TECNOLOGIA

ITA inaugura laboratório de computação voltado a energias renováveis

Em parceria com a Petrobras, laboratório objetiva simular a eficácia de tecnologias inovadoras antes da realização de investimentos
Publicado: 20/04/2016 12:00h
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea, por Ten Gabrielli Dala Vechia

  O Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) conta, agora, com mais um centro de estudos para o desenvolvimento de pesquisas de ponta. O Laboratório de Computação em Fenômenos de Transporte, desenvolvido em parceria com a Petrobras, possui mais de mil metros quadrados de área construída. O objetivo é desenvolver soluções ligadas à produção de energias renováveis por meio da chamada "prototipação visual", ou seja, as tecnologias vão ser testadas em ambiente virtual antes que haja investimentos em protótipos ou plantas piloto.

Segundo explica um dos responsáveis pelo local, professor Marcelo de Lemos, o ITA foi uma das cinco instituições de ensino brasileiras escolhidas pela Petrobras para compor uma rede de pesquisadores nessa área. A infraestrutura montada pela estatal, na ordem de R$ 3 milhões, ficará para o Instituto.

"O laboratório tem como missão dar suporte computacional a atividades de pesquisa envolvendo processos de transferência de calor e massa. Existe, em nosso País, um grande incentivo para o desenvolvimento de estudos que utilizem energias renováveis, especialmente a chamada energia heliotérmica. Ela consiste na coleta de energia térmica do sol para substituir a queima de combustíveis fósseis, inclusive para a geração de energia elétrica", explica o professor Lemos. 

  Segundo Ismael Santos, representante da Petrobras, o setor de óleo e gás tem muitas aplicações que demandam diversas áreas de conhecimento, as quais são de domínio do ITA. "O intuito dessa parceria é aumentar a colaboração e a integração, aprimorando as tecnologias e os recursos para as tomadas de decisão", disse.

O novo laboratório deve reunir alunos e pesquisadores de todos os níveis de experiência acadêmica, desde iniciação científica até pós-doutorado. "Assim como o Pró-alcool deu ao Brasil a posição de vanguarda mundial no uso de biomassa no setor energético, temos agora a chance de novamente entrarmos para um seleto grupo de países que utilizarão a energia gratuita do sol na substituição de combustíveis fósseis para diversas finalidades", avalia o professor.