NOTAER

O Sete de Setembro para quem nasceu no Dia da Independência

Conheça as histórias de quem celebra os 193º ano da independência com parabéns
Publicado: 05/09/2015 07:00
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea

  “Meu pai era militar e no dia do meu aniversário ele participava dos desfiles em comemoração à Semana da Pátria em Porto Alegre. Isso me deixava eufórico. Quando passavam os aviões e a tropa da FAB eu me imaginava vestindo a farda azul”, conta o Cabo Vladimir Eisenmann.

Dividir a data do aniversário com um dia tão marcante para o País se tornou uma rotina para o militar de 42 anos. Do período escolar, ele se recorda que setembro era marcado por comemorações e desfiles. Tudo envolvia patriotismo. Marchar e cantar o Hino Nacional, sem perder a postura, também fazia parte das brincadeiras da infância.

Em 1992, ele conseguiu realizar seu grande sonho: se tornar militar, resultado da influência de casa. “Era meu desejo de menino e pude desfilar com a farda que tanto me encantava. A partir do primeiro desfile, sempre era voluntário para os próximos eventos, mesmo no meu dia”, comemora.

Atualmente, servindo no Quinto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA V), em Canoa  s (RS), o Cabo Vladimir continua participando das comemorações do Dia da Independência e demonstra toda a sua satisfação e empenho. “Sempre que desfilo, sinto um orgulho imenso em vestir esta farda. Procuro dar o melhor de mim e amo minha profissão”.

Parabéns pra você
“As cores verde e amarela são como se fossem minhas, todo Brasil fica assim no dia do meu aniversário”. O sentimento é do Tenente José Henrique Bachiega Martins, dentista da Base Aérea de Salvador (BASV). Desde a época da escola, ele participava dos desfiles, seja marchando, na fanfarra ou no pelotão de bicicletas.

O oficial, que já participou de oito desfiles no Dia da Independência, afirma que a data tem um sentido especial. “Todo ano quando entramos em forma para o desfile, a banda de música toca ‘Parabéns’ especialmente pra mim. É muito emocionante”, diz.

  Maternidade ou desfile?
O Tenente Engenheiro de Computação Saulo Brazão dos Santos Pessoa, do Esquadrão Orungan (1°/7° GAV) também comemora aniversário na mesma data. “Brinco que já nasci dificultando para meu pai. Ele é militar da FAB e, naquele feriado de 1984, por causa do meu nascimento, não pôde desfilar”, conta.
 Apesar da brincadeira, ele diz que 7 de setembro é muito especial. “Tenho muito orgulho e prazer em vestir o macacão de voo para desfilar nesse dia”, conclui o tenente.

Independência
Em 7 de setembro de 1822, o Brasil
passava por um momento que seria lembrado ao longo de toda a sua história: o Dia da Independência. A partir dessa data, o País deixou de ser uma colônia de Portugal. A proclamação foi feita por Dom Pedro I às margens do riacho do Ipiranga em São Paulo (SP). Com isso, o Brasil passou a ser uma monarquia, uma forma de governo em que os poderes são exercidos pelo imperador ou rei.

Leia esta e outras reportagens na edição de setembro do Notaer: