NOTAER

Saiba quanto custa criar um filho

O custo de criar um filho até os 23 anos varia de R$ 400 mil a R$ 2 milhões
Publicado: 03/04/2016 08:00
Imprimir
Fonte: CECOMSAER, por Ten Raquel Sigaud

  A Sargento Luciana Lemos Garcia, mãe de Amanda, de oito meses, se planejou com seu marido para terem filho quando houvesse estabilidade financeira. Além disso, eles decidiram ajustar algumas circunstâncias da vida do casal, como redução na carga horária de trabalho do marido, para dar mais qualidade de vida à criança.

“Um momento que eu considero ideal para ter filhos é depois que os pais tenham alcançado as conquistas pessoais, como estudos, trabalho, viagens. Segurança financeira e psicológica é importante porque é preciso abdicar de muitas coisas para se dedicar a um outro ser”, afirma.

A chegada de um filho traz uma grande responsabilidade, e sem dúvidas, um aumento nos gastos da família. O custo de um filho até ele se tornar independente pode variar muito, dependendo do padrão de vida da família e de que tipo de educação os pais decidem dar a seus filhos. Mesmo dentro de uma mesma classe social, esses valores podem ser muito divergentes.

Mas com base nos estudos do Instituto Nacional de Vendas e Trade Marketing (Invent), um casal da classe A pode gastar mais de R$ 2 milhões ao custear um filho até os 23 anos de vida. Já os gastos da classe média (classe B) diminuem, passando dos R$ 900 mil. Por fim, a classe C tem um custo de pouco mais de R$ 400 mil.

Por isso, fazer um bom planejamento financeiro é muito importante.

Faça um orçamento: Entender a fundo a dinâmica de recebimentos X gastos da família, saber para onde está indo o dinheiro, e poder reajustar o orçamento caso seja necessário, são os primeiros passos para ajustar as contas e gastar com inteligência. Esta simples prática irá permitir como melhor organizar o orçamento para esta nova fase da vida.

Faça uma reserva para a chegada do bebê: Pesquise custos com enxoval, exames, quarto, decoração, carrinho, e outros, e inicie o quanto antes uma reserva para os gastos.

Faça um Seguro de Vida: O seguro de vida irá proteger seu filho caso ocorra morte ou invalidez de um dos cônjuges. O ideal seria fazer um seguro que cubra parte dos gastos do filho até sua formação, mas se não for possível, faça um seguro adequado ao momento e ajuste ao longo dos anos.

Faça uma reserva de emergência: Uma poupança de emergência para eventualidades também é muito importante. O montante deverá ser em torno de 6 a 12 meses de seus gastos mensais, e pode ser investido em ativos de alta liquidez, como Tesouro Selic, fundos DI ou CDB com liquidez diária.

Invista para garantir a formação de seu filho: Muitas famílias encontram dificuldades financeiras para formar os filhos. Facilmente uma universidade pode ter um custo total superior a R$ 150 mil, o que coloca uma pressão muito grande no orçamento familiar.

Investir mensalmente para a formação universitária de seu filho desde o seu nascimento é uma excelente forma de garantir os recursos necessários sem um aumento substancial nos gastos da família.

Fonte: Daniel Chiavenato Mazza, planejador financeiro pessoal. Possui a certificação CFP® (Certified Financial Planner), concedida pelo Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros (IBCPF). 

Confira essa e outras matérias na edição de abril do NOTAER: