NOTIMP - NOTICIÁRIO DA IMPRENSA

Capa Notimp Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil e até do mundo. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.


NOTIMP 358/2017 - 23/12/2017

Publicado: 23/12/2017 - 08:28h
JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO

PORTAL UOL

JORNAL VALOR ECONÔMICO

PORTAL G1

AGÊNCIA REUTERS

AGÊNCIA BRASIL

AGÊNCIA CÂMARA

JORNAL O VALE (S.J. DOS CAMPOS -SP)

PORTAL AIRWAY

MINISTÉRIO DA DEFESA

OUTRAS MÍDIAS

JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO


Ação mais valiosa da Embraer é a "golden share", diz economista


Joana Cunha | Publicado em 22/12 - 02h00

A ação mais valiosa que a Embraer tem hoje é a "golden share" do governo brasileiro – a "ação de ouro" concede poder de veto numa eventual venda da companhia para a Boeing, caso avancem as tratativas entre as duas empresas anunciadas nesta quinta-feira (21).

A opinião é do economista Luiz Carlos Mendonça de Barros, que foi presidente do BNDES nos anos 1990 e atuou no processo de privatização da Embraer. Para ele, o governo tem de extrair os melhores benefícios que o negócio pode trazer à indústria brasileira, fazendo exigências como manutenção da produção no país.

Folha - Como o sr. avalia as tratativas entre Boeing e Embraer?

Luiz Carlos Mendonça de Barros - Quando saiu a notícia de que a Airbus tinha comprado a operação de aviões pequenos da Bombardier, em outubro, eu comentei com várias pessoas que a Embraer ia ser comprada pela Boeing. Ela faria isso para incorporar na linha de produtos os aviões abaixo de 120 ou 130 lugares. Quem tem esse mercado é a Embraer. A Boeing não tem que comprar a Embraer. Ela tem que comprar o mercado da Embraer.

"Comprar o mercado" como?

Quando saiu o negócio da Airbus, eu te garanto que, no dia seguinte, a Boeing começou a conversar com a Embraer. Não é a questão de produzir aviões. É comprar o mercado para ter a linha completa. Aí o preço que ela vai pagar não está relacionado a Ebitda, a lucro, coisa nenhuma.

Qual é a grande importância da Embraer para a Boeing?

A Boeing terá que ter aviões menores, de 90, 110, 75 lugares, na linha dela para competir com a Airbus [que em outubro anunciou acordo com a Bombardier no mercado de aviões menores]. E quem tem tecnologia de produção de software é a Embraer. E, aí, o que o governo tem que fazer é, sabendo dessa necessidade, extrair compromissos da Boeing que tenham reflexo sobre a indústria brasileira.

Como o governo deveria aproveitar a "golden share"?

A ação mais valiosa que tem na Embraer hoje é a "golden share" do governo. Ela vai valer mais do que a ação normal num contexto desses porque tem o poder de veto. Isso dá ao governo o poder de impor certas condições. Mas tem que ser usado em benefício da empresa e da economia brasileira, e não como um viés nacionalista ultrapassado. Precisa ter a dimensão do que vale isso hoje. O único risco é o Temer ter uma febre nacionalista que leve para o lado da importância de ser brasileiro.

No caso da associação entre Bombardier e Airbus, Québec é nacionalista, eles fizeram sob a forma de uma associação em uma outra empresa.

Que condições o governo deveria impor?

Por exemplo, a produção. A Embraer é um software de como se produz avião pequeno. Mas ela praticamente compra tudo de terceiros. Então, é muito fácil para a Boeing pegar esse software e levar para os Estados Unidos. O governo vai ter que usar a "golden share" para impor essas condições.

A produção tem que ser aqui. E aí é importante porque a produção da Boeing vai ser muito maior do que a Embraer produz hoje. O objetivo tem que ser absorver mais produção aqui no Brasil.

Como os órgãos de concorrência vão avaliar isso?

Isso eles sabem fazer direito. O importante é que a bola agora está com o governo brasileiro. Ele tem que extrair o máximo sem atrapalhar o negócio. Se a Boeing não comprar a Embraer, ela vai desenvolver a linha de aviões dela. E aí a Embraer vai ficar fora. Como é que ela vai concorrer com a Boeing e a Airbus?

Como fica a área de defesa da Embraer?

A Boeing tem mais coisas em defesa do que a Embraer. Poderia obrigar a ter uma colaboração.

 

Parceria aérea


Editorial | Publicado em 23/12 - 02h

A hipótese de venda da Embraer para a Boeing causou excitação e celeuma, em boa parte por mexer com os nervos nacionalistas brasileiros. Entretanto as reações de pretensos guardiões dos interesses estratégicos pátrios parecem, nesse caso, ainda mais desinformadas que de costume.

Há interesse nacional envolvido, de fato. Convém ao país que a fabricante de aeronaves tenha sucesso, cresça e continue a desenvolver sua capacidade de competir e desenvolver tecnologia.

É necessário ainda resguardar o fornecimento de equipamento de defesa e, talvez, o desenvolvimento futuro de material aeroespacial, uma competência possível da empresa que pode ser explorada pelo Estado, por exemplo.

No mais, trata-se de negócios. Quanto à suscetibilidade nacionalista mais primitiva, note-se que o controle da Embraer está pulverizado, sendo suas ações na maior parte de propriedade de investidores institucionais estrangeiros.

A empresa já tem fábricas nos Estados Unidos e, de resto, parcerias cruciais com a própria Boeing e com a sueca Saab, entre outras.

Acerca da natureza da transação, por ora não se conhecem detalhes. São diversas as possibilidades de associação entre as duas companhias, em tese de grande interesse para a brasileira.

Em primeiro lugar, a ex-estatal precisa tomar seus cuidados no que diz respeito à reorganização do mercado de aviação.

Ela tem sido bem-sucedida no negócio de aviões médios e de aviação regional, que cresce e, por isso mesmo, será objeto de disputa. Concorrentes chineses, russos e japoneses pretendem entrar no setor; haverá fusões, aquisições e associações. A Embraer precisa ganhar musculatura.

Em uma parceria com a Boeing, a empresa tem oportunidade de ganhar escala, volume de produção e ampliação na prestação de serviços. Pode também aproveitar características complementares e se tornar mais eficiente.

A gigante americana tem mais peso, acesso a mercados e uma gama maior de tecnologias, facilidades a serem compartilhadas com a eventual sócia. Outra vantagem em potencial para a Embraer seria a redução de custo para obter recursos, dada a sua nova dimensão.

São benefícios hipotéticos, teóricos e de negociação complexa. É bastante provável que a direção da empresa e seus acionistas principais tenham conhecimento mais preciso da transação.

O governo brasileiro tem poder legal de veto e motivos razoáveis de preocupação. Não deveria, porém, ser obstáculo ao crescimento da Embraer, em nome de míticas e nebulosas questões estratégicas. De concreto, interessam ao país empresas fortes e eficientes.

 

Clima é de silêncio na fábrica da Embraer sobre negociação com Boeing


Tânia Campelo | Publicado em 22/12 - 13h27

O clima foi de silêncio entre os funcionários na porta da fábrica da Embraer em São José dos Campos (SP) na manhã desta sexta-feira (22). A notícia de uma eventual compra da Embraer pela Boeing pegou de surpresa os trabalhadores na sede da empresa.

Na entrada da fábrica, funcionários abordados pela reportagem preferiram não se manifestar sobre possíveis impactos acarretados pela fusão. A maioria alega falta de informação e conhecimento para poder avaliar como a negociação irá afetar a empresa e os trabalhadores brasileiros.

"Ninguém sabe de nada, não temos informação, só sei o que saiu na imprensa. Foi uma surpresa para todos nós, mas não sei dizer se será bom ou ruim. Vamos esperar, não adianta criticar sem saber o que está realmente acontecendo", disse um metalúrgico que trabalha no primeiro turno da fábrica e que pediu o anonimato.

Outro trabalhador, que também não quis se identificar, disse que a negociação entre as duas empresas não afetou o clima da festa de confraternização dentro fábrica prevista para esta sexta. "Hoje estamos todos comemorando, é o último dia de trabalho, ninguém está preocupado com isso. A direção da Embraer deve se pronunciar e explicar tudo quando voltarmos, no dia 3", disse.

A Embraer emprega cerca de 16 mil trabalhadores no Brasil. Nas fábricas de São José dos Campos, a sede, são cerca de 12 mil funcionários.

Empresários do setor aeronáutico dizem acreditar que uma fusão entre a Embraer e a Boeing em benefícios para toda a cadeia produtiva.

O Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos realizou um ato em frente à Embraer, na manhã desta sexta-feira (22), ressaltando para os trabalhadores os possíveis impactos negativos que seriam gerados pela fusão.

"A venda da Embraer coloca em risco não só o emprego mas a própria soberania do país", disse o vice-presidente do sindicato, Herbert Claros.

"Essa história que a Boeing pode acabar com as fábricas da Embraer no Brasil não tem sentido. Qualquer que seja a negociação com a Boeing, toda a cadeia produtiva só tem a ganhar", disse Francílio Graciano, presidente do grupo Troya e representante do cluster aero no Conselho do Parque Tecnológico São José dos Campos. O cluster reúne cerca de 100 empresas e emprega cerca de 6.000 trabalhadores.

O sindicato deve encaminhar uma carta para a direção da Embraer solicitando informações e agendamento de uma reunião para discutir as negociações entre a fabricante brasileira e a Boeing.

A Prefeitura de São José dos Campos informou, por meio de sua assessoria, que não iria se manifestar sobre o assunto.

O acordo entre as empresas divide opinião dos moradores da cidade nas ruas e nas redes sociais —a Embraer é uma das principais empresas da cidade.

"Única área de desenvolvimento de ponta do país, que disputa com o resto do mundo e acaba por investir também em educação de engenheiros no Brasil, sendo entregue ao capital estrangeiro. É a total perda de uma pequena independência que esse país poderia ter", disse o internauta Gustavo Andrade em comentário no Facebook.

"Tem que vender sim!", rebate o internauta Lucas Ferronato.

REAÇÃO NA CIDADE

Moradores da cidade aguardam apreensivos o desdobramento de uma possível fusão das empresas e o impacto na economia local.

Presidente da ACI (Associação Comercial e Industrial de São José dos Campos), Humberto Dutra, disse que é preciso acompanhar a evolução das negociações entre Embraer e Boeing para avaliar os impactos.

"Caso a negociação evolua sem a perda de soberania nem de postos de trabalho, será um período de mudanças, que, acredito, possam ser benéficas para a empresa e para a economia da cidade", disse.

Ele afirmou ainda que, no campo militar, os laços com a Boeing podem favorecer a Embraer no mercado norte-americano, o maior do mundo.

Para o empresário Alfredo Freitas, diretor da Nova Freitas Imóveis, de São José dos Campos, as consequências de uma fusão vão depender do modelo a ser adotado pelas duas fabricantes de avião. Ele ressalta que, se confirmado o interesse da Boeing no segmento de avião de médio e pequeno porte, o impacto será benéfico.

"Olhando por esse prisma mais otimista, a expectativa do mercado mobiliário é positiva, até porque isso pode implicar novos investimentos", disse Freitas.

Ele lembrou que houve também um grande sentimento de preocupação e desconfiança quando a privatização foi anunciada. "Hoje quando olhamos para trás percebemos o quão benéfica foi a privatização. Para a cidade foi excepcional, a Embraer se revitalizou, se reinventou".

Freitas discorda do Sindicato dos Metalúrgicos, que aponta como consequência da fusão um possível sucateamento da Embraer.

"Acho difícil isso acontecer. A Boeing está de olho no mercado, nos grandes players que também estão se fortalecendo, e ela entendeu que deveria ter na Embraer o seu parceiro."

 

PORTAL UOL


Embraer enfrenta caminho "confuso" para acordo com Boeing


Fabiola Moura, Paula Sambo E Christiana | Publicado em 22/12 - 14h

(Bloomberg) -- Os investidores da Embraer comemoram uma possível parceria com a Boeing, mas só um acionista realmente importa.

O governo do Brasil possui uma "golden share", que lhe concede poder de veto sobre uma venda, e o presidente Michel Temer pode relutar em entregar o controle da principal empresa de defesa do País para uma entidade estrangeira. As ações da Embraer chegaram a subir 39 por cento em São Paulo na quinta-feira devido à notícia de que a fabricante de aeronaves estava negociando uma possível venda para a Boeing, e o Wall Street Journal informou que um acordo implicaria um prêmio substancial.

"Se sair com certeza é bom, porque dá para um gringo pagar caro nisso sim. Mas a chance de sair me parece baixa, a Embraer tem área estratégica de defesa, não é trivial um estrangeiro comprá-la", disse Marcos Peixoto, diretor da unidade de gerenciamento da XP Investimentos.

As vendas de produtos relativos à defesa para o governo brasileiro representaram 9,3 por cento da receita total da Embraer no ano passado. A Embraer fornece aeronaves de ataque leve e deve começar a entregar o mais novo avião de transporte militar, o KC-390, para o ministério no próximo ano. Ela também fornece tecnologia e serviço ao governo para monitorar as fronteiras do País e operar satélites.

Temer não permitirá que o controle da Embraer mude de mãos, disseram o ministro da Defesa, Raul Jungmann, e o comandante da Força Aérea, Nivaldo Rossato, na quinta-feira, em uma reunião, de acordo com a Folha de São Paulo. O governo foi surpreendido pela matéria do Wall Street Journal sobre as negociações, afirmou o jornal.

"Como deixar que uma empresa dos EUA seja dona de uma importante empresa de defesa no Brasil?", disse George Ferguson, analista sênior de transporte aéreo da Bloomberg Intelligence. "Ela é a campeã nacional do espaço aéreo no Brasil. Deixar isso para os EUA seria muito confuso."

O Ministério da Defesa e o Itamaraty encaminharam os pedidos de comentários ao Ministério da Fazenda e à Presidência. O Palácio do Planalto preferiu não comentar. Embora o governo seja o principal investidor nos programas de desenvolvimento de defesa da Embraer, a empresa vende aviões de combate e outros produtos para diversos países, incluindo os EUA, que compraram seis jatos Super Tucano em outubro para enviar para o Afeganistão.

Além de sua importância para a defesa do Brasil, a Embraer tem sido muitas vezes apresentada pelo governo como um exemplo brilhante da engenhosidade e do profissionalismo do País. Essa reputação foi abalada nos últimos anos por causa dos escândalos de corrupção, mas a empresa, criada em 1969 pelo governo brasileiro e privatizada em 1994, continua sendo uma das marcas globais mais famosas do Brasil e um motivo de orgulho nacional.

"Isso é algo que eu não esperava desde que comecei a cobrir a Embraer", disse Peter Skibitski, analista da Drexel Hamilton em Atlanta. Ele escreve sobre a Embraer desde pelo menos 2012. "A noção da golden share do governo representava a ideia de que a empresa nunca seria vendida."

 

JORNAL VALOR ECONÔMICO


Temer diz que transferir controle da Embraer "não está em cogitação"


Andrea Jubé | Publicada em 22/12 - 12h50

BRASÍLIA - Em café da manhã com jornalistas no Palácio da Alvorada, o presidente Michel Temer afirmou nesta sexta-feira que as negociações sobre a compra da Embraer pela Boeing ainda não chegaram, oficialmente, ao seu gabinete. Quando chegar o assunto, ele examinará, afirmou. Temer ressaltou que é "bem-vinda" a injeção de capital estrangeiro, mas que "não está em cogitação a transferência do controle acionário". "A Embraer é brasileira e representa muito bem o Brasil lá fora", reforçou Temer.

O Brasil tem poder de veto sobre a venda do controle acionário da empresa, por meio das chamadas ações "golden share". Ele disse que o assunto está sendo acompanhado pelo Ministério da Defesa, e pediu ao ministro Raul Jungmann que desse mais explicações sobre a transação.

Segundo Jungmann, há um processo de "reestruturação global da indústria aeronáutica" em andamento, e essas negociações entre Boeing e Embraer ocorrem nessa conjuntura. Ele confirmou que a Boeing procurou a Embraer para abrir negociações.

"Nossa posição é favorável a essa e outras parcerias comerciais", disse Jungmann. "Entretanto, nós temos exata compreensão de que a Embraer, por ter um forte componente de defesa", de inovação tecnológica e de conhecimento decisivos para a defesa e a soberania nacional, não pode ter o controle acionário transferido.

"A transferência do seu controle acionário desserve os interesses da soberania nacional, afora isso, a negociação e a busca de parcerias comerciais são muito bem-vindas, esse governo cuida do social e tem posição pró-mercado", disse o ministro.

 

ONU aprova sanções mais duras contra Coreia do Norte


Publicado em 22/12 - 17h

SÃO PAULO - A Organização das Nações Unidas (ONU) aprovou nesta sexta-feira sanções mais duras contra a Coreia do Norte. A medida é uma resposta ao último teste de míssil balístico de Pyongyang no mês passado. A resolução inclui sanções que reduzem em aproximadamente 90% a importação de petróleo da Coreia do Norte. Além disso, todos os norte-coreanos que trabalham fora do país terão que voltar no período de até 12 meses. A Rússia e a China, principal parceiro comercial da Coreia do Norte, apoiaram a imposição das novas sanções.

Os Estados Unidos têm imposto sanções contínuas contra Pyongyang desde 2008, congelando ativos de pessoas e empresas ligadas ao abastecimento do programa nuclear norte-coreano e proibindo exportações para o país liderado por Kim Jong-un.

 

PORTAL G1


Arquivo revela Natal de soldados brasileiros sob granadas e ao som de Noel Rosa na 2ª Guerra

Pesquisa resgata gravações feitas por correspondente de guerra do Serviço Brasileiro da BBC, o único registro em áudio do dia a dia dos pracinhas no front, na Itália, em 1944.

Publicado em 22/12 - 11h31

Imagem"Ô, Félix, de onde você está chegando?"

"Eu tô chegando do front."

"Você parece cansado."

"Eu tô o dia todo sem dormir, tô muito cansado."

"Sem dormir? Mas há quantas horas que você não dorme?"

"48 horas."

"Está caindo muita coisa lá na frente?"

"Tá caindo muita granada, muita bomba, metralhadora..."

Esse diálogo, entre um correspondente de guerra e um pracinha voltando da linha de combate na Segunda Guerra tem uma grande diferença em relação aos registros feitos pelo pequeno grupo de jornalistas brasileiros enviados à Itália em 1944 para acompanhar a Força Expedicionária Brasileira (FEB): ele foi gravado em áudio. Confira vídeo.

Ele faz parte de um precioso material colhido no front pelo correspondente do Serviço Brasileiro da BBC, o anglo-brasileiro Francis Hallawell, e que está sendo resgatado pela BBC Brasil para comemorar seus 80 anos.

Munido de um complexo equipamento de gravação e com auxílio de uma unidade móvel - uma ambulância convertida em estúdio - Hallawell foi o único jornalista brasileiro a captar as vozes dos soldados, dos oficiais e do pessoal de apoio (como enfermeiras) do contingente de mais de 25 mil pessoas enviado para lutar ao lado do Exército americano contra forças nazistas e fascistas.

Suas reportagens eram gravadas e transmitidas de Londres pelo Serviço Brasileiro da BBC em ondas curtas e por retransmissões de rádios brasileiras. Eram ouvidas em todos os cantos do Brasil.

Hallawell, o "Chico da BBC", como era conhecido pelos pracinhas - e, depois, pelo público -, levou as vozes dos combatentes brasileiros às suas famílias e a um país ansioso por notícias.

Pelos cerca de oito meses em que as tropas estiveram em combate (de setembro de 1944 ao final de abril de 1945), suas reportagens tinham audiência cativa no horário nobre dos anos de ouro do rádio.

"Muitos (ouvintes) já morreram, mas os mais idosos, todos se lembram dele, com muito carinho", conta à BBC Brasil Rose Esquenazi, pesquisadora sobre TV e rádio no Brasil, professora da PUC-RJ e autora de O Rádio na Segunda Guerra: no ar, Francis Hallawell, o Chico da BBC.

"As pessoas queriam que a guerra acabasse, e o Chico trazia as informações lá do front, onde estavam os filhos, os maridos e os noivos."

"E todo mundo ouvia rádio. Quem não tinha o aparelho, ouvia num bar ou na casa da vizinha."

Jornalismo positivo

Pelo menos 12 reportagens de Hallawell foram encontradas pela pesquisa. Entre elas, uma sobre uma visita a feridos em um hospital. Outra acompanha uma missa na catedral de Pisa em que os militares cantam o Hino Nacional. E uma terceira retrata um programa de calouros em um alojamento da FEB em que soldados satirizam Hitler e Mussolini com versões de canções conhecidas da época.

Elas estavam registradas em uma coleção de 36 discos 78 rpm produzidos pela BBC e que pertence à Embaixada Brasileira em Londres. Esta cedeu a coleção ao pesquisador e professor Vinicius Mariano de Carvalho, do Brazil Institute do King s College London, que, por sua vez, as repassou em formato digital para a BBC Brasil.

Mariano de Carvalho pesquisa os sambas e marchinhas compostos por pracinhas em plena guerra - e cujas únicas gravações in loco são as feitas por Hallawell. O material revela um lado da guerra pouco explorado, da vida no front no intervalo entre batalhas.

A reedição deste material, gravado seis anos após a criação do Serviço Latino-Americano - em espanhol e português - da BBC, é um dos elementos que marcam os 80 anos da BBC Brasil, que serão completados em 14 de março de 2018.

As reportagens em áudio focam no elemento humano, no dia a dia dos acampamentos e alojamentos, nos momentos de lazer e diversão do soldados - traz, enfim, o lado humano da cobertura da guerra.

Segundo dados do Exército, o efetivo da Força Expedicionária Brasileira foi de 25.334 pessoas. Dessas, 443 morreram, 2.722 foram feridas e 23 desapareceram. Mas a tragédia da guerra surgia como pano de fundo nas reportagens de Hallawell.

"O Chico não fazia noticiário crítico, não falava dos horrores da guerra, não falava de derrotas", diz Esquenazi. "Fazia matérias de comportamento, era um jornalismo positivo ... (através dessas reportagens) você não tinha noção do perigo, da tragédia da guerra."

Uma razão para isso, sugere a pesquisadora, está na forte censura do material dos correspondentes. "Era difícil fazer um noticiário mais realista. Havia três níveis de censura, a dos militares brasileiros, a dos militares americanos e a do Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP) do Estado Novo."

Correspondente por acaso

A trajetória de Hallawell não era típica de um correspondente. Nascido em Porto Alegre, filho de pais ingleses e parcialmente educado em um internato na Inglaterra, ele era engenheiro e foi parar no Serviço Brasileiro da BBC basicamente por falar português e querer colaborar com o esforço de guerra.

Por outro lado, o "Chico da BBC" era um bom comunicador, tinha jeito no microfone e empatia com os entrevistados.

Esquenazi diz que, apesar do sotaque inglês, sua voz, quando surgia no rádio, "tinha certa intimidade com o ouvido do brasileiro".

De fato, nas entrevistas feitas no Natal de 1944, o único celebrado pelos pracinhas na Segunda Guerra, Chico passa a impressão de ser amigo das pessoas ao microfone. Para Esquenazi, "o Chico trazia humanidade".

Sua linguagem é simples, direta e calorosa, como quando fala em "fazer um gostoso vatapá" ou pede ao sargento da cozinha que revele "em segredo" o menu dos expedicionários, ou quando anuncia a música de Noel (que ele pronuncia "No-hell" ) Rosa "sem a qual nenhum Natal brasileiro seria completo".

As entrevistas eram gravadas em um disco de vidro, através de um aparelho portátil projetado pela BBC especialmente para seus correspondentes de guerra, que, segundo relato do próprio Hallawell à BBC, "era uma caixa pesando uns 15 quilos, muito parecida com aquelas vitrolas portáteis que nos anos de 1920 e 1930 a gente levava para os nossos piqueniques".

Os discos eram levados "de jipe a Florença", e, de lá, enviados a Roma pelo malote do Exército Americano, de onde eram "irradiados" para Londres. Nos estúdios da BBC, as reportagens eram gravadas em acetato e transmitidas ao longo da programação do Serviço Brasileiro.

Ele era auxiliado por Douglas Farley, um engenheiro de som da BBC, que operava o aparelho e a unidade móvel de gravação.

Além de gravar reportagens, Hallawell enviava crônicas - pelo telex do Exército Americano - que eram lidas por locutores em Londres. Muitas vezes, ele enviava crônicas escritas pelos correspondentes dos jornais brasileiros na Itália, entre eles Rubem Braga e Joel Silveira.

Após a guerra, Hallawell voltou ao Brasil, onde foi gerente de uma fabricante inglesa de locomotivas. Ele morreu em 2004, em Petrópolis.

Nos poucos meses em que praticou jornalismo, conseguiu registrar uma visão única dos pracinhas em um momento marcante da história do país.

"É um material de enorme valor não apenas para a história do Jornalismo, como também para a história do Brasil. Ao longo de 2018, outros tesouros deste arquivo único serão divulgados para o público", diz Silvia Salek, diretora de redação da BBC Brasil.

 

O que pode estar por trás da negociação entre Boeing e Embraer, a 3ª maior exportadora do Brasil

Empresas confirmaram que conversam sobre potencial combinação, sem especificar se seria uma fusão, venda ou parceria; fabricante sediada em São José dos Campos (SP) só perde para Vale e Petrobras em valores exportados.

Por Bbc | Publicado em 22/12 - 15h51

A Embraer, terceira maior exportadora do Brasil em 2017, está na mira da Boeing, a fabricante de aeronaves americana.

As duas empresas confirmaram nesta quinta-feira, segundo nota divulgada no site da Embraer, que "estão em conversações a respeito de uma potencial combinação, cujas bases ainda estão em discussão".

"Não há garantias de que essas discussões resultarão em uma transação", diz o texto assinado em conjunto por Boeing e Embraer, que não deixa claro se está em discussão uma fusão, venda ou parceria para fabricar produtos específicos.

Uma eventual união entre as empresas pode criar uma gigante da aviação mundial, com atuação tanto na aviação regional quanto no segmento de longa distância.

Tal "combinação" entre a brasileira e americana seria uma reação à união das respectivas concorrentes Bombardier e Airbus.

Maior rival da empresa americana, a francesa Airbus passou a atuar no segmento de aeronaves de médio alcance recentemente, ao comprar o programa de jatos regionais da canadense Bombardier.

Ao se associar com a Embraer, a Boeing também poderia entrar no mercado de jatos com capacidade para até 130 passageiros.

3ª maior exportadora

A Embraer é a terceira maior exportadora do Brasil, segundo balanço do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços que contabilizou valores exportados entre janeiro e novembro deste ano. Está atrás apenas da Vale e da Petrobras, nessa ordem. O mesmo aconteceu no ano passado.

Por questões de sigilo comercial, o ministério diz que não divulga o valor exato de exportação das empresas.

A fabricante sediada em São José dos Campos faturou R$ 21,4 bilhões em 2016. Em outubro, anunciou lucro líquido de R$ 351 milhões no primeiro trimestre, revertendo uma perda, no mesmo período do ano passado, que fora de R$ 111,4 milhões.

No entanto, a própria empresa projetou um cenário pior para 2018.

"A Embraer espera que 2018 seja um ano de transição, uma vez que a empresa terá a entrada em produção seriada do primeiro modelo E2, o E190-E2, que está programado para ter sua primeira entrega em abril de 2018", disse a companhia em um comunicado sobre seus resultados divulgado em 27 de outubro.

Privatização da Embraer

A Embraer foi privatizada em 1994, no fim do governo Itamar Franco, por R$ 154,1 milhões à época.

Na ocasião, o acordo previa ao governo brasileiro uma "golden share", ação que dá o direito a veto a diferentes decisões, entre elas a transferência de controle acionário da companhia.

O presidente Michel Temer foi informado ontem das conversas entre Embraer e Boeing. Ele só não estaria disposto a autorizar um acordo que represente a venda do controle da Embraer.

Além do aval do governo brasileiro, a negociação também precisaria ser aprovada pelos conselhos das duas empresas e pelos órgãos reguladores de Brasil e Estados Unidos.

Quem são os atuais acionistas

A Embraer tem acionistas estrangeiros e nacionais, divididos entre pessoas físicas, jurídicas e institucionais.

Entre os nacionais, estão, por exemplo, o BNDES Participações e a Previ, o fundo de pensão do Banco do Brasil, com 5,4% e 4,8% das ações, respectivamente.

Segundo a empresa, além do BNDESpar, são considerados como acionistas relevantes os estrangeiros Brandes Investments Partners (15%), Mondrian Investments Partners (10%) e Blackrock (5%).
 

 Imagem

 

 

AGÊNCIA REUTERS


Projetos de aviões supersônicos ainda enfrentam dificuldades desde aposentadoria do Concorde


Jamie Freed | Publicado em 22/12 - 12h

As viagens em aviões supersônicos, que acabaram desde a aposentadoria do Concorde em 2003, retornarão em meados de 2020 se três empresas sediadas nos Estados Unidos conseguirem tornar os jatos silenciosos e eficientes o suficiente para convencer compradores e passageiros.

Quinze anos atrás, a Boeing cancelou os planos de construir o quase supersônico Sonic Cruiser, a última grande tentativa feita por uma grande fabricante de acelerar a aviação comercial.

Agora a Japan Airlines e o Virgin Group estão apoiando um dos três projetos supersônicos norte-americanos, o da empresa Boom Technology, sediada em Denver, que planeja um jato executivo de 55 lugares.

A Lockheed Martin tem uma parceria com a Aerion para desenvolver jatos executivos supersônicos menores, e a Spike Aerospace também almeja o mercado de jatos particulares, já que muitos veem os super ricos como os primeiros adeptos prováveis das viagens supersônicas.

O Concorde foi desenvolvido nos anos 1960, o que significa que não é exatamente uma tecnologia nova, mas o programa tinha apoio do governo, e só 14 jatos foram entregues às então estatais British Airways e Air France. As encomendas de outras empresas aéreas evaporaram porque os preços dispararam, e os aviões foram aposentados porque os custos de manutenção aumentaram e a procura dos passageiros diminuiu.

Os novos empreendedores estão contando com capital de risco para financiar seus modelos.

“Isto tem mais a ver com motores e economia do que com fuselagem”, disse Richard Aboulafia, vice-presidente de análise da empresa de pesquisa aeroespacial Teal Group, sobre os desafios de se ressuscitar os supersônicos.

Para que os projetos sejam economicamente viáveis os motores precisam consumir muito menos combustível e ser muito menos barulhentos do que aqueles do Concorde ou de caças.

Isso tem criado dificuldades para os engenheiros, especialmente em velocidades mais altas como a Mach 2 do Concorde, que encurtou a viagem entre Londres e Nova York pela metade – 3 horas e meia.

Os fabricantes de motores e jatos passaram décadas melhorando o consumo de combustível, ampliando o alcance e reduzindo os ruídos, mas para alcançar velocidades supersônicas é preciso um núcleo de motor mais parecido ao dos jatos comerciais dos anos 1970 e 1980, que consomem mais ar e combustível com grande ruído.

 

AGÊNCIA BRASIL


Fortes chuvas cancelam voos e causam transtornos ao Rio


Vitor Abdala | Publicado em 22/12 - 10h

A companhia aérea Gol cancelou vários voos que saíam ou chegavam ao Rio de Janeiro por conta das fortes chuvas que caíram na noite de ontem na capital. De acordo com a empresa, os voos foram cancelados porque os dois principais aeroportos da cidade - o Santos Dumont (doméstico) e o Tom Jobim/Galeão (internacional) - interromperam as operações de pouso e decolagem.

Na noite de quarta-feira (21), o Sistema Alerta Rio, da prefeitura, informou sobre previsão de pancadas de chuva forte. Os aeroportos Santos Dumont e Internacional Galeão Tom Jobim tiveram que operar com auxílio de instrumentos. Foi registrada nessa quinta-feira também rajada de vento 62,6 km/h na estação do Forte de Copacabana.

Já no sábado e no domingo, segundo o Sistema de Alerta, a tendência é de redução da nebulosidade durante o dia e temperaturas em elevação. No entanto, os moradores e visitantes não devem escapar de pancadas de chuva isoladas nos períodos da tarde e da noite, provocadas pelo calor e pela umidade. No sábado (23), a temperatura máxima prevista é de 35ºC com mínima de 20ºC. Para o domingo (24), a máxima deverá ficar em 36ºC e a mínima em 22ºC.

 

Putin acusa EUA de conspirar para romper tratado de controle de armas


Da Agência Reuters | Publicado em 22/12 - 14h

O presidente russo, Vladimir Putin, acusou nesta sexta-feira (22) os Estados Unidos de conspirar para deixar o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário, que bane mísseis nucleares ou convencionais com base terrestre de alcance médio e curto. A informação é da Reuters.

Tanto a Rússia como os EUA têm se acusado mutuamente de romper com o tratado histórico de controle de armas que ajudou a encerrar a Guerra Fria e os dois países disseram que a existência do pacto está em xeque.

 

Temer não quer deixar a reforma da Previdência para o próximo presidente


Marcelo Brandão | Publicado em 22/12 - 18h40

O presidente Michel Temer voltou a defender a reforma da Previdência na manhã de hoje (22), em Brasília. Durante café da manhã com jornalistas, o presidente voltou ao tema, como disse ele, “para que não caia no ouvido do esquecimento neste mês de janeiro”. Temer disse que se a matéria não for votada em 19 de fevereiro, a intenção do governo é que a matéria se mantenha na pauta de votações e não fique para o próximo presidente da República.

“A ideia é que se mantenha na pauta. Vamos mantendo na pauta. Se não conseguir, paciência”. Ao dar a declaração, ele repetiu uma expressão que agitou negativamente os mercados em novembro. Na ocasião, a bolsa de valores caiu com o impacto de uma possível não aprovação da reforma. E o presidente parece ter se lembrado do episódio, porque emendou, logo em seguida, uma declaração mais confiante na aprovação da reforma.

“Mas eu não quero ser pessimista. Sou otimista, acho que a essa altura já está havendo esclarecimentos, dos mais variados, que levarão aos colegas parlamentares a convicção de que vale a pena aprovar a reforma da Previdência”, emendou rapidamente o presidente, sob olhar do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, sentado a seu lado.

Para Temer, o governo perderá simbolicamente, além de economicamente, caso a reforma não seja aprovada. Temer acredita que os índices positivos de inflação e juros conquistados nos últimos meses seriam perdidos. “Perde o governo até simbolicamente. A inflação e juros estão sob controle. O que pode acontecer é a quebra desse controle. Seria péssimo para economia, além do descrédito de natureza nacional e internacional”.

O ministro Henrique Meirelles também defendeu a reforma. Para ele, o que está sendo discutido não é se a forma será feita, e sim quando. “A reforma da Previdência no Brasil será feita, isso não há dúvida. Nós não estamos discutindo o se, e sim o quando. E o quando é agora, fevereiro. Se a reforma da Previdência não for aprovada, daqui alguns anos não terá recursos para a educação, para a saúde, nem para a segurança. Isso é inadministrável”.

 

AGÊNCIA CÂMARA


Relações Exteriores rejeita suspensão de portaria do Exército sobre porte de armas


Publicado em 22/12 - 19h

A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional da Câmara dos Deputados rejeitou o Projeto de Decreto Legislativo 658/17, de autoria do deputado Alessandro Molon (Rede-RJ), que propõe a suspensão dos efeitos de portaria do Comando Logístico do Exército sobre a concessão do porte de trânsito de armas (Portaria 28, de 14 de março de 2017).

Molon defendeu medida, pois a portaria permitiria, segundo ele, que 90 mil atiradores cadastrados no Exército transitassem com suas armas carregadas entre o local da guarda da arma e o da atividade. Ele argumenta que a norma prejudica a política de controle de armas prevista no Estatuto do Desarmamento (Lei 10.826/03).

Relator na comissão, o deputado Alexandre Leite (DEM-SP), afirmou, entretanto, que a portaria não excede o que está previsto no estatuto.

“O Comando do Exército Brasileiro é competente para expedir porte de trânsito para os atiradores. Não há, portanto, impedimento legal para que os atiradores, fora do contexto de competições internacionais, tenham restrição para conduzir suas armas municiadas. Se assim fosse, haveria comandos específicos sobre a questão na Lei 10.826/03, inexistentes atualmente”, justificou.

Tramitação
O projeto ainda será analisado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ). Se aprovado, seguirá para análise do Plenário da Câmara.

 

JORNAL O VALE (S.J. DOS  CAMPOS -SP)


Embraer vê parceria com a Boeing como oportunidade de voo global


Xandu Alves | Publicado em 23/12 - 01h

Reportagem de OVALE apurou junto a fontes na Embraer de que o negócio com a Boeing é encarado como uma cooperação, com objetivo de criar o maior conglomerado de aviação do mundo ; Ozires Silva defende parceria

A Embraer encara a parceria com a gigante norte-americana Boeing como um terceiro ciclo de desenvolvimento da empresa em sua história, que começou em 1969.

Nesta quinta-feira, a notícia de que as companhias estão em tratativas para uma potencial combinação de seus negócios chacoalhou o mercado e projetou o que poderá vir a ser o maior conglomerado do mundo em aviação.

OVALE apurou junto a fontes na Embraer de que o negócio é encarado como uma cooperação entre as fabricantes, e não uma aquisição de uma pela outra, como chegou a ser divulgado nesta quinta.

Se concretizada, tal parceria entrará na história da Embraer como seu terceiro ciclo de desenvolvimento. Os dois ciclos anteriores são a fundação da companhia, em 1969, e a privatização, em 1994, quando a Embraer esteve à beira da falência.

MERCADO.

A lógica por trás do negócio é de potencializar ambas as empresas, que não competem em mercados comuns. E fazer frente ao consórcio europeu Airbus, principal rival da Boeing, que comprou fatia majoritária do programa de aeronaves regionais C Series da Bombardier, maior concorrente da Embraer.

Juntas, Boeing e Embraer poderão garantir a liderança em seus respectivos nichos de mercado: a primeira nas aeronaves de longa distância e a segunda, com seus jatos para a aviação regional.

A união ainda criaria uma terceira cadeia produtiva de valor na indústria aeroespacial, que hoje já conta com a China e o conglomerado europeu (Airbus) agora reforçado com os canadenses.

VENDAS.

"O Brasil tem que pensar grande. Não podemos pensar pequeno. O ano de 2018 vem aí e temos que fazer mais pelo país", disse a OVALE o fundador da Embraer, o engenheiro Ozires Silva, defensor da parceria com a Boeing.

A vantagem seria a de aumentar a capacidade da Embraer nas áreas de vendas, marketing e de penetração no mundo da aviação global, tornando a empresa brasileira efetivamente globalizada.

Dentro da Embraer se fala em "momento histórico" e de um impulso sem precedentes na capacidade de negociação da companhia.

Com seus cerca de 4.000 engenheiros, a Embraer, segundo apurou OVALE, se destaca no cenário internacional nessa área e a parceria com a Boeing pode culminar em uma mistura de produtos entre as empresas, com aviões da americana usando componentes feitos pela Embraer.

Fundador da empresa, Ozires Silva aprova negociação com a Boeing e fala em avanço

O engenheiro Ozires Silva, fundador da Embraer em 1969, disse que um eventual acordo com a Boeing será benéfico para a fabricante brasileira, e também para o país. "Não se trata de uma compra da Embraer pela Boeing. Eles estão propondo uma parceria. Não é uma coisa ruim, ao contrário. É uma proposta muito honrosa para a empresa", afirmou Ozires, que é colunista de OVALE.

Segundo ele, os elogios recorrentes da Boeing à capacidade dos engenheiros da Embraer revela o interesse da companhia. "Eles querem uma parceria, pois estão com dificuldades na área técnica deles".

O fundador da empresa até se permitiu brincar com a situação. "Não há negociação para a Boeing comprar a Embraer. Vai que a Embraer compre a Boeing?", disse, por telefone.

Ozires Silva lembrou que uma parceria com a Boeing será boa para enfrentar a Airbus e a Bombardier, que se uniram. "Não tem como concorrer com o mercado europeu. E a Boeing também precisa de apoio técnico para concorrer com eles. A parceria vai ser boa para o Brasil".

Temer: transferência do controle da Embraer está fora de cogitação

O presidente Michel Temer afastou a possibilidade de venda da Embraer. Em café da manhã com jornalistas, no Palácio da Alvorada, o presidente e o ministro da Defesa, Raul Jungmann, disseram que a transferência do controle da empresa para a Boeing não é cogitada. "Toda parceria é bem-vinda. O que não está em cogitação é a transferência do controle", disse Temer.

Jungmann explicou que o governo vê com bons olhos o interesse de outras companhias em fazer parcerias com a Embraer, mas não cogita autorizar sua venda porque a empresa está no centro de um projeto de soberania nacional.

Ele disse que, caso fosse vendida, uma empresa estrangeira passaria a ter controle de projetos importantes para o país como o programa dos caças Gripen NG, dos caças Embraer EMB-314, chamado de Super Tucano, além da transferência de tecnologia relacionada ao satélite estacionário brasileiro.

"Isso tudo é soberania e interesse nacional, nós não podemos negociar soberania e interesse nacional. No entendimento deste governo do presidente Temer, soberania é inegociável. Agora, todo o restante, que seja bom para a empresa, que ajude a aumentar as vendas, será bem-vindo", disse o ministro. A Boeing procura na Embraer fôlego no mercado para fazer frente às gigantes do setor, Airbus e Bombadier, que anunciaram, em outubro, uma sociedade para produção de jatos comerciais. Embraer e a Boeing informaram que estão em tratativas para uma "potencial combinação". As bases ainda estão em discussão.

 


 

PORTAL AIRWAY


Brasil participa pela primeira vez de reunião de usuários do caça Gripen

Próxima edição do encontro, em 2018, será realizado no Brasil; novos caças serão entregues à FAB a partir de 2021

Thiago Vinholes | Publicada em 22/12

Pela primeira vez, uma comitiva brasileira participou da Gripen Users Group, conferência que reúne os operadores do caça Saab Gripen, aeronave que entrará em operação com a Força Aérea Brasileira (FAB) a partir de 2021. O evento aconteceu entre os dias 4 e 8 de dezembro, em Praga, na República Tcheca. O Brasil, que foi confirmado como anfitrião do próximo encontro em 2018, foi representado por quatro militares da FAB.

Participaram do encontro representantes de todas as forças armadas que utilizam o Gripen, hoje em operação com as cores da Suécia, Hungria, Tailândia, África do Sul e República Tcheca.

O Gripen Users Group é realizado todo semestre e composto por um grupo de Aquisição e Desenvolvimento e dois subgrupos – Operacional e Logístico. A Saab, fabricante do caça, apresentou durante o encontro ações desenvolvidas em respostas às soliticações do operadores, o atual estágio do pacote de atualização MS-20 para o Gripen das versões C e D, além de aspectos relativos sobre a segurança de voo de detalhes sobre o desenvolvimento do Gripen NG adquirido pelo Brasil.

Segundo o Major-Brigadeiro Jefson Borges, que liderou a comitiva brasileira, a partir de agora, a FAB participará de todas as reuniões relativas ao novo caça, não somente as do grupo de usuários, mas também as de “Treinamento de Liderança Tática”. Para o militar, esse encontro serviu para que o Brasil, como futuro usuário do Gripen, pudesse ouvir dos operadores – alguns que utilizam o caça há mais de 20 anos – sobre suas experiências, táticas, soluções logísticas, novos desenvolvimentos e problemas que precisam ser resolvidos.

“O Brasil foi um dos principais focos dessa última reunião do Gripen Users Group. Os países operadores mostraram interesse em conhecer como a FAB irá receber e operar o Gripen NG e os nossos desafios, que deixa claro que eles percebem a dimensão do nosso País. Aqui, eles terão não só a oportunidade de conhecer a nossa força aérea, bem como as instalações da Embraer onde o Gripen será montado, em Gavião Peixoto, no Estado de São Paulo. Lá, também, poderão conhecer o KC-390, uma vez que todos os países presentes no evento, este ano, mostraram-se interessados em aprofundar os conhecimentos sobre o dueto Gripen NG e KC-390, que irá revolucionar a FAB”, avalia o Oficial-General.

 

 

MINISTÉRIO DA DEFESA


Crianças do PROFESP fazem apresentação de final de ano e emocionam servidores do Ministério da Defesa


Débora Sampaio | Publicado em 22/12 - 14h43

O coral das crianças que integram o Programa Forças no Esporte (PROFESP) realizou uma apresentação, na manhã desta sexta-feira (22), no Ministério da Defesa para o ministro Raul Jungmann e para os servidores civis e militares da Pasta. O PROFESP promove o desenvolvimento integral de crianças e adolescentes por meio do acesso ao esporte e é desenvolvido pelo Ministério da Defesa com o apoio das Forças Armadas e em parceria com os ministérios do Esporte (ME) e do Desenvolvimento Social (MDS).

Em sua fala, espontânea, Ester do Nascimento (10 anos), que participa do PROFESP há dois anos no Centro de Comunicações e Guerra Eletrônica do Exército (CECOMGEX), em Brasília (DF), agradeceu aos envolvidos no PROFESP. “Estou aqui hoje para agradecer a todos os monitores que vem colaborando e dando apoio para nós, que dão continuidade a essa ação maravilhosa. O PROFESP ajudou no meu desenvolvimento no esporte e a descobrir mais uma pouco do que eu sou capaz” destacou.

A jovem ainda explicou algumas ações desenvolvidas no Programa. “O PROFESP é um acolhimento, porque ajuda os pais que trabalham o dia todo e chegam tarde em casa, com um amparo a essas crianças durante o dia. No PROFESP tem almoço e várias modalidades de esporte, o que pode ajudar o jovem a se descobrir. A pessoa que não valoriza o trabalho dos envolvidos no PROFESP está perdendo uma oportunidade maravilhosa de aprender. Valorize os seus professores, porque não só eles vão garantir o seu futuro, mas você também”, concluiu Ester, emocionando a todos presentes.

As crianças cantaram o Hino Nacional brasileiro e a musica “Aleluia”, do cantor e compositor canadense Leonard Cohen. A apresentação também emocionou a todos e, em especial, ao ministro Raul Jungmann que, ao retornar de agenda na Presidência da República, participou do evento e ,em discurso, elogiou a apresentação das crianças e agradeceu as palavras de jovem Ester.

“Esse foi o meu presente de Natal. Fiquei emocionado. Essa foi, sem dúvida, a mais bela comemoração de Natal. O PROFESP vai continuar a crescer porque tem tudo a ver com o futuro e todos nós temos responsabilidade com esse futuro”, ressaltou o ministro Jungmann que agradeceu o empenho de todos os envolvidos no PROFESP e desejou Feliz Natal.

Após a fala do ministro da Defesa, as crianças receberam dos servidores civis e militares do MD brinquedos doados pela Receita Federal. A entrega de presentes ocorre anualmente.

Histórias renovadas

Thiago Henrique da Silva Lopes, de 14 anos, foi aluno do PROFESP e carrega com orgulho a medalha de bronze de atletismo que conquistou nos Jogos Escolares Sul-americanos, realizados na Bolívia, no início deste mês. “Antes de entrar para o PROFESP, eu só ficava na rua. Ao entrar para o Programa comecei a praticar esportes, os professores me ajudaram. Gostei muito de ter participado do PROFESP”, destacou o jovem.

O PROFESP atende, atualmente, cerca de 23 mil crianças em todos os estados brasileiros. Nas Organizações Militares, as crianças praticam esportes, têm acesso a atividades culturais e a aulas de reforço. “O PROFESP é muito importantes para a minha vida. Tem que ter muito amor para trabalhar lá. As crianças são uns amores. Elas melhoram o dia de qualquer pessoa”, destacou a voluntária do PROFESP no CCOMGEX, Jeniffer Victória Batista.

 

Ministro Jungmann recebe embaixador da Russia para reforçar parcerias entre os países


Publicado em 21/12 - 17h

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, recebeu em seu gabinete, na tarde desta quarta-feira (20), o embaixador da Rússia, Sergey Akopov, para reforçar relações em cooperação e protocolos de entendimento na área espacial brasileira.

O ministro Jungmann lembrou que neste ano foi apresentado ao presidente da República, Michel Temer, um novo modelo de governança do Programa Espacial Brasileiro, que prevê a criação de um Conselho Nacional do Espaço (CNE).

Segundo o embaixador Sergey Akopov, a Rússia já havia manifestado interesse no Programa Espacial brasileiro e tem a intenção de explorar comercialmente o mercado de satélites. “Temos toda disponibilidade de cooperar com o Programa Espacial brasileiro. É preciso identificar em quais áreas o Brasil tem interesse”, afirmou. Porém, o embaixador aguardará uma sinalização do Ministério da Defesa no Brasil para iniciar as tratativas.

Raul Jungmann indicou que a próxima conversa com Sergey Akopov poderá ser em fevereiro do próximo ano e espera a edição de decreto para a criação do CEE. “Há convergências no plano global entre Brasil e Rússia que nos une”, disse.

As relações entre os dois países incluem cooperação nas áreas de defesa, ciência e tecnologia, em parcerias no âmbito da ONU, BRICS e outros.

 

OUTRAS MÍDIAS


PORTAL CENÁRIO MT - Força Aérea Brasileira realiza voos de teste no Aeroporto de Sinop


Publicado em 22/12 - 10h10

Sete militares da Força Aérea Brasileira (FAB) desembarcaram no Aeroporto Municipal Presidente João Batista Figueiredo para aferição do PAPI (Indicador de Precisão de Trajetória de Aproximação) e das Rotas de Navegação Aérea (RNAV). A equipe integra o Grupo Especial de Inspeção em Voo (GEIV) e a vistoria foi acompanhada pela secretária Municipal de Planejamento, Finanças e Orçamento, Ivete Mallmann, e representantes da União das Entidades de Sinop (Unesin).

“Aguardávamos essa vistoria dos instrumentos. O PAPI o é instrumento que está instalado nas cabeceiras da pista e esse voo é para aferição desse equipamento, para que possamos ter habilitação e homologação. Também é feita a certificação dos procedimentos RNAV, que são as cartas cartográficas. Nós já tivemos uma primeira visita da equipe, que fez um levantamento técnico e agora, neste momento, são aplicadas essas cartas”, explicou a secretária.

A equipe do GEIV iniciou os trabalhos já no trajeto para Sinop. Para os procedimentos RNAV a aeronave fez testes durante o dia e também no período noturno. Já os testes do PAPI foram realizados no período da tarde. Após a vistoria, os militares elaboram novo relatório que será encaminhado ao Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta IV), em Manaus, e para o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), no Rio de Janeiro.

“Aguardamos a edição do relatório, que deverá ser encaminhado ao DECEA e ao Cindacta. Estando tudo conforme avaliado pelos militares, teremos o próximo passo que é a certificação do PAPI e, posteriormente, as cartas RNAV serão disponibilizadas aos demais aeroportos e pilotos, mas isso é um procedimento interno a ser cumprido”, explicou Ivete.

A homologação dos instrumentos bem como a certificação que altera a operação do aeroporto de Sinop de visual para instrumentos garantirá maior segurança nos voos e auxiliará pousos e decolagens em condições adversas, principalmente no período de chuvas.

“A importância dessa vistoria é justamente isso, pois são instrumentos que estão sendo aferidos e depois homologados, o que facilitará com que nossos pilotos possam acessar com maior segurança o aeroporto municipal. Temos um ganho muito grande no sentido de que quando tivermos situações adversas no clima, teremos segurança maior por meio do acesso a esses dois instrumentos”, destacou a secretária.

Representante da Unsein, parceira da Prefeitura de Sinop na “força tarefa” montada para garantir melhorias no aeroporto municipal, o empresário Nilson Ribeiro lembrou que o maior benefício é para a população. “A gente acredita que esse é mais uma fase concluída. As entidades sempre juntas com a prefeitura e secretarias nesse objetivo de todos, que é realmente a conclusão dessas fases do aeroporto municipal. Estamos satisfeitos com mais uma fase, com esse voo do GEIV para que se homologue esses instrumentos e acredito que nos próximos dias a cidade possa ter conforto melhor nos voos”.

Investimentos

Nesta semana, a prefeita de Sinop, Rosana Martinelli (PR), acompanhou em Brasília assinatura do convênio entre o Governo Federal e o Governo do Estado. Serão destinados aproximadamente R$ 8 milhões para melhorias na infraestrutura do aeroporto. A obra será administrada e executada pela Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística (Sinfra) e a prefeitura irá apenas acompanhar e fiscalizar os trabalhos.

 

PORTAL MEIO NORTE (PI) - Força Aérea auxilia buscas por piauiense que desapareceu no mar

Piauiense desapareceu há três dias na Bacia de Campos, no Rio.

Romário Antunes | Publicado em 22/12 - 12h54

Três aeronaves da Petrobras e uma da Força Aérea Brasileira estão auxiliando a Marinha nas buscas pelo corpo do piauiense Francisco das Chagas Oliveira da Silva, de 23 anos, que desapareceu há três dias, após cair da embarcação ‘Mar Limpo III’ no mar da Bacia de Campos, a 129km de Macaé, no litoral do Rio de Janeiro.

Conforme informou a assessoria da Marinha do Brasil, as buscas foram iniciadas após as primeiras informações que chegaram através do SALVAMAR - Serviço de Busca e Salvamento da Marinha, com equipes preparadas e estrategicamente posicionadas, 24 horas por dia, que realizaram os primeiros levantamentos sobre o exato local da queda do tripulante e as coordenadas da embarcação "Mar Limpo III".

Um navio-patrulha, aeronave da Força Aérea Brasileira e três navios da Petrobras estão trabalhando em conjunto para conseguir localizar o corpo do piauiense. Além disso, foi emitido aviso aos navegantes da região por meio do canal de comunicação da Marinha.

Os familiares mais próximos do piauiense Francisco das Chagas se encontram no Rio de Janeiro, onde acompanham as buscas.

A Bravante, empresa onde o piauiense que desapareceu trabalhava, enviou uma nota onde se solidariza com a família do colaborador desaparecido e informa que eestá prestando toda a assistência aos seus familiares.

Veja Nota na íntegra:

"A Bravante se solidariza com a família do colaborador desparecido e está prestando toda a assistência aos familiares. A empresa está colaborando com as operações de busca realizadas pela Marinha do Brasil e investigações em curso.A Bravante esclarece que foi acionada pelo comandante do navio Mar Limpo III sobre o desaparecimento do colaborador às 17h23 da segunda-feira (18/12). A comunicação para o início do processo de contingência se deu às 17h25. A empresa seguiu o protocolo necessário para este tipo de incidente e mobilizou com dedicação integral sua alta administração e corpo gerencial para acompanhar e prover o suporte às operações.Ressaltamos que a Bravante está em conexão direta e permanente com os órgãos responsáveis pela operação de busca e se orienta a partir das informações dessas autoridades."

 

AEROMAGAZINE - Os detalhes que levaram a Embraer ser negociada com a Boeing

Casos de corrupção internacional e mudanças no mercado de aviação regional colocam empresa brasileira em situação delicada

Edmundo Ubiratan | Publicado em 22/12 - 11h

A notícia que a Embraer e Boeing estão discutindo uma combinação de seus negócios, impactou diretamente as ações de ambos os fabricantes e obrigou o governo brasileiro dar uma resposta imediata ao assunto.

Momentos depois da confirmação das negociações, através de comunicado oficial, ações da Embraer fecharam em alta de 22,5%, na maior valorização desde junho de 1999. No lado contrário, as ações da Boeing fecharam em baixa de 1,2%.

A transação vem sendo especulada nos bastidores, especialmente após a compra do programa CSeries da Bombardier, pela gigante europeia Airbus. O projeto agora em mãos da Airbus tem potencial para obter ao menos metade do mercado hoje dominado pela família Embraer E-Jet. Ainda que não seja um mercado com cifras tão elevadas quanto das famílias Airbus A320 e Boeing 737, é justamente a galinha dos ovos de ouro da Embraer. O fabricante brasileiro possui praticamente o monopólio do mercado, que nunca foi cobiçado pelas gigantes Airbus e Boeing.
 

KC-390

A Embraer, outrora orgulho tecnológico e administrativo brasileiro, vive situação difícil depois de admitir pagamento de propina em contratos internacionais e não emplacar vendas no exterior de seu novo cargueiro militar, o KC-390. Se a Bombardier enfrentou diversos entraves com sua divisão comercial, a Embraer, apesar do bem-sucedido lançamento da família E-Jet E2, tenta se recuperar de um escândalo de corrupção.

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos, que investiga a Embraer desde 2010, encontrou evidências de irregularidades em quatro transações ocorridas entre 2007 e 2010. Após investigação pelas autoridades norte-americanas e brasileiras, a Embraer reconheceu que pagou propinas de US$ 5,97 milhões para funcionários públicos da República Dominicana, da Arábia Saudita e de Moçambique em três contratos de venda de aeronaves. Além disso, segundo a CVM (Comissão de Valores Mobiliários), a empresa contratou representante comercial em uma competição para venda de aviões militares na Índia, o que é proibido pelas leis daquele país. A companhia ocultou a contratação mediante contrato ideologicamente falso, celebrado, na aparência, com pessoa jurídica interposta (diversa do representante comercial) e relativo, aparentemente, à venda de aeronaves comerciais.
 

Super Tucano

Na Índia, as autoridades descobriram, por meio de falsos livros contábeis, o pagamento de US$ 5 milhões a um agente indiano. Após a denúncia, a Embraer foi condenada a pagar aproximadamente US$ 206 milhões em multa às autoridades brasileiras e norte-americanas para encerrar as acusações. Além disso, a empresa se comprometeu a contratar um escritório externo de compliance (medidas anticorrupção), independente, para monitorar por até três anos o cumprimento dos acordos realizados. Uma vez cumpridas as disposições acordadas, no prazo determinado, nenhuma acusação contra a empresa será formalizada, afirmou na ocasião a Embraer, que acabou substituindo Frederico Fleury Curado por Paulo Cesar de Souza e Silva na presidência da companhia em 2016.

Em fevereiro deste ano, a Embraer ainda assinou um acordo de leniência com o Ministério Público Federal e as autoridades de Moçambique para a troca de informações e documentos sobre atos de corrupção na compra de aeronaves pela estatal Linhas Aéreas de Moçambique em 2007 e 2009. Com as transações, a Embraer teria lucrado, de forma ilegal, segundo as autoridades norte-americanas, mais de US$ 83 milhões. A multa aplicada, que supera os R$ 600 milhões, representa mais que o dobro do lucro registrado pela Embraer em 2015. Embora o valor seja financiado, a punição representou um forte abalo na imagem da empresa no exterior, e reduziu as perspectivas de investimento.

A Embraer ainda enfrenta o desafio de conseguir implementar dois grandes programas, o E2 e o KC-390, que exigiram vultuosos investimentos ao longo dos últimos anos. Embora a divisão de aviação comercial tenha registrado uma série de negócios com a família E2, o KC-390 sofre com o fato de ter contabilizado apenas um contrato, para a FAB. Criado com perspectivas de se tornar um substituto natural ao veterano C-130 Hercules, da Lockheed Martin, o cargueiro militar brasileiro não conseguiu ainda formalizar acordo com nenhuma força aérea. As intenções mais próximas continuam sendo a força aérea portuguesa e argentina, mas ambos os países estão com orçamentos limitados.

CSeries muda o jogo

Uma série de mudanças no mercado levou os dois maiores fabricantes a atentarem para o segmento de aviação regional, composto por aeronaves com capacidade entre 70 e 130 assentos. O CSeries se mostrou, tecnicamente, uma aeronave capaz de completar o portfólio da família Airbus A320neo, os modelos que foram recém remotorizados e que disputam o mercado acima dos 130 assentos. Para a Boeing, o ingresso da Airbus no programa CSeries representa a abertura do mercado regional norte-americano, o maior do mundo, a sua maior rival. O governo Donald Trump aprovou uma sobretaxa de 220% na importação do CSeries para as empresas dos Estados Unidos, sob alegação que a Bombardier havia obtido subsídios para a conclusão do programa considerados ilegais [leia mais]. O grande trunfo da Airbus está em possuir uma unidade produtiva no estado norte-americano do Alabama, o que não apenas evitaria a sobretaxa, mas ainda permite obter uma série de benefícios fiscais e econômicos na produção local do CSeries [leia mais].

Para a Boeing adquirir um projeto regional não é uma novidade, a fabricante já teve participação na Canadair, ironicamente posteriormente vendida para a Bombardier, e mais recentemente apostou no Boeing 717, um avião derivado do MD-95 com capacidade média de 100 assentos e que foi cancelado em 2005, após pouco mais de 150 aeronaves produzidas.

Uma eventual participação na Embraer permitirá a Boeing adquirir um mercado já estabelecido, sem a necessidade de investimentos em uma nova aeronave.

 

 

GAZETA DO POVO (PR) - E190-E2 e KC-390: os novos aviões da Embraer para 2018

Um para aviação civil comercial, outro para multimissões militares. A Embraer faz os últimos ajustes para começar as vendas das suas duas novas aeronaves

Luna D’alama, Especial Para A Gazeta Do Povo | Publicado em 22/12 - 14h52

A Embraer esteve no centro do noticiário nesta quinta-feira (21), graças à notícia de que a norte-americana Boeing está interessada em uma aquisição. Independentemente do desfecho da negociação, a companhia brasileira conta com duas novas aeronaves previstas para chegar ao mercado em 2018. Uma delas, o jato E190-E2, destina-se à aviação civil comercial. A outra é a aeronave de transporte militar multimissão KC-390, que substituirá os cargueiros turbo-hélice C-130 Hercules, usados pela Força Aérea Brasileira (FAB) desde a década de 1960.

O E190-E2 e o KC-390 são os maiores aviões já produzidos pela Embraer. Segundo a empresa, que é líder mundial na fabricação de jatos comerciais com até 150 assentos, o E190-E2 tem uma eficiência aerodinâmica maior, o que foi possível graças ao desenho de uma asa mais alongada e apresenta redução de até 25% no consumo de combustível quando comparado à primeira geração de E-Jets (bimotores para 70 a 124 passageiros produzidos pela empresa a partir de 2001) e aos principais concorrentes do mercado.

Além disso, os custos de manutenção do E190-E2 são 25% menores que os da atual família de E-Jets, os motores são de alto desempenho e há menos ruído e emissão de gases. Já a operação é favorecida pela quarta geração de comandos de voo “fly-by-wire” (processados por computador), as cabines para bagagem de mão são maiores que as dos E-Jets e os assentos ultrafinos garantem maior espaço entre as pernas.

O jato civil E190-E2 também buscou inspiração na indústria automobilística, com novos controles individuais de luz e ar-condicionado, considerados mais ergonômicos e intuitivos. As janelas dessa aeronave de segunda geração foram redesenhadas para dar a sensação de uma cabine maior e permite a entrada de mais luz natural em seu interior. O novo modelo utiliza, ainda, um conceito chamado e-Enabled, que emprega sistemas integrados de comunicação para gerar eficiência operacional e de manutenção. Assim, é possível usar canais de comunicação para transmissão de dados do avião entre a tripulação e o centro de operações em solo, por exemplo. Isso permite que a equipe gere relatórios e os envie mesmo durante o voo. O E190-E2 dispõe, ainda, de uma plataforma de streaming sem fio a bordo, chamada SKYfi Club, para os passageiros que quiserem ouvir músicas e ver vídeos em seu celular ou tablet, com conexão de alta velocidade.

Na opinião de uma fonte de mercado que acompanha o setor aéreo, o E190-E2 da Embraer apresenta inovação tecnológica no motor, no material de fabricação — mais leve e resistente — e no desenho da asa, que gera eficiência no consumo de combustível. “O painel dos pilotos também tem facilidade de operação. Essa aeronave é a grande novidade para o mercado de aviação regional, e seu objetivo é cimentar o histórico positivo da Embraer”, analisa.

A empresa afirma que seu novo jato civil já recebeu pedidos de compras de companhias como AirCastle (EUA), Tianjin Airlines (China), ICBC Financial Leasing (China), Air Costa (Índia), Kalstar (Indonésia) e Widerøe (Noruega). A primeira unidade do E190-E2 deve ser entregue em abril de 2018 à Widerøe, maior companhia aérea regional da Escandinávia, e as operações estão previstas para começar em seguida. Se tudo sair conforme planejado, a norueguesa deve desembolsar quase R$ 3 bilhões pelos modelos brasileiros, que serão configurados em classe única, com 114 assentos cada.

“Estamos próximos de cumprir esse compromisso, o que só foi possível graças à excelência dos processos de engenharia e à nossa experiência única na certificação de 12 novas aeronaves nos últimos 17 anos”, diz John Slattery, presidente e CEO do segmento de aviação comercial da Embraer. “Desde o começo, o programa E2 esteve e permanece no prazo, dentro do orçamento, e está ainda melhor que a especificação inicial. Entregaremos ao mercado uma aeronave madura e robusta”, completa.

Além do jato E190, fazem parte da família E2: o E195-E2, que deve entrar em serviço em 2019, e o E175-E2, previsto para 2021. A principal diferença entre os três modelos está no tamanho, sendo que o E175 tem a menor capacidade (até 88 passageiros), o E190 é intermediário (até 114) e o E195 é o maior (até 124).

O que o KC-390 oferece

A Embraer destaca que seu novo avião militar, o KC-390, é capaz de executar diversas missões como transporte de carga, lançamento de tropas ou paraquedistas, reabastecimento aéreo, busca e salvamento, transporte de feridos, combate a incêndios e apoio a ações humanitárias. Com capacidade de até 26 toneladas de carga, essa aeronave de defesa e segurança consegue atingir uma velocidade máxima de 870 km/h e operar inclusive em locais hostis, com pistas danificadas ou de terra.

Na quarta-feira (20), o KC-390 recebeu sua homologação operacional inicial e, ao longo de 2018, deve obter o certificado final concedido pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A primeira unidade está prevista para ser entregue à FAB no segundo semestre do ano que vem. Nos próximos 12 anos, a Aeronáutica deve receber 28 exemplares do novo cargueiro, pelos quais pagará cerca de R$ 5 bilhões, e a Embraer informa que já acumula 32 cartas de intenção de compra enviadas por países como Chile, Argentina e Portugal.

Desde os primeiros testes, iniciados em outubro de 2015, os dois protótipos do KC-390 já somam cerca de 1.500 horas de voo. Segundo a fabricante, o modelo militar que substituirá o C-130 Hercules estabelece novos padrões, e a empresa está “muito satisfeita com a maturidade que esse produto já alcançou e totalmente confiante de que sua certificação será alcançada conforme previsto”. De acordo com uma fonte de mercado consultada, o cargueiro tem “mil e uma utilidades”, podendo até ser convertido em avião civil para transporte de carga. “O KC-390 também é pressurizado, o que lhe permite alcançar um teto de voo maior. Além disso, tudo que é antigo [como o Hercules] exige mais manutenção”, compara.

Expectativas para 2018

Para a Embraer, que hoje tem cerca de cem clientes no mundo operando jatos das famílias ERJ e E-Jets, a entrada em novos mercados com o KC-390 e o E190-E2 só tem sido possível por conta de um alto investimento em tecnologia e inovação. Cerca de 10% de todo o faturamento da empresa é aplicado em pesquisa, desenvolvimento e melhoria das instalações. Em 2016, a companhia deu entrada no registro de mais de 600 patentes no Brasil e no exterior, sendo mais da metade delas já reconhecidas.

Atualmente, a Embraer possui três centros de pesquisa no país, em São José dos Campos (SP), Belo Horizonte e Florianópolis, e outros dois nos Estados Unidos e em Portugal. Também reúne equipes de inovação em solo norte-americano: no Vale do Silício (Califórnia) e em Boston. Ao todo, são 16 mil funcionários no Brasil e 2 mil no exterior.

A Embraer espera que o mercado de aviação executiva continue estável ou apresente leve crescimento no próximo ano, em comparação com 2017. Para 2018, a empresa pretende entregar até 90 jatos comerciais, sendo o modelo E190-E2 10% desse total. Em 2016, a companhia entregou 240 aeronaves (90% para clientes internacionais) e obteve uma receita líquida de R$ 21,4 bilhões, patamar que, segundo previsões, deve se manter no balanço final deste ano e também em 2018.

Para seguir competitiva nos segmentos em que atua, a Embraer afirma que “continuará focada no controle de custos e no aumento da eficiência, com produtos de excelência e operações corretamente dimensionadas”. Em seus 48 anos de história, a empresa já fabricou mais de 8 mil aviões para 90 países. Atualmente, tem mais de 2 mil jatos comerciais (ERJ e E-Jets) em operação. Também produz jatos executivos, e entregou mais de mil unidades desse tipo para 700 clientes em 70 países.

Na avaliação do sócio do setor aeroespacial e defesa da KPMG, Marcio Peppe, a crise que o Brasil enfrenta nos últimos anos impactou significativamente a demanda do transporte aéreo. “Alguns ajustes têm sido feitos na estrutura de operação do país, para reduzir os efeitos negativos da economia. Ao mesmo tempo que saíram de cena aeronaves antigas, com mais de dez anos de uso – a idade média da frota brasileira é de 8,5 anos –, entraram unidades novas, com maior eficiência energética e sustentabilidade [como é o caso dos modelos da Embraer]. E essa é a tendência para os próximos 20 anos. Aeronave antiga gera mais custos que benefícios, pede mais manutenção, tem menos tecnologia de motor”.