MEMÓRIA

Marcas do trabalho de Niemeyer podem ser encontradas em edifícios e monumentos da FAB

Publicado: 06/12/2012 13:16
Imprimir
Fonte: Agência Força Aérea

Quando se fala das obras do arquiteto Oscar Niemeyer, a primeira imagem que vem à mente é a arquitetura mundialmente conhecida da cidade de Brasília (DF). O que pouca gente sabe é que o profissional imprimiu as marcas do seu trabalho em várias obras pelo Brasil, inclusive em construções da Força Aérea Brasileira (FAB). Vários prédios que fazem parte do complexo do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), na época CTA, em São José dos Campos (SP), por exemplo, foram assinados pelo arquiteto. Ele também projetou o Memorial Senta a Pua, localizado na Base Aérea de Santa Cruz, no Rio de Janeiro

O anteprojeto de Niemeyer para as construcões no CTA foi selecionado em um concurso fechado, em 1946, concorrendo entre cinco projetos, cujas normas foram definidas pelo Instituto de Arquitetos do Brasil. As obras foram iniciadas em 1947. A primeira construção, o prédio do Instituto Tecnologico de Aeronáutica (ITA), foi concluída em 1950.

De todo o projeto apresentado, foram construídos o prédio do ITA, a biblioteca, o túnel de Vento, onde funciona atualmente o Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) e o Laboratório de Aerodinâmica. O projeto também contemplou o alojamento de estudantes da faculdade e várias residências da vila militar, os quais passaram por várias reformas.

O anteprojeto continha traços da arquitetura e urbanismo modernos, conceituados como um conjunto de movimentos artísticos e arquitetônicos que caracterizaram a arquitetura produzida durante grande parte do século XX, da qual Niemeyer é um grande expoente. Ele concebeu um projeto para a área que contemplava a proximidade entre os setores de ensino, pesquisa, desenvolvimento e habitação levando em conta uma relação mais equilibrada entre as horas de trabalho/moradia/lazer. A existência entre as áreas de lagos e áreas verdes iam ao encontro da concepção moderna de cidades jardins. A implantação de blocos habitacionais, separados por áreas verdes e entremeados por vias locais curvas (baixa velocidade), deram base para a concepção das futuras superquadras de Brasília.

Os prédios chamam atenção pela simplicidade, característica marcante nas obras do arquiteto, além da iluminação e ventilação naturais. As obras sofreram poucas mudanças desde a sua construção e estão em processo de tombamento pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). As obras devem virar patrimônio histórico.

Memorial – A Base Aérea de Santa Cruz, no Rio de Janeiro, considerada o berço da aviação de caça, também abriga uma obra de Niemeyer. O Memorial Senta a Pua, inaugurado em 22 de abril 2001 – Dia da Aviação de Caça, é uma homenagem aos militares do 1º Grupo de Aviação de Caça da Força Aérea Brasileira que atuou no Teatro de Operações Europa durante a II Guerra Mundial. A idéia de Niemeyer era criar uma forma que lembrasse a trajetória e o impacto das bombas lançadas pelos aviões P-47 utilizados pelo esquadrão brasileiro Senta a Pua. Niemeyer doou o projeto como colaboração à construção do memorial. No local, também está o túmulo do Brigadeiro Nero Moura,  primeiro comandante do Senta a Pua.

O monumento foi construído em concreto armado e com pintura branca, características marcantes nas obras do arquiteto. As marcas dos moldes de madeira que permitiram a moldagem do complexo conjunto de retas e curvas permanecem à vista, como marcos da técnica construtiva utilizada. Na parte interna do Memorial há uma longa placa em alumínio com o nome de todos os integrantes do 1º GAVCa que participaram da Campanha da Itália. A bolacha do "Senta a Pua" está colocada à entrada do monumento.

Saiba mais: leia aqui matéria completa sobre a criação do ITA na revista Aerovisão sobre os 70 Anos da Força Aérea Brasileira.