ENGENHARIA

Evento discute aprimoramento dos processos orçamentários na FAB

Seminário promovido pelo Centro de Estudos e Projetos de Engenharia (CEPE) visa a melhorar a gestão de obras públicas
Publicado: 29/10/2015 08:00
Imprimir
Fonte: DIRENG

Palestrante - Dr. Jedson Passos - TCU  2S JacklineMelhorar os processos envolvidos na contratação e execução de obras públicas. Esse é um dos objetivos do Centro de Estudos e Projetos de Engenharia (CEPE), unidade da Força Aérea Brasileira (FAB) que realizou o I Seminário sobre Orçamento de Obras Públicas (I SEORC).

O evento reuniu militares das três Forças e representantes de órgãos externos, como a Advocacia-Geral da União (AGU) e o Tribunal de Contas da União (TCU), para debater as leis que regem o processo orçamentário de uma obra pública e as boas práticas que devem nortear sua gestão.

A Tenente Marcela Monteiro Lopes, uma das organizadoras do Seminário, explica que existe uma legislação muito diversa para tratar do assunto e o CEPE, em visitas a outras unidades da FAB, identificou dúvidas e dificuldades dos orçamentistas, pois diferentes interpretações podem gerar conflitos com outras leis.

“O objetivo do evento foi alertar os responsáveis que participam de todas as etapas da obra, que o orçamento deve ser olhado com a devida atenção e cuidado. Ele é o último produto de um projeto, quando normalmente não se tem tempo hábil para um trabalho minucioso”, explica a engenheira. Encerramento do evento - Brig Eng Heinzelmann  2S JACKLINE

Segundo o Chefe interino do CEPE, Tenente-Coronel Filipe Augusto Cinque de Proença Franco, o evento permitiu que a FAB pudesse avaliar como outros órgãos do governo federal vêm tratando a questão do orçamento. “A partir das práticas e requisitos de instituições de assessoria e auditoria, iremos rever nossos processos de orçamentação para nos adequarmos ao entendimento desses órgãos”, esclarece o Tenente-Coronel.

O esforço faz parte de uma série de medidas que vêm sendo debatidas e implementadas por diversas unidades do Comando da Aeronáutica para melhorar seus processos de gestão.

“Queremos passar para os militares que trabalham com obras públicas o entendimento de que o projeto deve ser desenvolvido com maior cuidado, para que haja o mínimo de alterações e aditivos de preços durante a execução das obras. Isso é importante especialmente numa época de crise e instabilidade financeira, avalia a Tenente Marcela.