SOCIAL

Base Aérea de Florianópolis promove colônia de férias para alunos da educação especial

A 21ª edição do projeto Voo Livre envolveu 57 alunos em atividades lúdicas
Publicado: 24/01/2017 16:05
Imprimir
Fonte: BAFL
Edição: Agência Força Aérea, por Ten Jussara Peccini

BAFL apoia o projeto há 21 anosAlunos portadores de necessidades especiais da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) e da Fundação Catarinense de Educação Especial (FCEE) estiveram na Base Aérea de Florianópolis (BAFL) para uma programação de férias. A 21ª edição da Colônia de Férias Voo Livre, que se encerra nesta quarta-feira (25/01), reuniu 57 alunos.

Divididos em dois grupos, os participantes hospedaram-se durante dez dias no alojamento da Base. De lá, diariamente, partiam para atividades lúdicas na capital catarinense e região. O grupo visitou praias, restaurantes, casas de cultura e parques.

“O que eles gostam mesmo é da trilha da Base Aérea. É o ponto alto da colônia de férias”, relata o terapeuta ocupacional e coordenador do segundo grupo de alunos, Rafael Borges. O profissional afirma que os dias em que os alunos convivem juntos na colônia de férias ajudam a reforçar os vínculos e subsidiar o processo educativo e de inclusão social.

Para a realização da trilha, os alunos vestiram camisetas que integram o fardamento normalmente utilizado em ações militares de campanha. A camuflagem do rosto completou a preparação para a atividade iniciada com a formação da tropa, comandada pelo Sargento da Reserva José Gilberto Luz. Assistido por militares voluntários, o grupo entrou na mata localizada dentro da área da Base Aérea. No caminho, os participantes encontraram oficinas, similares as realizadas em cursos militares, sobre como conseguir água e comida na mata e produzir fogo. Os cadeirantes também participaram da atividade.

"Isso faz com que eles se sintam realmente incluídos na tarefa que é relevante não só para os militares, mas para todo cidadão comum. Eles saem da rotina normal e têm a oportunidade de interagir com a natureza de maneira consciente, além de melhorarem a autoconfiança e a autoestima”, afirma o Comandante da BAFL, Coronel Antonio Ferreira de Lima Júnior.

Oficinas foram realizadas ao longo da trilha

Neste ano, não foram apenas os alunos especiais que demonstraram superar limites. O Sargento Luz, instrutor voluntário da colônia de férias desde a primeira edição, também mostrou muita força de vontade ao completar o trabalho mesmo depois de ter sofrido dois infartos. “Poder passar um pouco de atenção, carinho e cuidado para quem tanto precisa é o nosso combustível e nos dá força para superar qualquer dificuldade”, expressa.

As atividades iniciaram na primeira semana de janeiro (07) com a apresentação da banda de música da Base. O repertório incluiu marchinhas de carnaval que animaram os participantes. Na ocasião, a Presidente da APAE de Florianópolis, Elizabeth Teresa Donato das Neves, agradeceu o apoio da BAFL ao projeto. “Sem esse trabalho conjunto não conseguiríamos realizar a nossa colônia de férias”, relatou.