SAÚDE

Novo sistema trará decisão mais precisa, economia e melhores estratégias de gerenciamento

Centro de Computação de Aeronáutica de Brasília é o responsável pelo desenvolvimento do projeto
Publicado: 23/11/2015 08:09
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea

  O Centro de Computação de Aeronáutica de Brasília (CCA-BR) está desenvolvendo o Sistema de Informações Gerenciais de Apoio à Decisão da Aeronáutica (SIGAER). O projeto estratégico do Estado-Maior da Aeronáutica (EMAER) tem o objetivo de informatizar os dados relevantes dos diversos sistemas corporativos da FAB para apoiar o processo decisório da alta direção. O sistema está dividido em módulos que abrange áreas como logística, recursos humanos, operacional, entre outras. O primeiro sistema a entrar em funcionamento é destinado à saúde e está na fase final de testes, com previsão de ser implantado até o final de 2015.

O Sistema de Apoio à Decisão (SAD) na área de saúde faz a integração dos dados de 22 Organizações de Saúde da Aeronáutica e vai oferecer aos gestores informações consolidadas (sintéticas ou analíticas) sobre dados clínicos, financeiros, materiais e de colaboradores em apenas alguns cliques. O material dará suporte às decisões para melhoria de processos, racionalização e priorização dos recursos financeiros. O SAD possibilita maior transparência nos processos, pois fornece informações detalhadas ou consolidadas, confiáveis e oportunas, além de reduzir a emissão de documentos, diminuindo os custos com impressões e colaborando com o meio ambiente.

“A demanda por informações gerenciais, de forma integrada e centralizada, propiciará maior efetividade às decisões tomadas em nível estratégico, operacional e tático, seja em tempo de paz ou em situações de conflito, mediante a disponibilização de conhecimentos setoriais pertinentes e de fácil acesso”, avalia o gerente do projeto na área de saúde, Coronel Hudson Peçanha Murad, do Comando-Geral do Pessoal (COMGEP).

Com o sistema, os gestores podem extrair dados que permitem tomar decisões tais como comprar ou não um aparelho de ultrassonografia, baseado no número de exames realizados por ano; solicitar quantos cardiologistas, considerando a fila de espera para atendimento; implantar ou não uma nova sala de cirurgia em função dos custos envolvidos na terceirização de cirurgias cardíacas; entre outras inúmeras possibilidades.

  Para responder a essas questões, e muitas outras, ferramentas de software são utilizadas para análise de negócio ou inteligência de negócio (Business Intelligence). Nessas ferramentas as informações são organizadas em painéis gerenciais (dashboards) normalmente dispostas em três níveis - estratégico, operacional e tático - e segregadas de acordo com a necessidade de cada gestor. Mediante o trabalho de analistas, o gerente poderá tomar decisões fundamentadas em dados, em séries históricas e nas análises preditivas - que permitem a simulação de cenários futuros.

“Não tenho dúvida que essa seja uma ferramenta informatizada importantíssima para termos os dados de forma mais rápida, o mais próximo da realidade, para tomarmos a decisão certa. Por exemplo, é mais fácil agora saber onde colocar um profissional, um equipamento, direcionar mais recursos para determinada unidade. Isso melhora os serviços prestados ao usuário”, explica o Diretor de Saúde da Aeronáutica, Major-Brigadeiro Médico Jorge Rebello Ferreira.

SIGAER - O projeto SIGAER contempla a integração de diferentes áreas setoriais do Comando da Aeronáutica (COMAER). Serão criadas bases de dados específicas para os universos de negócio de cada Grande Comando que combinadas permitirão estabelecer uma gestão integrada e uma visão analítica.

“Sem dúvida a construção de um complexo modelo dimensional que contemple a integração de dados e o tratamento das informações torna-se um grande desafio para a equipe de desenvolvimento. Os técnicos devem ser capazes de abstrair as informações não estruturadas do dia a dia da organização e transformá-las em um modelo que permita extrair conhecimentos importantes para a tomada de decisão da alta cúpula da FAB”, explica o Chefe do CCA-BR, Coronel Cesar Faria Guimarães.