#ÉISSOQUEIMPORTA

Especialista em guarda e segurança ensina judô a crianças e adolescentes

Sargento é um dos criadores do projeto
Publicado: 25/06/2016 07:00
Imprimir
Fonte: BAFL
Edição: Agência Força Aérea, por Tenente Emília Maria

  Com 27 anos de serviço na Força Aérea Brasileira, o Sargento Especialista em Serviços de Guarda e Segurança Reginaldo Wendhausen Fraga, do Batalhão de Infantaria (BINFA) da Base Aérea de Florianópolis (BAFL), não é apenas um militar dedicado. Ele também oferece boa parte de seu tempo a ensinar judô em projetos sociais voltados a crianças e adolescentes.

Filho de militar e praticante do esporte desde os 15 anos, Wendhausen quis seguir o exemplo do pai e ingressou na FAB como recruta, em 1989, na BAFL. Já durante o recrutamento participou como atleta da seletiva de judô do Quinto Comando Aéreo Regional (V COMAR), em Canoas (RS). Nessa época, ele não podia imaginar que o esporte passaria a fazer diferença na vida de tantas pessoas à sua volta.

No ano após o engajamento, foi aprovado no Curso de Formação de Cabo. Em 1996, passou no concurso para a Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR) e, após a conclusão do curso, foi classificado no BINFA da Base Aérea de São Paulo.

  Em 2003, ao retornar para a BAFL com diversas especializações, atuou nos estágios de pronto emprego como instrutor e encarregado. Em 2006, foi selecionado para cumprir missão no Gabinete de Segurança Institucional na Presidência da República (GSI-PR). Em 2009, retornou para o BINFA. “Depois, tive a grata oportunidade de conhecer e servir em nossa gloriosa Amazônia, especificamente no BINFA da Base Aérea de Porto Velho, onde atuei na Companhia de Polícia da Aeronáutica. Após cinco anos servindo naquela região, retornei à Florianópolis”, relata.

Foi um dos criadores do Projeto Caravana do Ar, na BAFL, cujo objetivo principal era proporcionar inclusão social e esportiva às crianças e adolescentes do bairro da Tapera, comunidade vizinha à unidade. No início, 30 crianças participavam das aulas de judô. “Entre aquelas crianças, destaco nosso aluno Guilherme Duarte Alves, hoje Soldado Alves, que serve no BINFA. Ele é faixa marrom no judô e contribui com o Caravana do Ar e também com o Forças no Esporte (PROFESP), outro projeto em funcionamento na BAFL”, conta o sargento.

O Soldado Alves considera que o judô foi muito importante para mantê-lo afastado das drogas, pois reside em uma área que o tráfico de entorpecentes é forte. “Sou grato ao sargento Wendhausen e à BAFL por terem me apresentado ao judô. Através desse esporte, eu pude aumentar meu poder de concentração, melhorar minha disciplina e a minha autoestima”, revela Alves.

Atualmente, 170 crianças e adolescentes são beneficiadas pelas aulas de judô. Os projetos sociais oferecem também outras atividades físicas, recreação esportiva, cidadania e educação. Segundo o Sargento Wendhausen, os professores e os pais observam mudanças significativas nos atletas, principalmente em relação ao respeito ao próximo e aos adversários nas competições, além da melhora no condicionamento físico.

“A motivação para participar dos projetos é ter, a cada dia, uma oportunidade de me transformar em cidadão melhor para a nossa sociedade e contribuir com as nossas crianças e jovens que saem de suas casas, enfrentando frio, chuva e o famoso vento sul para praticar esse esporte transformador que é o judô”, destaca Wendhausen.

Exemplo que contagia - O bom exemplo do Sargento Wendhausen inspirou o Soldado Alves, que hoje serve de inspiração para os irmãos mais novos. Gustavo seguiu os passos de Alves - participou do projeto Caravana do Ar e também ingressou na FAB como soldado. A caçula da família, Gabriela, de 9 anos, vendo a trajetória dos irmãos no judô agora faz parte do time e treina na BAFL. Ela é faixa cinza e já participou de diversos campeonatos. Sua última conquista foi a medalha de ouro na 3ª Copa Porto Belo.

  Os atletas da BAFL participaram pela segunda vez dessa competição, levando o troféu de primeiro lugar e conquistando o bicampeonato.

Formando campeões - “Foi muito, muito legal. Eu lutei bem, até ganhei uma medalha de ouro!”. Maria Cristina Santana, de 5 anos, iniciou no judô há 4 meses e já participou da primeira competição na 3ª Copa Porto Belo, realizada em abril na cidade de Porto Belo (SC). A mãe, Franciele Natacha Alexandre, diz que o comportamento da pequena judoca melhorou muito após seu ingresso no projeto. “Antes ela era muito agitada, brigava muito com o irmão e fazia muitas pirraças”, afirma Franciele.

 Acesse aqui todas as matérias da edição de junho do Notaer.