NOTIMP - NOTICIÁRIO DA IMPRENSA

Capa Notimp Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil e até do mundo. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.


PORTAL G1


Uso de drones cresce e auxilia diversas áreas em Sergipe

Até dezembro de 2018, 541 estavam registrados na Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) em Sergipe.

Por G1 Se | Publicada em 09/02/2019 13:13

Apesar de ser uma tecnologia que começou a ser desenvolvida na década de 1960, foi nos últimos anos que os drones se popularizaram. Ideias para o uso deles não param de surgir e vão desde policiamento até reportagens jornalísticas.

Tecnicamente chamados de Aeronaves Pilotadas Remotamente (RPA, na sigla em inglês), os drones necessitam de autorizações para alçar voo no Brasil. Até dezembro de 2018, 541 estavam registrados na Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) em Sergipe.

A Polícia Militar de Sergipe conta atualmente com quatro drones e os utiliza em ações de inteligência e policiamento. "Nós utilizamos pela primeira vez no clássico entre Sergipe e Confiança com a autorização do comando. A PM já vem usando em algumas operações de inteligência e acompanhamento também com a autorização da ANAC para fins de serviço. Essa é uma ferramenta muito importante porque amplia a visão do policial no terreno. Têm sido muito útil e mais barato que utilizar uma aeronave. Atualmente contamos com quatro drones, mas vamos buscar ampliar", contou o comandante do policiamento de Aracaju, coronel Jose Moura Neto.

Policiais de Sergipe também fazem cursos em parceria com a Polícia Militar da Bahia para aprender e aprimorar a utilização de drones.

Quem também passou a utilizar os drones foi o publicitário e piloto remoto Régis Fonseca. "Ganhei uma ferramenta que desconhecia. É uma forma fantástica de ver o mundo, mas é preciso lembrar que existem regras e elas precisam ser cumpridas. Antigamente era preciso locar um helicóptero com um custo alto para fazer imagens aéreas. Utilizar drones é seguro desde que as regras sejam seguidas", disse.

Eles são divididos em três categorias:

Classe 1: para equipamentos acima de 150 quilos;

Classe 2: entre 25 e 150 quilos;

Classe 3: equipamentos com até 25 quilos.

Segundo a ANAC, as regras são específicas para cada grupo. Por exemplo, drones com até 250 gramas não precisam de registro ou autorização para voar. Equipamentos com mais de 250 gramas sempre precisam de registro de voo no site do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), não importa a altura. As aeronaves precisam de seguro individual. As penas para quem descumprir as regras incluem multas ou cassação do certificado de piloto.

Balão cai sobre casa na zona leste de São José dos Campos

Objeto atingiu imóvel que fica no bairro Jardim Valparaíba por volta das 9h30.

Por G1 Vale Do Paraíba E Região | Publicada em 09/02/2019 10:22

Um balão caiu em cima de uma casa na manhã deste sábado (9) na zona leste de São José dos Campos (SP). Apesar do susto, não há feridos.

Segundo a Polícia Militar, o balão atingiu o imóvel que fica na rua dos Bancários, no bairro Jardim Valparaíba por volta das 9h30. Com a queda, o telhado da casa foi danificado.

"Fez um barulho enorme e como minha casa é um sobrado, achamos que a parte de cima estava caindo”, disse a moradora Carolina Wood, que enviou as imagens pelo aplicativo Vanguarda Repórter.

Até a publicação da reportagem uma equipe dos bombeiros estava no local para retirar partes do balão que ficaram no telhado da casa.

Fabricar, vender, transportar ou soltar balões que possam provocar incêndios é crime. A pena prevista, caso o autor do lançamento seja identificado, é a detenção de um a três anos, multa ou ambas cumulativamente.

OUTRAS MÍDIAS


PODER AÉREO - Comandante sueco diz que novo Gripen é matador de Sukhois – e stealth é irrelevante

A Força Aérea da Suécia diz que seus caças Gripen E são projetados para matar os temíveis caças Sukhoi da Rússia, e que eles são “faixa preta” nesse tipo de combate. O Gripen E não pode carregar uma carga muito grande de armas e não possui uma verdadeira capacidade stealth. E não é o jato com maior alcance, o mais rápido ou mais barato. Mas tem uma capacidade de guerra eletrônica maciça e respeitada. O Gripen E é a solução barata da Suécia para derrotar jatos de combate e mísseis terra-ar da Rússia, e a Rússia provavelmente não pode fazer muito a respeito.

Por Alex Lockie | Publicada em 09/02/2019 12:00

O comandante da Força Aérea da Suécia, Mats Helgesson, fez recentemente a afirmação ousada de que o caça Saab Gripen E de seu país pode superar a formidável frota de jatos Sukhoi da Rússia, sem nenhuma das caras tecnologias stealth dos EUA.

“O Gripen, especialmente o modelo E, é projetado para matar Sukhois. Nós temos a faixa preta” nesse tipo de combate, Helgesson disse ao site Yle em uma apresentação na Finlândia, onde a Suécia está tentando exportar os jatos.

Os caças Sukhoi da Rússia alcançaram uma espécie de status lendário por sua capacidade de manobrar melhor que aviões de combate dos EUA em combates aéreos e fazer acrobacias perigosas e agressivas no ar, mas o Gripen pode ter “quebrado o código”.

O Gripen pode não carregar muitas armas e não possuir uma verdadeira capacidade furtiva. E não é o jato com maior alcance, nem o mais veloz ou o mais barato. Mas tem um foco singular que faz dele um pesadelo para os caças russos.

Justin Bronk, um especialista em combate aéreo do Royal United Services Institute, disse ao Business Insider que, como o A-10 Warthog foi construído em torno de um canhão enorme, o Gripen foi construído em torno da guerra eletrônica.

Praticamente todos os jatos modernos realizam algum tipo de guerra eletrônica, mas o Gripen E fica acima do resto, de acordo com Bronk.

Os pilotos do Gripen não gostam de mostrar suas cartas, demonstrando o poder total da capacidade de interferência (jamming) do jato em treinamentos. Mas a única vez que eles fizeram isso, inverteram completamente o curso da batalha simulada no treinamento, disse Bronk.

“Vários anos atrás, os pilotos do Gripen se cansaram de ser ridicularizados pelos pilotos alemães do Typhoon e tiveram que demonstrar sua capacidade de bloqueio eletrônico de tempos de guerra e deram a eles uma tremenda dificuldade”, disse Bronk. Um dos Gripens foi “supostamente capaz de aparecer na asa esquerda de um Typhoon sem ser detectado” usando sua capacidade de interferência eletrônica “extremamente respeitada”, disse Bronk.

“Seria justo supor que o Gripen é um dos mais capazes combatentes eletrônicos do mundo”, disse ele, acrescentando que os Gripen que desconcertaram os Typhoons foram da série C/D, que têm capacidades de guerra eletrônica muito menos poderosas do que os Gripens da série E que Helgesson descreveu.

Quem precisa de furtividade?

Para derrotar os terríveis caças da Rússia e seus os mísseis terra-ar, os EUA se voltaram em grande parte para aeronaves furtivas (stealth). A furtividade custa uma fortuna e deve ser construída em torno do formato do avião.

Se a Rússia de alguma forma quebrar o código de detecção de caças furtivos, o F-35 dos EUA – o sistema de armas mais caro da história – está condenado.

Mas a Saab adotou uma abordagem diferente e mais barata para combater os caças e mísseis da Rússia, concentrando-se no ataque eletrônico (jamming), o que lhes dá uma vantagem sobre a furtividade, porque eles podem evoluir o software sem uma reconstrução completa da aeronave, de acordo com Bronk.

A Saab planeja atualizar o software no Gripen E a cada dois anos, dando-lhe mais flexibilidade para enfrentar os desafios em evolução, de acordo com Bronk.

Mas Bronk observou um problema com a guerra eletrônica.

“O problema de basear uma estratégia de sobrevivência em torno de uma suíte de guerra eletrônica é que você realmente não sabe se ela vai funcionar”, disse ele. “Mesmo que isso aconteça, será uma batalha constante entre o seu adversário e você” para obter vantagem sobre os caças inimigos, pois as formas de onda e os métodos de ataque mudam continuamente.

No entanto, a Suécia se beneficia de um foco russo sobre caças norte-americanos. “A Suécia é pequena demais para ser o foco de preocupação da Rússia em otimizar suas capacidades de guerra contra-eletrônica”, disse Bronk.

Se a guerra estourasse entre a Rússia e o Ocidente, a Rússia provavelmente se esforçaria para superar a guerra eletrônica dos EUA, ao invés de ir contra o Gripen E da Suécia, do qual haveria apenas algumas dúzias de aeronaves.

Flankers, cuidado!

Todo o conceito do Gripen E é “operar em território sueco, aproveitar todos os tipos de terrenos acidentados sob a cobertura de mísseis terra-ar amigos ??com uma excelente suíte de EW (Electronic Warfare) que deveria, em teoria, mantê-lo a salvo da maioria dos  mísseis e ameaças aéreas russas”, disse Bronk.

Além disso, o Gripen E pode disparar quase qualquer tipo de míssil feito nos EUA ou na Europa.

“Se você acoplar um radar muito eficiente com uma excelente capacidade de EW e um míssil Meteor, o mais eficaz míssil ar-ar de maior alcance que é resistente contra jammers da Rússia… não há razão para assumir que não seria muito eficaz, Bronk disse. “Se você é um piloto flanker, será provavelmente uma coisa muito assustadora para enfrentar.”

O IMPARCIAL - Novos terminais marítimos vão ligar São Luís a Alcântara 24 horas por dia


Da Redação | Publicada em 09/02/2019 12:00

O projeto para a construção dois Terminais Portuários ligando São Luís à cidade de Alcântara aprovado pelo Governador Flávio Dino, vai garantir o transporte de passageiros e de cargas 24 horas por dia, para escoamento da produção, encurtando em mais de 200 quilômetros o trajeto entre São Luís e a Baixada Maranhense.

Os Terminais Portuários terão cais flutuantes capazes de receber embarcações, independentemente das tábuas de marés, que atualmente só permitem a navegação no período da cheia. O Cais da Praia Grande, recentemente reformado pelo Governo do Maranhão, é o único terminal hidroviário que oferece viagens para Alcântara na capital maranhense. Conta com quatro embarcações, três iates e um catamarã. Atualmente, são duas viagens por dia, transportando 398 passageiros. Ou 11.935 por mês.

Também há as embarcações do Centro de Lançamentos de Alcântara (CLA) que realizam o transporte diário de 246 militares. Com a implantação dos Terminais Portuário na Ponta d’Areia, em São Luís e do Terminal Independência, em Alcântara, estima-se a realização de 24 viagens por dia, com embarcações saindo a cada 1 hora, transportando 3.312 passageiros diariamente.

Como vai ser

Com obras de alta complexidade, os terminais contarão com urbanização das regiões do entorno, estacionamento, jardim, passeio, espaços para comercialização de artesanato, lanchonetes, banheiros, área de retroporto, píer e rampas de acesso móveis.

Em São Luís, o Terminal da Ponta d’Areia será construído em uma área próximo ao Espigão Costeiro e contará com área de 6.954,46 m² com capacidade para sete embarcações grandes e 16 pequenas.

Já o Terminal Independência construído em Alcântara será na localidade Sítio da Independência, com área construída de 4.177,52 m².

Escoamento da Produção

Além de garantir a exploração integral das potencialidades turísticas de Alcântara, os novos Terminais Hidroviários encurtarão em mais de 200 quilômetros o acesso à Baixada Maranhense.

O presidente da Agência Executiva Metropolitana (Agem), Lívio Jonas Mendonça Corrêa, explica que “Considerando que o cais pode aportar pequenas e médias embarcações, haverá também facilidade para carregamento de cargas, facilitando o escoamento da produção, encurtando distâncias e barateando as viagens”, diz o presidente da Agem.

Detalhes técnicos

A Agem está apresentando os projetos para instituições envolvidas no projeto. Na semana passada, a Câmara Municipal de Alcântara recebeu a equipe da Agência para conhecer os detalhes técnicos da obra.

O Projeto dos Terminais Portuários também será apresentado aos vereadores de São Luís e aos dirigentes do Centro de Lançamento de Alcântara, além de instituições da sociedade ligadas ao projeto.