder, o Marechal do Ar Eduardo Gomes, um exemplo de amor e devoção à Pátria que nos deixou como legado a Força Aérea e o Brasil que temos hoje.

Nascido em Petrópolis, Rio de Janeiro, o jovem Eduardo Gomes ingressou na Academia Militar do Realengo, formou-se na Aviação Militar e desde cedo já deu sinais da coragem e integridade que viriam balizar toda a sua existência.

Ainda como Tenente, foi um dos sobreviventes da “Revolta do Forte de Copacabana” onde 17 militares e um civil, os “18 do Forte”, em uma marcha heroica em prol de um ideal democrático, enfrentaram três mil homens para que pudessem acabar com as injustas oligarquias do poder da época.

Foi gravemente ferido nesse episódio que deu início ao Movimento Tenentista, em que jovens militares arriscavam a própria vida para pleitear o fim do “voto de cabresto” e a reforma da educação pública. Deram muito de si para garantirem essa liberdade tão preciosa da qual usufruímos hoje, a liberdade que temos de escolher nossos representantes, livres de pressões e de troca de favores.

No âmbito do então Ministério da Aeronáutica, foi figura fundamental para a criação do órgão que possibilita que a FAB cumpra com uma das suas mais belas missões subsidiárias, a de prover o imprescindível suporte às regiões menos acessíveis do nosso vasto território. Foi pioneiro do Correio Aéreo Nacional, um importante instrumento para a integração do nosso país que, por meio das asas da Força Aérea, diminui as distâncias e une as nossas populações.

Eduardo Gomes também participou, à época da Segunda Grande Guerra, da implantação de Bases Aéreas no Nordeste do Brasil que, amparando as operações Aliadas, ajudaram a derrubar a ameaça nazista que colocava em risco os ideais de liberdade e igualdade que tanto valorizamos.

Como Ministro da Aeronáutica, permitiu o desenvolvimento da aeronave Bandeirante, importante marco que culminou com a fundação de uma Empresa que colocou o Brasil como importante ator da indústria aeronáutica mundial e que hoje é um grande demonstrador da capacidade tecnológica brasileira e da competência industrial do nosso povo.

Como figura pública, destacou-se como exímio estadista que, candidato à Presidência da República, escolheu manter sua integridade moral em detrimento da vitória nas urnas. Recusou alianças impróprias e demonstrou que a conquista eleitoral não deveria ser buscada a qualquer custo. Mostrou que não há triunfo algum que valha o preço de uma reputação.

Destacamos, assim, que a honestidade, a firmeza de propósito e o espírito inovador, virtudes essas que, talvez, nos dias de hoje, sejam consideradas antiquadas por alguns, foram os dogmas que balizaram todos os caminhos do nosso Marechal, reforçando ainda mais o orgulho por termos Eduardo Gomes como um dos alicerces da nossa Força.

Ao lembrarmos de homens desse quilate, que são nossos verdadeiros heróis, robustecemos nos nossos corações o nosso próprio sentimento patriótico. Enxergamos nas atitudes deles o exemplo de que o nosso sacrifício vale a pena e que podemos, e devemos, enfrentar todas as intempéries para que o amanhã do nosso Brasil seja ainda melhor do que é hoje.

Para manter essa chama viva, e exaltar os nossos heróis de hoje, a Força Aérea Brasileira cunhou a Medalha Eduardo Gomes para condecorar aqueles que se destacam nas qualidades do nosso Patrono. Assim, nossos agraciados levam, forjada no peito, a face do Marechal e, ao carregarem consigo esse símbolo de virtude, levam junto a certeza de que também fazem parte de um rol de veneráveis.

Dessa forma, concito a todos que se espelhem no exemplo do nosso Patrono para que, iluminados pelos seus feitos e pelos seus valores, que nunca serão considerados antiquados no nosso meio, conduzam com propriedade e entusiasmo suas atividades de Controlar, Defender e Integrar os 22 milhões de quilômetros quadrados de espaço aéreo que estão sob nossa responsabilidade e que, num espirito de empreendedorismo e inovação, consolidem essa Força Aérea transformada sempre em busca de maior eficiência a serviço do Brasil.

Rogo então que tenhamos todos muito sucesso nessa Instituição que herdamos e que, um dia, também deixaremos como nosso próprio legado.

Sejamos todos muito felizes nesse Brasil e nessa Força Aérea que estamos construindo a cada dia!

Brasília, 20 de setembro de 2018.

Tenente-Brigadeiro do Ar Nivaldo Luiz Rossato
Comandante da Força Aérea Brasileira