HISTÓRIA

Centro de Documentação da Aeronáutica recupera documentos importantes da FAB e do País

Documentos de Santos-Dumont já foram preservados
Publicado: 16/11/2015 11:17
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea

  O Centro de Documentação da Aeronáutica (CENDOC), organização militar localizada no Rio de Janeiro, atua preservando documentos importantes para a história da Força Aérea Brasileira (FAB) e também do País. A intenção é colocar esses documentos à disposição do público na internet. Mas para que isso ocorra, muito trabalho é realizado pelo CENDOC.

A preservação do acervo envolve o desenvolvimento de métodos e procedimentos de diagnóstico, conservação, descrição e digitalização. O diagnóstico apresenta uma avaliação na qual se encontra o acervo; posteriormente, são realizadas ações de conservação, como desmonte, higienização, planificação, reforços no acondicionamento e levantamento do acervo. Em seguida, ocorre a codificação dos documentos, elaboração de um questionário para identificação de cada unidade documental e a construção de um banco de dados informatizado. O passo final consiste na reprodução dos documentos por meio fotográfico, utilizando-se de máquina fotográfica digital.

O acervo de Santos-Dumont, composto por milhares de papéis, já passou por todo esse processo e se encontra à disposição de pesquisadores mediante agendamento e visitação na sede do CENDOC. Recentemente, inclusive, a repórter Luciana Garbin, do Jornal "O Estado de São Paulo", esteve no Centro e fez o Especial Multimídia "A Redescoberta de Santos-Dumont", em que mostra novas facetas do inventor, por meio de revelações de documentos inéditos. Ela consultou também o acervo da Fundação Santos-Dumont, que está no Quarto Comando Aéreo Regional (IV COMAR), em São Paulo, onde se encontra desde o famoso chapéu panamá do inventor até o aparelho inventado por ele para ajudar esquiadores a subir montanhas. (Veja a reportagem no link)

"Estão sob guarda do Centro de Documentação da Aeronáutica (CENDOC) da certidão de batismo de Santos-Dumont lavrada em 1877 a seu primeiro testamento, feito em 1931; das atas da Companhia Agrícola Fazenda Dumont, criada por seu pai no interior paulista, à escritura de sua casa Encantada, em Petrópolis; da carteirinha de integrante do Círculo de Estrangeiros de Mônaco ao recibo da taxa de condomínio de um dos apartamentos em que viveu na Avenue des Champs-Elysées, em Paris", revela a reportagem.

O próximo passo é colocar todo o material à disposição na internet. “Nós pretendemos desenvolver uma ferramenta de consulta ao público em geral, em parceria com a Diretoria de Tecnologia da Informação, desde que seja garantida a integridade dos documentos e mantidas as salvaguardas de informação previstas no termo de doação do acervo", ressalta o Chefe do CENDOC, Coronel Carlos Alberto Leite da Silva.

Outros documentos também estão passando por processo semelhante, como o acervo pessoal do Tenente-Brigadeiro Nelson Lavarnere Wanderley, bem como o acervo de unidades extintas do Comando da Aeronáutica (COMAER).