ESPAÇO

Centro de Lançamento completa 40 anos de atividades de rastreamento

Estação de Telemedidas e radares Adour e Bearn compõem o complexo de antenas que garantiram acompanhar mais de 3 mil lançamentos
Publicado: 19/06/2018 15:00
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea, por Tenente Cynthia Fernandes
Edição: Agência Força Aérea, por Tenente Jonathan Jayme - Revisão: Cap Oliveira

Centro completa 40 anos de acordos com agências e governos para rastreamentoO Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI) completou 40 anos de desempenho de uma atividade operacional vital na área espacial: rastreamento dos veículos lançados a partir do Centro Espacial da Guiana Francesa. Trata-se de um acordo de mútua cooperação entre o Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) e a Agência Espacial Europeia (ESA). Localizada em Parnamirim (RN), a unidade faz parte do Programa Estratégico de Sistemas Espaciais (PESE), da Força Aérea Brasileira (FAB).

Graças a essa parceria, o CLBI se tornou uma organização referência no rastreamento dos veículos lançados das plataformas dos centros de lançamento brasileiros e internacionais. A Estação de Telemedidas e os radares Adour e Bearn compõem o complexo de antenas que garantiram acompanhar mais de 3 mil lançamentos das plataformas brasileiras. Sob coordenação da ESA, foram rastreados 231 lançamentos.

Como característica própria, a Estação de Telemedidas do CLBI é a única estação da cadeia de rastreamento da Agência Europeia operada por técnicos e engenheiros não pertencentes ao quadro de recursos humanos da mesma.

Segundo o Diretor do CLBI, Tenente-Coronel Engenheiro Fabio Andrade de Almeida, os 40 anos desse acordo de rastreamento consolida uma forte e duradoura parceria entre as agências espaciais e governos. “O ganho é operacional. O uso continuado dos meios de rastreio e a capacitação adquirida pelos servidores e militares ao longo de décadas trazem para a FAB conhecimento e prática real na área de operações espaciais”, diz.

Dentre as operações espaciais das quais o CLBI participou, destacam-se o lançamento do Ariane V-14 levando a Sonda Giotto, com a missão de fotografar a passagem do Cometa Halley em sua aproximação da Terra em 1986; o Ariane V-158B, levando a bordo a Sonda Rosetta e o robô Philae; e o Ariane VA 236, que colocou em órbita, em 2017, o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC), operado atualmente pela FAB.

CLBI: referência no rastreamento de veículos espaciaisA previsão para 2020, de acordo com o Diretor do CLBI, é que a unidade deverá participar da operação de lançamento do Telescópio Espacial James Webb, sucessor do Hubble, sendo o primeiro capaz de realizar observações diretas de planetas fora do Sistema Solar.

Parque Tecnológico

Um parque tecnológico voltado para pesquisas na área aeroespacial deve ser construído nos próximos anos em Parnamirim, em parceria entre a FAB e a Prefeitura do município. No mês de abril, uma carta de intenções foi assinada para criação da unidade.

Denominado Núcleo do Parque Tecnológico Trampolim da Vitória, o documento prevê a intenção de cooperação na unidade que desenvolverá pesquisas e projetos na área da tecnologia aeroespacial. A previsão é que a FAB cederá, mediante contrapartidas, a área para construção da sede do empreendimento.

A expectativa é que o complexo atraia de dez a 15 empresas da área tecnológica, além de contar com a parceria do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN).

Fotos: Sargento Johnson / CECOMSAER

Confira esta e outras reportagens no Notaer de junho