ANIVERSÁRIO

Ala 2 promove mais uma edição da Reunião da Aviação de Reconhecimento (RAREC)

Atividades visam celebrar o Dia da Aviação de Reconhecimento, celebrada no dia 24 de junho
Publicado: 24/06/2017 10:50
Imprimir
Fonte: ALA 2
Edição: Agência Força Aérea, por Ten Cynthia Fernandes


O Núcleo da ALA 2 promoveu, nesta sexta-feira (23/06), a Reunião da Aviação de Reconhecimento (RAREC). Estiveram presentes militares representantes dos quatro esquadrões de reconhecimento da FAB: Esquadrão Poker (1°/10° GAV), Esquadrão Carcará (1°/6° GAV), Esquadrão Guardião (2°/6° GAV) e Esquadrão Hórus (1°/12° GAV). As atividades, que celebraram o Dia da Aviação de Reconhecimento, foram realizadas em Anápolis (GO).

Durante a manhã foram ministradas palestras sobre Inteligência, Vigilância e Reconhecimento em que foi aberto espaço para questionamentos sobre o tema, que seriam discutidos em um painel em seguida. Participaram do painel vários especialistas das diversas áreas do reconhecimento, assim como os comandantes dos Esquadrões da área. 

Na abertura da RAREC, o Chefe do Estado-Maior da Aeronáutica (EMAER), Tenente-Brigadeiro do Ar Raul Botelho, relembrou como o cenário do reconhecimento mudou nos últimos anos. "Estamos aqui para aprender e descobrir todas as modificações necessárias para otimizar o uso de todas as plataformas aéreas,” acrescenta.

Formatura
Na cerimônia alusiva ao Dia da Aviação do Reconhecimento foram entregues prêmios para as marcas operacionais alcançadas pelos militares dos esquadrões – 3000, 2000 e 1000 horas na Aviação de Reconhecimento e, também, piloto mais eficiente. Na oportunidade também foi inaugurado o novo prédio do Esquadrão Carcará.

Como parte da reestruturação da Força Aérea, o Esquadrão Carcará foi transferido de Recife para Anápolis, em dezembro de 2016. A inauguração do prédio marca o início das atividades operacionais do esquadrão, como declarou o Comandante da unidade, Tenente-Coronel João Gustavo Lage Germano. "Mudanças tais visam a racionalização de suas atividades, simplificação dos processos e busca da eficácia e da eficiência. Fizemos uma mudança que parecia impossível. Porém, não era só o Esquadrão que estava enfrentando transformações, e sim toda a Força Aérea", justifica.