SAÚDE

FAB conclui especialização de 46 oficiais em medicina aeroespacial

Ao longo de sete semanas foram ministradas disciplinas teóricas e práticas na área de fisiologia aeroespacial, entre outras
Publicado: 05/07/2018 18:50
Imprimir
Fonte: CIAAR, por Tenente Jaynne
Edição: Agência Força Aérea, por Tenente João Elias - Revisão: Cap Oliveira

O Centro de Instrução e Adaptação da Aeronáutica (CIAAR), localizado em Belo Horizonte (MG), concluiu, nesta quinta-feira (05), a especialização de 46 oficiais no Curso de Medicina Aeroespacial (CMAE). Além dos médicos da Força Aérea Brasileira (FAB), participaram oficiais do CIAAR. A solenidade de encerramento foi presidida pelo Diretor de Ensino da Aeronáutica, Major-Brigadeiro do Ar Rui Chagas Mesquita.

“O exercício da medicina é muito nobre, nada substitui o contato humano. Desejo sucesso no retorno, sintam-se vencedores e levem o conhecimento para suas Unidades, pois estão todos preparados para a missão. Não percam esse espírito de corpo, integrem-se, a gestão da nossa medicina estará com vocês. Façam diferente e façam a diferença”, ressaltou.

Ao longo de sete semanas foram ministradas disciplinas teóricas e práticas nas áreas de fisiologia aeroespacial, saúde ocupacional em aviação, saúde operacional, transporte aeromédico, medicina preventiva operacional e clínicas aeromédicas. De 4 a 15 de junho, as aulas foram realizadas no Instituto de Medicina Aeroespacial Brigadeiro Médico Roberto Teixeira (IMAE), no Rio de Janeiro (RJ). A especialização é pré-requisito para que os médicos sejam designados para atuar nas Unidades da FAB em todo o país.

“O curso foi de extrema importância para inserir os médicos especialistas na atividade-fim da Força, nos preparando para sermos médicos de esquadrão ou para entender as peculiaridades da assistência hospitalar aos aeronavegantes. Nos treinamentos e instruções no IMAE pudemos colocar em prática toda a teoria aprendida, inclusive com simulação de evacuação aeromédica em um Black Hawk, o que elevou muito o nível do curso e nos deixou prontos para servir à FAB”, contou a Tenente Médica Érica Condé Marques e Oliveira.

O curso proporciona experiências de aprendizagem que permitem ao instruendo conhecer os aspectos fisiopatológicos e clínicos decorrentes da atividade aeroespacial, atuar preventivamente face às patologias decorrentes da atividade e participar como membro de diferentes juntas de saúde do Comando da Aeronáutica.

No treinamento, é enfatizada a parte prática. Os médicos realizam todo o protocolo de testes de fisiologia do IMAE aplicado aos aviadores de caça da FAB, como a câmara hipobárica e o assento ejetável. Os profissionais também receberam instruções sobre como proceder em casos de remoção aérea de pacientes.

“Hoje podemos dizer com orgulho que somos militares médicos ou médico militar, o que nos torna diferenciados", ressaltou a Tenente Médica Louise Pinheiro Moutinho Machado, em nome da Turma Carcará.

Fotos: Soldado Jessé