NOTAER

Tecnologia aliada à saúde financeira

Aplicativos e conteúdo online auxiliam na gestão das finanças pessoais
Publicado: 09/09/2015 13:22
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea

  Pesquisas revelam que as pessoas superestimam os salários em 7%. Isso mesmo! Elas acreditam que recebem mais do que realmente é depositado na conta ao final do mês. Consequentemente, elas gastam mais do que poderiam. Essa falta de conhecimento da realidade financeira é um dos fatores que levam ao endividamento.

Gasta-se muito tempo para lançar as contas em planilhas. Mas com a tecnologia disponível, isso não é mais desculpa. Além de softwares e planilhas simplificadas, existem aplicativos que ajudam a lançar receitas e despesas, trazem lembrete de vencimento das contas, informam parcelamento de dívidas, geram gráficos e até propõem planejamento das finanças pessoais.

A calculadora do cidadão, disponível no site do Banco Central do Brasil, ajuda a fazer cálculos financeiros simples e cotidianos. Há também o curso online gratuito de gestão de finanças pessoais, disponível no site cidadaniafinanceira.bcb.gov.br, com o objetivo de ajudar o cidadão a conhecer bem a realidade do próprio bolso, usar o dinheiro de forma consciente e otimizar gastos.

Como empregar a renda
O GuiaBolso, site de controle de finanças pessoais, sugere uma divisão da renda mensal em três partes. É a regra do 50/ 15/ 35. Os gastos essenciais (moradia, alimentação, transporte, e
ducação, saúde) devem corresponder a 50% do salário. A meta para investimento ideal é 15%, valor que deve ser poupado para formar uma reserva de três a seis salários, com o objetivo de cobrir despesas com situações imprevistas. Já os 35% restantes devem ser destinados a atender ao estilo de vida (lazer, cuidados com o corpo, aprimoramento profissional e beleza).

Por que ficamos endividados?

Por uma série de fatores. O principal é o desconhecimento sobre as próprias finanças. Ignorar a realidade do próprio bolso facilita assumir compromissos que não serão honrados. Além disso, atualmente há variedade de linhas de crédito, sofisticação dos serviços bancários e a digitalização dos pagamentos (cartão de crédito, transferências online, etc).

“A economia comportamental mostra que não fomos preparados psicologicamente para o dinheiro virtual, nem para contas de valores pequenos. Por isso passamos o cartão de crédito várias vezes e estimamos o gasto. Quando vem a fatura, o valor é sempre maior”, declara Thiago Alvarez, sócio e fundador.

Leia esta e outras reportagens no Notaer: