TRANSPORTE

Veteranos relembram saga dos 83 anos do Correio Aéreo Nacional

No Rio de Janeiro, solenidade também presta homenagem ao Dia da Aviação de Transporte
Publicado: 13/06/2014 16:17
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea

Sobrevoo de aeronaves, exposição do lendário avião Curtiss Fledgling e uma mostra operacional marcaram a solenidade dos 83 anos do Correio Aéreo Nacional (CAN) e do Dia da Aviação de Transporte. A cerimônia, realizada na sexta-feira (13/6), na Base Aérea dos Afonsos (BAAF), no Rio de Janeiro, foi presidida pelo Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Juniti Saito. Estiveram presentes ainda oficiais-generais do Alto Comando da Aeronáutica.

No evento, o Comandante da Aeronáutica destacou a importância do papel do CAN e da Aviação de Transporte para a manutenção da integridade nacional, consolidação da cidadania e desenvolvimento da sociedade brasileira. O Tenente-Brigadeiro Saito ressaltou ainda o salto qualitativo da FAB com a aquisição da aeronave KC-390.

“Em suas asas, a Força Aérea ampliará suas características de mobilidade e flexibilidade, ao incorporar um vetor multitarefa capaz de cumprir missões de transporte aeroterrestre, aerologístico, reabastecimento em voo e busca e resgate, utilizando-se dos mais modernos sistemas embarcados da atualidade”, frisou.

A solenidade reuniu vários veteranos do CAN no Rio de Janeiro. Foi o momento de relembrar diversos episódios de uma saga iniciada em 1931 e que anos depois se tornaria um dos pilares para a integração do país. O Primeiro Tenente Reformado Nilton Dias Monteiro, 70 anos, por exemplo, lembrou dos seus tempos de mecânico de voo, função exercida nas linhas do CAN entre os anos de 69 e 87.

“Cheguei a voar a aeronave Búfalo. Transportávamos alimentos e medicamentos e material para missões de misericórdia. Uma que me marcou bastante foi o apoio prestado às vítimas das enchentes do rios Negro e Madeira”, explica o militar.

As operações envolvendo ajuda humanitária também são guardadas com carinho na memória do Primeiro Tenente Laerte Coelho Braz, 78 anos, que atuava na área de comunicações. “Estive na enchente de Orós. Recordo-me que jogávamos as boias para as pessoas que estavam ilhadas”, afirma.

Algumas dessas lembranças foram materializadas na cerimônia por meio da Exposição Histórica Operacional organizada pela BAAF para comemorar os 83 anos do CAN. Objetos e painéis fotográficos resgataram um pouco do trabalho rotineiro dos militares nas linhas do Correio Aéreo. Também foi o momento de apreciar o Curtiss Fledgling, matrícula k-263, aeronave protagonista, em 1931, da criação do CAN.

Homenagens - Na cerimônia, o Ministro do Superior Tribunal Militar, Tenente-Brigadeiro do Ar José Américo dos Santos, recebeu uma homenagem pelo pioneirismo no CAN. Também foram agraciados com a medalha “Mérito Operacional Brigadeiro Nero Moura”, militares que exerçam ou exerceram o cargo de comandante de unidade aérea.

A solenidade foi encerrada com um desfile militar do qual fez parte um grupamento composto pelos veteranos do CAN e integrantes da Aviação de Transporte. Mais do que um dia festivo, o evento, como ocorre ao longo dos anos, serve para fortalecer a união entre os veteranos. “Os laços estabelecidos no CAN não desatam jamais. Faria tudo de novo”, afirma o Primeiro Tenente Reformado Nilton Dias Monteiro. 

Primeira Missão - O CAN realizou sua primeira missão no dia 12 de junho de 1931. Um malote com duas cartas deveria ser entregue à sede dos Correios e Telegráfos em São Paulo pelos Tenentes Nelson Freire Lavénère Wanderley e Casemiro Montenegro Filho. Para cumprir o objetivo os militares decolaram do Campo dos Afonsos, Rio de Janeiro, a bordo do biplano Curtiss Fledgling K-263 com destino ao Campo de Marte, na capital paulista. Como não conseguiram localizar o aeródromo, pousaram no Jockey Clube Paulista da Mooca e completaram a tarefa a pé. 

A partir daí iniciava-se a verdadeira saga que, além do transporte de passageiros levou, sob suas asas, solidariedade e ajuda humanitária aos mais distantes rincões do País. Inaugurava-se, assim, o Correio Aéreo Militar. Idealizado pelo então Ministro da Guerra, General José Fernandes Leite de Castro, o Correio Aéreo Militar surgiu imbuído do espírito de “fazer o que a Nação precisa”. Sob o comando do então Major Eduardo Gomes, o Correio Aéreo Militar expandiu-se pelo interior do país.

Com a criação do Correio Aéreo Naval em 1934, as linhas da Aviação Militar multiplicaram-se pelo Centro-Sul. O recebimento de aeronaves mais modernas e a marcação de novos campos de pouso possibilitaram a descoberta dos caminhos para a mais remota das regiões: a Amazônia.

Em 1941, com a criação do Ministério da Aeronáutica, houve a fusão dos Correios Aéreos Militar e Naval, e surgiu o Correio Aéreo Nacional (CAN).