SEGURANÇA DE VOO

Estágio alerta para a doutrina de segurança na instrução aérea

Discussões reuniram escolas de aviação e aeroclubes de diversas regiões brasileiras
Publicado: 26/04/2016 09:31
Imprimir
Fonte: SERIPA V
Edição: Agência Força Aérea, por Ten Iris Vasconcellos

O Serviço Regio  nal de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA V) participou, no início de abril, da 4ª edição do Estágio de Padronização da Instrução Aérea (EPIA), em Porto Alegre (RS). A unidade é o órgão regional do Comando da Aeronáutica que tem a finalidade de planejar, gerenciar e executar as atividades relacionadas com a investigação e a prevenção de acidentes aeronáuticos no âmbito da aviação civil, na Região Sul.

O evento foi realizado na PUC-RS e teve o objetivo de alertar para a valorização da doutrina de segurança na instrução aérea.

O público-alvo, formado principalmente por instrutores de voo e pilotos de aeroclubes e escolas de aviação, teve a oportunidade de assistir à palestra do Chefe do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), Brigadeiro do Ar Dilton José Schuck. O oficial-general ressaltou a importância do caráter preventivo para a segurança de voo.

“A segurança de voo requer o exercício da disciplina consciente, por meio de atitudes e mudanças de comportamento. É necessário pensar proativamente na identificação de riscos”, declarou o Brigadeiro Schuck.

  De acordo com o Chefe do CENIPA, o julgamento de pilotagem é um fator contribuinte dos acidentes investigados na aviação. “Observa-se na investigação, com freqüência, que a maioria dos pilotos em acidentes não cumpre regras básicas, e por falta de conhecimento técnico, age impulsivamente e comete erros”, destacou.

O estágio também difundiu boas práticas e ferramentas adequadas para aprimoramento de instrutores de voo, que sãos os profissionais que estabelecem o primeiro contato com jovens em busca da profissionalização na atividade aérea. Eles são os responsáveis pela formação das futuras tripulações da aviação brasileira.

Na avaliação do Chefe do SERIPA V, Tenente-Coronel Luís Renato Horta de Castro, o formato do EPIA está consolidado para a aplicação do conhecimento em qualquer lugar do País. “Observamos que os participantes já vêm com a expectativa do que poderão encontrar no evento, o que mostra a seletividade do nosso público”, justificou.

Para responder questões relacionadas à regulação, a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) também apresentou palestra no evento, destacando a atualização das recentes mudanças do Regulamento Brasileiro de Aviação Civil (RBAC 61). A presença da ANAC aproximou o diálogo com a comunidade de Aviação de Instrução.

  EPIA - Em sua quarta edição, o Estágio de Padronização da Instrução Aérea (EPIA) recebeu participantes do Rio de Janeiro, Espírito Santo, São Paulo, Minas Gerais, Bahia e outros estados da estados da federação. A presença desse público se deve a inexistência de eventos do gênero no país, mas principalmente pela atuação das redes sociais na atualidade.

O Major Thyago Reis Pires Sampaio, Chefe da Prevenção do SERIPA III, do Rio de Janeiro, acompanhou o evento e destacou a relevância do evento para a instrução aérea. “O ideal seria que todos os órgãos regionais pudessem realizar um EPIA na sua região. Estamos acompanhando as palestras para levar esse formato para a nossa jurisdição”, disse.

“O SERIPA V é fonte de informação. Paramos todas as nossas operações para estarmos neste EPIA. Entendemos que não há mais lugar para amadores na aviação. Não existe mais piloto de final de semana, quem deseja seguir carreira precisa estudar muito e buscar cada vez mais o seu aperfeiçoamento”, declarou a Instrutora de Voo Karen Fagundes, da Escola Aerowest de Aviação, de Chapecó (SC).