SEGURANÇA DE VOO

Grupo de estudo apresenta proposta de novo manual de treinamento para aviação

Conteúdo deve passar pela validação da Agência Nacional de Aviação Civil(ANAC)
Publicado: 12/08/2015 07:00
Imprimir
Fonte: SERIPA V

O subgrupo da Comissão Nacional de Treinamento, composto por membros de vários órgãos como a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), apresentou a proposta do novo Manual Geral de Treinamento, que será a base para a formação das futuras tripulações da aviação civil brasileira. A divulgação, realizada na quinta-feira (06/08), ocorreu nas dependências do Quinto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA V), em Canoas (RS).

O conteúdo do manual engloba técnicas e práticas de instrução, planejamento, avaliação, brifim e debrifim, níveis de aprendizagem, entre outros temas. A nova proposta deve passar pela validação da ANAC para adequações à legislação vigente na instrução aérea.

O subgrupo é formado por profissionais da Associação Brasileira de Pilotos da Aviação Civil (ABRAPAC), Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), Faculdade de Ciências Aeronáuticas (PUC-RS), Aeroclube de Eldorado do Sul, Abordo Fatores Humanos (Psicologia) e Centro de Treinamento de Helicópteros (Helipo).

De acordo com o chefe do SERIPA V, Tenente-Coronel Luís Renato Horta de Castro, as contribuições do grupo de trabalho foram relevantes para formalizar a proposta do manual em sintonia com a reformulação de processos da Agência Reguladora, no que se refere às questões da aviação de instrução.

“O Manual Geral de Treinamento deverá estar disponível em maio de 2016. Até lá, cada membro da comissão vai desenvolver e compilar os temas já definidos", explicou o militar.

A criação e atualização de manuais e cursos com enfoque na formação de instrutores firmam a base da segurança operacional. Ativid  ades padronizadas concorrem para desenvolver uma cultura de segurança de voo no contexto da indústria aeronáutica. De acordo com o representante da ABRAPAC, professor Eduardo Morteo Bastos, a proposta é mudar a realidade das escolas e aeroclubes quanto à capacidade humana da aviação.

“Isso para que tenhamos um bom gestor dentro da cabine, diante da automoção aeronáutica," afirmou Bastos.

O representante da ANAC, especialista em regulação, Audir Mendes de Assunção Filho, e gerente de certificações de organizações de instrução, ressaltou a importância da elaboração do manual pela capacidade de multivisão do grupo de trabalho. "Temos a contribuição do órgão regulador, investigador, operador, faculdades e escolas de formação, elevando a discussão técnica para as soluções necessárias à redução do índice de acidentes aéreos no Brasil, observou.

Saiba mais -  A Comissão Nacional de Treinamento está dividida em três subgrupos que trabalham na melhoria da legislação aeronáutica, cuja iniciativa tem por objetivo modernizar as normas da instrução no País.