COMAEX

Confira os últimos preparativos para o Exercício que ocorrerá em Brasília (DF)

Instruções e briefings foram realizados para favorecer criação do cenário de guerra ideal à prática do Exercício
Publicado: 06/09/2018 18:50
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea, por Tenente Carlos Balbino
Edição: Tenente João Elias - Revisão: Major Alle

Cerca de 50 militares participam, nesta quinta (06) e sexta-feira (07), do último treinamento antes do Exercício COMAEX, que será realizado na sede do Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), em Brasília (DF), de 10 a 18 de setembro. O objetivo do Exercício, segundo o Chefe do Estado-Maior Conjunto do Comando de Operações Aeroespaciais, Major-Brigadeiro do Ar Ricardo Cesar Mangrich, é verificar se os manuais da Força Aérea Brasileira (FAB) estão de acordo com a realidade de um conflito, simular cenários de guerra e treinar o efetivo para, caso seja necessário, atuar em situações reais.

“Essa equipe que se reúne aqui antes do início do Exercício é a chamada Equipe de Animação, responsável por criar os documentos, os relatórios de missão de conhecimento, imagens de ataques a aeronaves, alvos destruídos e os desdobramentos das forças singulares durante a batalha. É ela que vai criar todo o contexto do conflito no qual os participantes do Exercício serão inseridos”, conta o oficial-general ao lembrar que tudo tem que ser construído pelo grupo dando o máximo possível de realismo de forma a subsidiar o desenvolvimento das ações da Força Aérea Componente (FAC 701) dentro do conflito.

“Se essa preparação não for bem feita, se essa Equipe de Animação não trabalhar direito, a guerra fica pouco realística e as ações ficam sem sentido, de forma que a gente não consiga tirar nenhum proveito. Por isso, essa etapa é tão importante. Quem estiver aqui vai se sentir realmente numa operação de guerra. Para onde olhar, vai ver os resultados do conflito acontecendo”, completa.

Durante os últimos preparativos, o efetivo - que integrará o Centro de Animação criado para o Exercício - participou de um ciclo de instruções e briefing sobre as atividades previstas. Os militares também conheceram os sistemas desenvolvidos, visitaram as instalações da estrutura montada para o Exercício e participaram de eventos simulados.

O detalhamento prévio do COMAEX, as informações sobre a função de cada militar e o mapeamento das salas, que serão ocupadas pelos envolvidos na ação, foram apresentados pelo Chefe da Divisão de Programação do COMAE e Chefe do Centro de Animação do COMAEX, Coronel Aviador Leonardo Venancio Mangrich.

“É uma atividade complexa. Por isso, essa necessidade de trazer o pessoal para cá antes para realizar esses treinamentos repetidas vezes. Isso que é feito aqui é fundamental para atingirmos os objetivos do COMAEX de manter a nossa Força Aérea capacitada, com os conceitos em dia, de maneira que continue conduzindo as suas ações com capacidade de comando e controle, acompanhando o que o mundo pensa hoje em relação à condução de uma operação aeroespacial”, afirma o oficial superior.

COMAEX

Durante dez dias, cerca de 100 militares de diversas organizações do país vão participar do Exercício COMAEX. Apesar de tudo ocorrer virtualmente, eles pensam, planejam e discutem missões como se estivessem em uma coalizão do modelo empregado pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) em conflitos internacionais.

“Estarão aqui oficiais especialistas no emprego do poder aéreo e estamos ávidos a capturar as sugestões, as novas ideias. Várias situações-problema serão colocadas. Nós imaginamos uma solução, mas estaremos abertos a novas soluções. Essa troca de ideias e de novas experiências vai nos orientar para que consigamos atingir os objetivos do Exercício”, destaca o Chefe do Centro de Animação do COMAEX.

A novidade é que, desta vez, após a conclusão das atividades, a estrutura do COMAEX será mantida. A ideia é que, além dos servidores, os computadores fiquem disponíveis para que possam ser utilizados em outros exercícios. 

“Agora, poderemos fazer mais de uma edição do COMAEX. Na verdade, quantas nós quisermos e por quantos dias quisermos. Isso possibilitará que tenhamos mais gente treinada e capacitada para atender aos objetivos da operação”, reforça o Chefe do Estado-Maior Conjunto do Comando de Operações Aeroespaciais.

Fotos: Wilhan Campos / CECOMSAER