TECNOLOGIA

Pesquisa premiada da FAB será apresentada em principal simpósio de sensoriamento

Método usado para obter mais precisão e confiabilidade de imagens captadas por diferentes sensores será apresentado nos EUA em julho
Publicado: 15/04/2017 09:00
Imprimir
Fonte: IEAV/Agência Força Aérea, Tenente Jussara Peccini

Uma pesquisa brasileira foi destaque entre mais de 800 trabalhos de todo o mundo no Concurso Internacional de Fusão de Dados de Imagens Orbitais. O trabalho dos pesquisadores do Instituto de Estudos Avançados (IEAV), um dos institutos do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), localizado em São José dos Campos (SP), obteve o terceiro lugar geral. Confira aqui o resultado.

Equipe de pesquisadores que irá aos EUA apresentar os resultados

O procedimento de fusão de dados é usado para obter o melhor aproveitamento de imagens captadas por diferentes sensores de um mesmo local, como as geradas por satélites e aeronaves.

“A amplitude de uso desse recurso é muito grande, pois se retira a limitação de um sensor e somam-se as vantagens de diferentes sensores disponíveis”, avalia um dos pesquisadores, Tenente Marielcio Gonçalves Lacerda.

As equipes vencedoras vão apresentar o trabalho em uma sessão especial do Simpósio Internacional de Geociências e Sensoriamento Remoto (IGARSS - International Geoscience and Remote Sensing Symposium), que será realizado em julho em Fort Worth - Texas, nos Estados Unidos. O evento é considerado o maior e mais importante do segmento.

“O artigo será publicado nos anais do simpósio e disponibilizado na biblioteca digital da Sociedade de Geociências e Sensoriamento Remoto, uma das principais fontes de pesquisa do meio científico. Será uma importante contribuição sobre o assunto”, explica o oficial.

Esforços globais - A submissão de trabalhos à Sociedade de Geociências e Sensoriamento Remoto (IEEE GRSS - Geoscience and Remote Sensing Society) foi realizada entre janeiro e abril deste ano. Nesta edição, o tema do concurso foi “dados abertos para a classificação global multimodal do uso da Terra”. O objetivo dos organizadores foi evidenciar metodologias para aprimorar técnicas de fusão de dados.

Segundo o oficial da FAB, ao estimular a busca por melhores técnicas, a comunidade científica busca aprimorar a pesquisa para diferentes aplicações, compreender como as cidades interferem no microclima.

Imagem classificada sobre a cidade chinesa

O concurso buscou promover a inovação em algoritmos de classificação de imagens e fornecer comparações objetivas e justas entre os métodos. Cada equipe deveria classificar 17 classes de uso do solo (urbanos e rurais), utilizando imagens dos sensores orbitais Landsat 8 e do Sentinel 2, ambas reamostradas para uma resolução espacial de 100 metros, para quatro cidades: Amsterdã (Holanda), Chicago (Estados Unidos), Madrid (Espanha) e Xi An (China).

Os brasileiros utilizaram o algoritmo de Árvore de Decisão (Random Forest – Floresta Randômica) para classificar as imagens. Porém, antes de serem inseridos no sistema, os registros foram tratados com o objetivo de atingir melhor confiabilidade e precisão.

A equipe do IEAV obteve uma exatidão global de 72,38%. A equipe campeã, formada por membros da Universidade de Tóquio e de Munique, obteve exatidão de 74,94%. O segundo colocado foi a equipe da AGT Internacional, da Suíça, com 72,63%.

Aplicação de geointeligência - Todos os quatro membros da equipe premiada pertencem à Subdivisão de Sensoriamento Remoto, uma ramificação da Divisão de Geointeligência do IEAV. Segundo o chefe da área, Major Rafael Paes, o concurso proporcionou um grande aprendizado que será transmitido aos usuários de sensoriamento remoto das Forças Armadas, por intermédio de estágios, seminários e cursos.

A técnica pode ser aplicada, por exemplo, pela área de inteligência do Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE). “A inteligência de imagens pode ser aplicada em cenários que serão imageados por diferentes sensores, sob diferentes condições atmosféricas, diferentes datas e resoluções espaciais e espectrais”, avalia.