DIPLOMACIA

Com quase um ano de funcionamento, Adidância na Indonésia contabiliza bons resultados

O país é um importante parceiro do Brasil na área de Defesa
Publicado: 18/11/2014 11:27
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea

  A Adidância de Defesa e Aeronáutica na Indonésia, com sede na capital Jacarta, iniciou suas atividades no dia 30 de janeiro de 2014. Com menos de nove meses de atuação no país, a unidade já atuou de forma determinante em diversas transações comerciais, em contatos estratégicos, intercâmbios operacionais e no apoio constante de militares que participam e atuam na cooperação entre as duas Nações.

“A possibilidade de manter objetivos de defesa consoantes, a tomada de posições favoráveis nos colegiados internacionais e, ainda, abrir novos negócios estão entre os motivos para o Brasil manter representantes da Aeronáutica no exterior, entre eles a Adidância na Indonésia”, explica o Coronel Aviador Flávio Eduardo Mendonça Tarraf, Adido de Defesa e Aeronáutica do Brasil na República da Indonésia, Reino da Tailândia e República Socialista do Vietnã.

País em franco crescimento econômico, a Indonésia possui um sólido relacionamento comercial com o Brasil. Buscando a liderança da Comunidade do Sul da Ásia (ASEAN), o país, há uma década, vem reforçando e modernizando suas Forças Armadas, tanto doutrinariamente como em equipamentos, mantendo uma demanda alta para os materiais de defesa, não só para a aquisição, mas também para a criação de parcerias com indústrias da área de Defesa. “Por tudo isso e pelas excelentes relações de cooperação em outras áreas, a existência da Adidância do Brasil na Indonésia é extremamente importante para facilitar as ações de cooperação entre as duas Nações, bem como propiciar uma maior visibilidade dos produtos das Indústrias Nacionais do Setor de Defesa”, ressalta o adido.

O Coronel Mendonça ainda lembra que o país está localizado no chamado do “círculo do fogo”. Formada por cerca de 17.500 ilhas, a Indonésia esta sujeita às reações do tempo, como tsunamis, terremotos, inundações, além de grande quantidade de vulcões ativos. “Com essas características, os indonésios possuem grande experiência no controle dos desastres e das calamidades naturais, podendo transmitir esta experiência de maneira formal, no Centro de Treinamento para Controle dos Efeitos das Calaminades Naturais, recentemente inaugurado”, finaliza.

Indústria, Defesa e Intercâmbio

A meta do Ministério da Defesa e da Aeronáutica é aprofundar o relacionamento com a Indonésia e a região. A Adidância participou no final de setembro da entrega do primeiro lote de aeronaves adquiridas da EMBRAER pela Força Aérea do país. Ao todo, 16 aeronaves foram adquiridas. Esse é apenas um exemplo de transação em que atuam os militares que compõem a adidância de um país.

“Enquanto representantes do Comando da Aeronáutica (COMAER), participamos do planejamento do voo transoceânico de traslado das aeronaves, bem como outros ajustes de detalhes. Neste sentido, são exemplos de interação palpável da FAB, neste caso, o apoio de uma aeronave C-130, com tripulação para missões SAR, que garantiu a segurança da operação durante o trecho voado sobre o Oceano Atlântico. Outro exemplo foram as autorizações de sobrevoo para as aeronaves, que passaram por mais de 22 países, da Europa, África, Oriente Médio e Ásia”, exemplifica o Coronel Mendonça.

No caso do Brasil e Indonésia, é comum o Ministério da Defesa da Indonésia, bem como a Força Aérea da Indonésia, trocarem informações sobre a maneira de operar os equipamentos comuns, como o Super Tucano, Casa 295 ou Super Puma, sobre política de venda de Produtos de Defesa, além de assuntos relacionados a visitas, Conferências e Simpósios.

“Em menos de um ano já atuamos no apoio a várias atividades, tais como duas comitivas para tratar de Centro de Instrução de Operação de Paz, um Diálogo Internacional de Defesa, um Campeonato Mundial de Paraquedismo Militar. Ainda participaremos este ano da INDOFENCE 2014, que é uma das mais importantes feiras de Produtos de Defesa da Ásia, com mais de 50 países expondo seus produtos”, destaca.

Futuro

Segundo o Adido Coronel Mendonça, após a conclusão da entrega de todas as aeronaves Super Tucano, é possível que, em curto prazo, a Indonésia solicite os préstimos da Adidância para auxiliar nas tratativas para implementar ações de cooperação e intercâmbio operacional, para consolidação do emprego operacional das aeronaves.

“Também é possível haver cooperações em missões de intercâmbio operacional em outras aeronaves, como o C-105 Amazonas (Casa 295), helicópteros Super Puma, além de Missões de Paz, Missões da Área de Ensino, vigilância do espaço aéreo e controle e vigilância das áreas de florestas”, cita.