TECNOLOGIA

Instituto de Estudos Avançados registra terceira patente de invento em menos de um ano

Patente do processo de fabricação do equipamento é resultado de pesquisas na área de tecnologia de RF (Rádio Freqüência) e micro-ondas
Publicado: 12/04/2012 09:20
Imprimir
Fonte: IEAv/Agência Força Aérea
A Divisão de Física Aplicada do Instituto de Estudos Avançados (IEAv) do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) obteve a homologação de mais uma patente pelo Instituto Nacional de Patentes (INPI). Esta é a terceira homologação, em menos de um ano, com a participação do grupo de pesquisadores do Laboratório de Sistemas Eletromagnéticos. Outros cinco depósitos ainda estão em processo de avaliação.

O invento patenteado consiste na inovação do processo de fabricação de um monitor de corrente de feixe de elétrons com um mínimo de componentes eletrônicos para o seu condicionamento de sinal. Traduzindo a linguagem técnica em termos práticos, o equipamento de alta tecnologia pode ser utilizado em laboratórios para medir com precisão os nanopulsos da corrente elétrica em sistemas de controle e automação de processos. Essa tecnologia torna-se necessária com o uso de equipamentos cada vez mais sofisticados e em tamanhos reduzidos.
 
Segundo o autor da pesquisa, doutor em engenharia Antonio Carlos da Cunha Migliano, o monitor de corrente pulsada é empregado em tecnologia de aceleradores, cujo dispositivo desenvolvido faz parte do sistema de análise de feixe de elétrons em aceleradores lineares de elétrons. O dispositivo também pode ser usado em sistemas de controle e automação de processos industriais, tais como fornos e muflas, e de sistemas de potencia em telecomunicações. Ainda, passando por um processo de miniaturização, pode ser empregado em sistemas espaciais: satélites e foguetes. Em todas estas áreas, os equipamentos necessitam de ajustes precisos, previstos no processo patenteado. Para ilustrar ainda mais um caso prático, em relação aos fornos, o monitor pode ser empregado para controlar com precisão a temperatura do tratamento térmico em  diversos materiais: aços, ligas metáligas, vidros temperados, etc.
 
Após a homologação, os próximos passos são o licenciamento da tecnologia para a indústria. Na avaliação do pesquisador, o IEAv é um dos institutos de pesquisa do Comando da Aeronáutica que desenvolve a tecnologia do futuro, numa perspectiva de 20 anos. “As pesquisas em tecnologia tem que ter um produto para a sociedade, uma aplicação prática”, afirma o pesquisador.
 
Como funciona o monitor - A qualidade do sinal pulsado é obtida em função do casamento da impedância do transdutor e rolamento secundário. Ainda, emprega-se uma cerâmica magnética com permeabilidade constante na faixa de freqüência de interesse. Assim, pode-se medir pulso de largura de poucas centenas de nanosegundos. Pode-se observar, pela imagem do osciloscópio, que um monitor de corrente deve apresentar as características reais da forma da corrente medida. Também, o monitor de corrente para aceleradores de elétrons emprega a tecnologia de solda cerâmica-metal, desenvolvida no IEAv na década de 80. Todas essas tecnologias foram desenvolvidas na primeira década de vida deste Instituto.
 
Financiamento - O grupo de pesquisas de Sistemas Eletromagnéticos do IEAv funciona com o financiamento recebido do Comando da Aeronáutica (COMAER) e da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP / CT-INFRA 2011) do Ministério de Ciência e Tecnologia. Os pesquisadores desenvolvem o monitor de corrente pulsada em dimensões reduzidas com o objetivo de ser empregado em sistemas espaciais. Essa tecnologia emprega as cerâmicas de blindagens de RF, usadas no acelerador do IEAv (LINAC), desde os primórdios da década de 80, como carga de micro-ondas. Esse mesmo material já é parte dos sensores de RF e micro-ondas, RF MEMS, etc.

 
Assunto(s): , , ,