CIDADANIA

Hangar do Zeppelin sedia casamento de mais de 1.600 pessoas

Mais de 800 casais oficializaram uniões e 500 pessoas trabalharam na organização
Publicado: 01/12/2016 07:00
Imprimir
Fonte: BASC
Edição: Agência Força Aérea, por Ten Emília Maria

A Base Aérea de Santa Cruz (BASC) realizou (27/11) uma Ação Cívico-Social (ACISO) em parceria com o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ/RJ), o SESI-RJ e a empresa Thyssenkrupp CSA. No evento, mais de 1.600 pessoas oficializaram suas uniões no "Casamentaço", o maior casamento comunitário da Zona Oeste do Rio de Janeiro. O cenário foi o histórico Hangar do Zeppelin, que completa 80 anos em dezembro.

Pela manhã, 25 juízes de paz do TJ/RJ atenderam os noivos e testemunhas previamente inscritos. À tarde, a cerimônia recebeu cerca de 6.000 pessoas, entre noivos, testemunhas e convidados. A marcha nupcial foi tocada pela Banda de Música da BASC durante duas horas para que os 832 casais entrassem no hangar, passando por um tapete vermelho de 100 metros.

Ao todo, 500 pessoas, incluindo mais de 100 voluntários e militares da BASC, trabalharam na produção e segurança do evento, que contou também com espaços para maquiagem das noivas, produção de fotos, retirada de buquês e recreação infantil.

“É algo muito especial, um sonho, uma conquista. Queremos dar exemplo para nossos filhos e construir uma família estruturada, estável e com respeito mútuo. E é uma conquista porque passamos a ter garantias dos nossos direitos. Pretendo mudar de função para ter plano de saúde para toda minha família”, disse Fabio Rodolfo de Nobrega Pacheco, que oficializou a união de cinco anos com Amanda Lima de Souza.

Grande evento - Totalmente gratuito e voltado para moradores dos bairros de Santa Cruz, Sepetiba, Nova Sepetiba I e II, Manguariba e Paciência, o "Casamentaço" abriu inscrições no dia 4 de outubro. Em apenas um dia, 800 casais se inscreveram para participar, alcançando a marca de um casal e meio por minuto.

Juntos há 14 anos, Jaqueline Carvalho e Vitor Avelar foram o primeiro casal a se inscrever e realizaram o sonho que começou ainda na adolescência. “Começamos a namorar aos 16 anos, ainda no colégio. Fomos o primeiro namorado um do outro, o primeiro amor. Estou muito feliz. O casamento foi um presente mais que especial para nós”, conta Jaqueline, moradora de Santa Cruz. Com a união oficializada, eles poderão ter acesso a direitos previstos para os casais. “Trabalho em uma universidade e agora meu marido poderá ter bolsa para estudar por ser casado comigo. Esse é um direito que fará uma grande diferença em nossas vidas”, comemorou Jaqueline.