OPERACIONAL

Batalhão de Infantaria Especial forma condutores de cães farejadores

Animais são empregados na detecção de explosivos e entorpecentes
Publicado: 28/09/2015 14:24
Imprimir
Fonte: BINFAE-RF

INSTRUÇÃO  S2 CASSIANO  O Batalhão de Infantaria da Aeronáutica Especial de Recife (BINFAE-RF) formou 25 militares como condutores de cães farejadores. Eles participaram do Estágio Básico de Cinofilia, Cinotecnia e Condução de cães farejadores. As técnicas incluem noções de comportamento canino e adestramento em obediência, detecção de entorpecentes e proteção.

O curso teve duração de três semanas e contou com diversas aulas teóricas e práticas. Entre elas, comandos básicos de disciplina e ataque, regras de segurança, higienização dos cães, raças empregadas para guarda e faro, figuração, treinamento físico militar com cães, condução de cães de faro e entorpecentes e emprego do cão policial.

O objetivo principal do treinamento foi aperfeiçoar os militares do Pelotão FORMATURA  S2 CASSIANOde Cães de Guerra do BINFAE-RF. O Curso contou, ainda, com a presença de militares do Exército Brasileiro e da Polícia Militar do Estado de Pernambuco.

Os 14 cães farejadores usados no treinamento foram empregados pela Polícia Federal em ações durante a Copa de 2014 em Recife. Rotineiramente, o batalhão os utiliza em ações de varredura em aeronaves militares que passam pela capital pernambucana.

Para o Comandante do BINFAE-RF, Major de Infantaria Valdivino José do Carmo Junior, a utilização do cão é uma excelente ferramenta de trabalho devido às suas características,  principalmente, a olfativa que, se comparada a do homem, é 50 vezes mais sensível. “Isso possibilita ter maior eficiência nas ações de polícia, onde é necessária a verificação de entorpecentes e de explosivos. Além disso, o uso dos cães possui um poder dissuasório durante as ações de polícia e segurança de instalações”, ressaltou.

INSTRUÇÃO  S2 CASSIANOBINFAE-RF - O BINFAE-RF possui militares especializados na área de ações de polícia com emprego de cães, que diariamente ficam em condições de atuar na segurança de instalações e ações de polícia na área do II COMAR.

Veja no jornal NOTAER como os cães são utilizados pela FAB: