FORMAÇÃO

Militares da Ala 13 concluem curso de bombeiro em aeródromo

Militares do Rio de Janeiro também realizaram o curso
Publicado: 12/06/2017 15:37
Imprimir
Fonte: Ala 13 e Ala 12
Edição: Agência Força Aérea, por Tenente Felipe Bueno

O curso realizou simulação de atendimento a vítimasCerca de 25 bombeiros da Ala 13, unidade da Força Aérea Brasileira (FAB) localizada em São Paulo (SP), realizaram, entre os meses de março e junho, o Curso de Habilitação de Bombeiro em Aeródromo, que habilita a operar em aeródromos até a categoria 10, como o Aeroporto Internacional de Guarulhos. O curso foi coordenado pelo Instituto de Logística da Aeronáutica (ILA), organização militar que passará a atuar como Organização de Ensino do Serviço de Prevenção, Salvamento e Combate a Incêndio em Aeródromos Civis (OE-SESCINC), conforme resolução 279 da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC).

"Este é um curso de alto nível que ajudará o soldado a alcançar uma maturidade profissional e, quem sabe, até se dedicar a essa carreira ao longo da vida", afirmou o Coronel Engenheiro Alexandre Lima Guerra, Diretor do ILA.

O curso se dividiu em duas etapas: ensino a distância, realizado no período de 06 de março a 09 de abril, e presencial, de 08 de maio a 09 de junho.

A duração foi de três meses"O curso prepara o militar para atuar em situações de perigo em eventuais acidentes aeronáuticos. Esta oportunidade de acesso a equipamentos modernos e contato com instrutores de várias partes do Brasil é única. Estes militares, com certeza, estão preparados para atuar em qualquer situação", explicou o coordenador, Sargento Leandro Simões Duarte.

O curso capacitou os profissionais para a prevenção, salvamento e combate a incêndios em aeronaves na área de atuação do SESCINC. Além disso, o Curso de Bombeiro de Aeronáutica tem como objetivo proporcionar experiências de aprendizagem que habilitem e capacitem os participantes a combinar ações necessárias à prevenção contra incêndios através de técnicas de salvamento e remoção de vítimas de aeronaves, técnicas de combate a incêndio adequadas a aeronaves, além de operação dos sistemas dos carros contraincêndio disponíveis em sua localidade.

"O curso agregou muito conhecimento, tanto teórico quanto prático, para o desenvolvimento da nobre atividade de salvar vidas", comentou o Chefe da Seção Contraincêndio da Ala 13, Tenente Benedito Vitório Dias da Cruz.

O curso teve instruções teóricas e práticasRio de Janeiro

Cerca de 31 militares de seis organizações militares no Rio de Janeiro (RJ) também concluíram o curso. Sob a coordenação do Instituto de Logística da Aeronáutica (ILA), participaram do curso instrutores e alunos da Ala 12, da Diretoria de Infraestrutura da Aeronáutica (DIRINFRA), do Hospital de Aeronáutica dos Afonsos (HAAF), do Batalhão de Infantaria da Aeronáutica Especial dos Afonsos (BINFAE-AF), da Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR) e do Instituto de Psicologia da Aeronáutica (IPA).

“Além de inúmeros conhecimentos sobre resgate de vítima, combate a incêndio e prevenção de acidentes, aprendemos como utilizar nossos conhecimentos na vida. Podemos ver com outros olhos acidentes de trânsito, aeronáuticos e até de nosso cotidiano e podemos usar os aprendizados para salvar vidas, inclusive de pessoas mais próximas que amamos e isso não tem preço. Orgulho-me de ostentar o nome na tarjeta vermelha”, disse o Cabo Raphael Pinto Guedes, um dos alunos.

Segundo o 31 militares foram capacitados no Rio de JaneiroChefe da Seção de Contraincêndio, Capitão da reserva Ailton Messias Moreira da Silva, o trabalho do bombeiro se concretiza através de protocolos, regras, equipamentos e coragem. “Diferentemente do sonho de muitas crianças, nesse trabalho não há um super-herói e sim uma equipe treinada e preparada para qualquer emergência”, especifica.

A formatura de encerramento foi presidida pelo Comandante da Ala 12, Coronel Carlos Roberto Ronconi Junior, que parabenizou a equipe de bombeiros, ressaltando a importância de se manterem treinados e preparados sempre. “Vocês são os guardiões de toda a área operacional”, finalizou o coronel.