ESPAÇO

Futuros controladores do SGDC recebem certificados da Agência Espacial Brasileira

Curso realizado no ITA e no INPE ofereceu visão ampla e complexa sobre a construção de um satélite
Publicado: 27/04/2016 12:55
Imprimir
Fonte: Agência Espacial Brasileira
Edição: Agência Força Aérea, por Ten Jussara Peccini

  Agência Espacial BrasileiraA Agência Espacial Brasileira (AEB) entregou a 24 militares da Força Aérea, Exército e Marinha do Brasil os certificados do Curso de Elevação de Nível em Sistemas Espaciais. A capacitação buscou qualificar mão-de-obra para trabalhar no desenvolvimento do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC). A cerimônia foi realizada em Brasília na terça-feira (26/04).

A capacitação foi realizada em 2015 no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), em São José dos Campos (SP), a pedido da AEB, e teve como propósito preparar os participantes para a transferência de tecnologia do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) desenvolvido pela empresa francesa Thales Alenia Space em parceria com o governo brasileiro. A expectativa é que o SGDC seja colocado em órbita no início de 2017.

"Elevar a instrução na área espacial ao mais alto nível é de extrema importância”, afirmou o presidente da AEB, professor José Raimundo, lembrando também de um antigo professor universitário que sempre dizia aos seus alunos: “Quando tiver dúvida no que investir, invista em educação”.

Segundo declarou o Comandante do Núcleo de Operações Espaciais Principal (NUCOPE-P), Coronel Hélcio Vieira Júnior, o sucesso do curso gerou a necessidade de repetir a capacitação. “Seria perfeito realizar esse curso a cada dois anos e integrar a participação de mais universidades para melhor abrangência da área espacial no país”.

De acordo com o Capitão do Exército, Sérgio Augusto Fujita, o curso envolveu também quem não trabalha especificamente com a área de engenharia espacial. “Eu tenho experiência pelo Exército em manutenção de aeronaves e guerra eletrônica, após este treinamento o trabalho será voltado para o setor de defesa cibernética e manutenção dos equipamentos”, ressaltou o oficial.

O Tenente Engenheiro Carlos Eduardo Xavier da Silva explicou que o curso ofereceu uma visão ampla e complexa sobre a construção de um satélite. “O Brasil é pioneiro em um acordo de transferência de tecnologia com a Thales, acredito que conseguiremos superar o conhecimento necessário para concluir o SGDC”.

Leia na Aerovisão como estão os testes com o SGDC na França.

SGDC - O satélite vai operar nas chamadas banda X e Ka. Em relação à primeira, trata-se de uma faixa de frequência destinada exclusivamente ao uso militar, correspondendo a 25% da capacidade total do satélite. A banda Ka terá capacidade de 54 Gbit/s será usada para ampliar a oferta de banda larga pela Telebras. O satélite pesa 5,8 toneladas e vai garantir conexão banda larga nos municípios mais distantes do País. Ele irá reforçar a rede terrestre da Telebras, atualmente com 28 mil km de extensão, presente em todas as regiões brasileiras.

O projeto é uma parceria entre os ministérios da Defesa (MD), das Comunicações (MC) e da Ciência e Tecnologia (MCTI) e envolve investimentos da ordem de R$ 1,7 bilhão.

A previsão de lançamento é para o segundo semestre deste ano e de operação no início de 2017. Após um período de ajustes e de testes, o satélite começará a sua operação comercial no início de 2017.