RESGATE

Esquadrão Falcão resgata índio picado por cobra no extremo norte do Pará

Acesso à aldeia Urunai, próxima a fronteira com o Suriname, só é possível por barco
Publicado: 14/10/2014 15:04
Imprimir
Fonte: 1º/8º GAV

Primeiros Socorros e imobilização  Sgt Bento/1º/8º GAVO Esquadrão Falcão (1º/8º GAV) resgatou no sábado (11/10) um indígena picado por cobra. Martins AmisipaTiriyó, de 31 anos, mora na Aldeia Urunai, extremo norte do Pará, próximo à fronteira com o Suriname. A localidade fica cerca de 510 km de Macapá (AP). O acesso à aldeia só é possível por barco. Sem o transporte aéreo, levaria dias para chegar até a cidade mais próxima.

O indígena sofria de dores intensas no local da picada e calafrios. Não tinha condições de se locomover e precisava de atendimento com urgência. “Conversei com um dos poucos índios que falava português e ele me disse que o paciente não tinha tomado medicação alguma. Eles realmente não tinham como fazer nada. A aldeia é muito isolada” explica o 2º Tenente Médico Hugo Henrique Coutinho Lima, que fez primeiros socorros no local para transportar o paciente.

De acordo com o comandante da missão, Capitão-Aviador Eduardo de Araújo Silva, no trajeto as condições meteorológicas eram de chuva e nebulosidade, principalmente no translado de Tiriós, a 75 km da aldeia, até Macapá. É em casos como este que o helicóptero H-36 Caracal demonstra sua versatilidade. “Voar por instrumentos neste helicóptero permitiu que pudéssemos levar o paciente até Macapá sem fazer grandes desvios das chuvas. Uma rota mais rápida", explica. O militar também destaca o espaço da cabine traseira que permitiu levar uma tripulação completa com maca e todos os equipamentos de resgate.

O indígena foi transportado até o aeroporto, onde a Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI) se encarregou de encaminhar ao hospital. O paciente passa bem.