RIO 2016

Hospital de Força Aérea do Galeão estruturado para receber vítimas de ataques químicos

Equipes estão de prontidão 24 horas para qualquer eventualidade
Publicado: 28/07/2016 20:12
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea, por Tenente Flávio Nishimori

O Hospital de Força Aérea do Galeão (HFAG), no Rio de Janeiro, mantém, até o dia 30 de setembro, toda uma infraestrutura voltada para atender vítimas de ataques químicos durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos. Equipes multidisciplinares com médicos, enfermeiros, psicólogos, técnicos de enfermagem, entre outros profissionais, estão de prontidão caso sejam acionados.

A infraestrutura no HFAG inclui uma tenda, montada no dia 15 de julho, responsável pela descontaminação primária e monitoramento dos pacientes, e funciona 24 horas. 

“Ela é formada por três corredores, um para maca e os outros dois divididos para homens e mulheres. Aqui os pacientes vão ser monitorados, descontaminados e, ao término, na saída da tenda, verificado se há ou não contaminação. Não havendo, eles são encaminhados para o hospital”, explica o Major Médico Jayme Mendes, Chefe do Setor de Medicina Nuclear e do Centro de Tratamento de Queimados (CTQ) do HFAG.

O HFAG vai disponibilizar para essa missão 12 leitos do CTQ. Desse total, dois são os chamados quartos multipropósito. “Eles possuem uma blindagem de chumbo por detrás da parede e foram planejados para receber um paciente contaminado com um agente muito agressivo, como gás sarin, ou por uma agente biológico”, explica o Major Jayme.

Referência no tratamento de grandes queimados na América Latina, o HFAG tem em sua expertise o grande aliado para a missão de receber vítimas de contaminação química, conforme explica a Tenente-Coronel Enfermeira Rúbia Pereira Carneiro, membro da comissão de Defesa Química, Bacteriológica, Radiológica e Nuclear (DQBRN) do Hospital de Força Aérea do Galeão.

“Há cerca de dois anos nós iniciamos o treinamento de várias equipes multidisciplinares. Estamos aproveitando a experiência em tratamento de queimaduras químicas adquirida ao longo de 30 anos. Temos um centro cirúrgico próprio e contamos com médicos, enfermeiros, psicólogos, terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas, nutricionistas e todas as especialidades médicas para atuar nesse atendimento. Estamos de sobreaviso, 24 horas por dia, e prontos para atender”, ressalta a Tenente-Coronel Rúbia. 

Assista aqui à matéria