ENSINO

Professor doutor Anderson Ribeiro Correia é o novo reitor do ITA

Professor da instituição há 11 anos, exerce a função de pró-reitor de extensão desde 2013
Publicado: 06/01/2016 15:50h
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea

  Agência Força Aérea/Sargento BatistaO professor doutor Anderson Ribeiro Correia é o novo reitor do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). A portaria de nomeação foi publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (05/01). A posse está prevista para o fim de fevereiro, em São José dos Campos (SP).

“O ITA é um motor para o desenvolvimento tecnológico brasileiro. O impacto do ITA é muito grande em toda a sociedade”, sintetiza o engenheiro civil,  especializado em infraestrutura aeronáutica, sobre a instituição em que trabalha há 11 anos. Nos últimos três anos, à frente da Pró-Reitoria de Extensão e Cooperação, dedicou-se a fortalecer a cooperação internacional entre o ITA e universidades internacionais de renome, como o MIT. A iniciativa faz parte do projeto de expansão do instituto que prevê dobrar o número de vagas e criar um centro de inovação.

O processo de seleção do novo reitor começou em setembro do ano passado com a abertura de inscrições. Nesta primeira fase, 11 candidatos se voluntariaram.  Na segunda etapa, realizada em outubro, seis foram entrevistados e apresentaram suas propostas. Como resultado deste processo, uma comissão de alto nível, formada por pesquisadores e docentes com renomada reputação, escolheu três candidatos. A lista tríplice foi enviada ao Comandante da Aeronáutica que efetuou a escolha e nomeou o novo reitor.

Ao longo do processo, o professor Anderson defendeu cinco propostas para a nova função: melhorar o relacionamento institucional com a FAB e com a sociedade; modernizar o ensino de engenharia; fortalecer a pós-graduação e a pesquisa em conjunto com a graduação; modernizar a gestão; e oferecer mais resultados à sociedade.

Entre os principais projetos do ITA para os próximos anos estão a renovação do quadro de professores, pois muitos estão se aposentando; concluir as obras de expansão; ter mais alinhamento do Instituto com o Comando da Aeronáutica; e investir na cooperação internacional com intercâmbios e projetos conjuntos de pesquisa.

O novo reitor defende o fortalecimento da pós-graduação e da pesquisa no ITA. Para ele, o professor que atua na graduação e também trabalha com pesquisa  Agência Força Aérea/Sargento Batista, orientando alunos em cursos de mestrado e doutorado, consegue estar cada vez mais atualizado e mais próximo do “estado da arte”. “A gente quer que, cada vez mais, a mesma excelência da graduação esteja na pós-graduação”, enfatiza o novo reitor sobre a atuação do Instituto em relação às parcerias com empresas, organizações internacionais, universidades de renome.

Em relação a modernização da gestão, o professor afirma que é necessário manter o ITA, fundado em 1950, atualizado. Segundo ele, é sempre importante renovar a administração, mapear processos e competências. “E nessa época de escassez de recurso você precisa ter a administração enxuta, ou seja, tentar fazer mais com menos. Otimizar o orçamento, otimizar a estrutura. Às vezes, dois setores estão fazendo coisas semelhantes. Por que não juntar e tentar otimizar os recursos humanos”, questiona.

Parcerias com universidades federais – O professor argumenta que uma escola de engenharia precisa oferecer respostas à sociedade, primeiramente por meio dos seus ex-alunos, com a atuação no campo profissional. “O ITA tem esse papel dual de servir à FAB e à sociedade em todo o Brasil e no mundo também”, afirma, citando exemplos de ex-alunos em importantes empresas do setor como Boeing, Airbus, Embraer, Thales. O reitor também destaca a participação dos engenheiros da Embraer, ex-alunos do ITA, que atualmente estão na Suécia participando do projeto de transferência de tecnologia (offset) na Saab, fabricante da aeronave de caça Gripen.

Em função da ligação com o Ministério da Educação (MEC) e dos acordos de cooperação internacional, o ITA estreitou ligações com cinco universidades brasileiras, uma em cada região do Brasil. No Norte, a Universidade Federal do Pará; no Nordeste, a Universidade Federal do Ceará; no Sul, a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), no Centro-Oeste, a Universidade de Brasília (UnB); e no Sudeste, a Universidade Federal em Itajujbá (Unifei) em Minas Gerais.

Dessas parcerias, dois projetos já estão bem avançados. O primeiro já concretizado está no Ceará. O mestrado profissional em segurança na aviação e aeronavegabilidade abriu 50 vagas. Realizado com professores do ITA e da Universidade Federal do Ceará, o objetivo do curso é oferecer capacitação profissional no setor aeronáutico à região nordeste.  “Isso é interessante porque a TAM está escolhendo um local para instalar o seu hub no nordeste”, explica. Com a Universidade Federal de Itajubá e a fabricante norte-americana de helicópteros Sikorsky Aircraft Corporation, a parceria do ITA envolve a criação de um laboratório de inovação para asas rotativas. O objetivo é, principalmente, desenvolver o conhecimento em tecnologias para aeronaves de asas rotativas no Brasil.

No Sul, professores da UFSC e do ITA, com apoio da Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República (SAC PR), participam de um projeto conjunto para estudar o setor aéreo brasileiro. O projeto envolve estudos de previsão de demanda em aeroportos regionais, método de dimensionamento de aeroportos, planejamento regional dos aeroportos, varias áreas de atuação. “Essas parcerias fortalecem muito a ligação do ITA com as [universidades] federais”, afirma o professor Anderson.

  Agência Força Aérea/Sargento BatistaConheça o novo reitor - O professor doutor Anderson Ribeiro Correia é graduado em engenharia Civil pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) em 1998 e mestre em engenharia de infraestrutura aeronáutica pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) dois anos depois. Em 2004, concluiu doutorado em engenharia de transportes pela University of Calgary, no Canadá.

É membro do Conselho de Administração da Organização Brasileira para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Controle do Espaço Aéreo (CTCEA); do comitê Transportation Research Board – USA, e do conselho deliberativo da Associação Nacional de Pesquisa e Ensino em Transportes (ANPET).

Foi Superintendente de Infraestrutura Aeroportuária da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e Presidente da Sociedade Brasileira de Pesquisa em Transporte Aéreo. É bolsista de Produtividade 1C do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Nos últimos três anos esteve à frente da Pró-reitoria de Extensão e Cooperação do Instituto Tecnológico de Aeronáutica.

Assista à entrevista com o novo reitor do Instituto Tecnológico de Aeronáutica: