COPA 2014

CENIPA apresenta balanço da segurança de voo no Mundial

Publicado: 15/07/2014 16:12
Imprimir
Fonte: CENIPA

Durante a Copa do Mundo 2014   no Brasil, não houve acidente nem incidente aeronáutico nos aeroportos das doze cidades-sede. Esse é o resultado apresentado nesta terça-feira (15/07) pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), que montou operação com investigadores em todas as localidades dos jogos.

Cerca de 50 profissionais do Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SIPAER) estavam preparados para chegar aos aeroportos, no máximo em uma hora, no caso de informações da ocorrência de algum acidente na pista de pouso e decolagem. Isso para iniciar a investigação e concluir os trabalhos o mais rápido possível, liberando a aeronave para ser removida pelo operador. Essa mobilização visava reduzir transtorno e atraso nos pousos e decolagens.

Os investigadores partiram de Brasília com destino a Fortaleza, Natal, Salvador, Belo Horizonte, Curitiba e Campinas (SP), já que algumas seleções estrangeiras se hospedaram em cidades do interior paulista. Recife, Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro, Manaus e Brasília foram atendidas por investigadores dos Serviços Regionais de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos, organizações militares vinculadas ao CENIPA, que estão baseadas nas próprias cidades. A exceção foi Cuiabá, que recebeu o apoio do Serviço Regional de Belém, cidade que não sediou nenhum jogo da Copa.

Se o CENIPA não se mobilizasse com essa operação, os investigadores teriam dificuldade para chegar com rapidez ao local do acidente. Viajar para uma cidade mais distante da capital do país poderia demorar, em média, de 6 a 12 horas, incluindo preparativos e disponibilidade de voos, tempo inadmissível para uma pista ficar interditada em dias de grande movimento. “A responsabilidade de retirar a aeronave da pista é do operador, desde que tenha recebido a autorização do CENIPA, após o órgão concluir seu trabalho inicial de investigação", explica o coordenador da operação, Tenente-Coronel Aviador Luís Gustavo Veran  o Cordeiro da Silva.

Apesar de a equipe de investigadores estar preparada, não foi preciso atuar. “O CENIPA comemora o nível de segurança operacional verificado durante a Copa do Mundo. Isso se explica pelo envolvimento e a integração da comunidade aeronáutica, a qual se empenhou em cumprir todas as normas estabelecidas, com o objetivo de realizar operações seguras”, afirma o Chefe do CENIPA, Brigadeiro do Ar Dilton José Schuck.