BALANÇO

Palestras internacionais marcam Simpósio de Aplicações Operacionais

A aplicação de lições da logística comercial na área militar foi tema de um dos cinco minicursos
Publicado: 30/09/2016 17:13
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea, por Ten Jussara Peccini

Professor Luigi de Luca, do Instituto Politécnino de MilãoA XVIII edição do Simpósio de Aplicações Operacionais e Áreas de Defesa (SIGE), em São José dos Campos (SP), que se encerrou nesta sexta-feira (30/09), foi marcada por palestras internacionais. Profissionais de institutos e universidades consideradas referência foram convidados para falar sobre assuntos que interessam às linhas de pesquisa do Programa de Pós-Graduação de Aplicações Operacionais do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA).

Segundo o coordenador-geral do SIGE, Coronel José Bernardo Neto, uma das dificuldades na área de pesquisa operacional, é escassez de profissionais. Nesse segmento, é necessário que o profissional tenha vocação e afinidade com a temática da defesa. “Na parte acadêmica, a abrangência é muito ampla, fica fácil de conseguir pessoas de renome. Mas em pesquisas operacionais, é mais difícil”, afirma o Coronel José Bernardo Neto. Na próxima semana, a organização do evento já começa a preparar a edição de 2017.

Antonella Bogoni, do Consórsio Nacional Interuniversitário para TelecomunicaçõesNeste ano foram realizados cinco minicursos. A professora doutora Antonella Bogoni, do Consórsio Nacional Interuniversitário para Telecomunicações da Itália, falou sobre “Aplicações de microondas fotônicas em radar”. O professor Luigi de Luca, do Instituto Politécnino de Milão, na Itália, falou “Propulsão Aeroespacial”. Fabio Durante Pereira Alves, da Escola de Pós-Graduação Naval dos Estados Unidos, abordou o tema “Metamateriais para aplicações de teledetecção”.

Dois dos palestrantes abordaram a temática da logística. Diego Galar, da Universidade de Tecnologia de Lulea, falou sobre manutenção aeronáutica à distância. O professor e pesquisador Geraldo Ferrer da Escola de Pós-Graduação Naval dos Estados Unidos, trouxe as lições da logística comercial para aplicação na área militar.

Geraldo Ferrer da Escola de Pós-Graduação Naval dos Estados Unidos“Existem muito mais empresas comerciais do que forças armadas. Muito mais gente pensando em melhorar a logística. Eu acredito que as situações que as empresas enfrentam, várias delas são úteis no meio militar”, afirmou Ferrer.

Veja a entrevista com o coordenador-geral: