Homenagem


A Força Aérea Brasileira presta homenagem a todos os militares da Intendência.

 



A formação do Oficial Intendente


A

 

formação do Intendente da Aeronáutica começa na Academia da Força Aérea (AFA). Durante quatro anos, os cadetes recebem instruções militares de formação básica e cursam o bacharelado em Administração com ênfase em Administração Pública, além de Ciências da Logística com habilitação em Intendência da Aeronáutica.

Os militares saem da AFA com os dois diplomas e com o conhecimento para fazer a gestão de finanças, patrimônio, subsistência e material, por exemplo. O intendente é responsável por fornecer à tropa todos os insumos necessários para que as missões da FAB sejam cumpridas, viabilizando desde uniformes a equipamentos individuais, passando pela subsistência e pagamento de pessoal, até a decolagem das aeronaves.

Depois de formados, os cadetes são declarados Aspirantes a Oficial. E, diferentemente do que ocorre com os aviadores, que ficam concentrados em Natal (RN), os intendentes são distribuídos pelo Brasil em diversas organizações militares.

Durante os oito meses que permanece na patente de Aspirante, o militar aprende as funções da sua unidade e também participa do Estágio Prático para Aspirantes a Oficial Intendente (EPAINT). No estágio, conhece várias unidades da FAB e desenvolve um pensamento logístico integrado. Após esse período, o Aspirante é declarado Segundo-Tenente.

A intendência é uma área de atuação multidisciplinar, que abrange atividades afetas ao direito, à administração, à contabilidade, às finanças e à gestão de projetos. Isso torna as possibilidades de trabalho do intendente bastante diversas.

Existem diversas unidades militares em que o Intendente é Chefe ou Comandante, como no Centro de Controle Interno da Aeronáutica (CENCIAR), na Diretoria de Administração da Aeronáutica (DIRAD), no Centro de Apoio Administrativo da Aeronáutica (CEAP) e nas diversas Prefeituras de Aeronáutica espalhadas por todo o País. Os intendentes também exercem funções importantes em outras unidades, como na Secretaria de Economia, Finanças e Administração da Aeronáutica (SEFA).

 

Veja no vídeo abaixo como é o trabalho da Intendência:

 



 

Intendência Operacional


U

m trabalho silencioso, de bastidores, mas fundamental para o sucesso das várias missões da Força Aérea Brasileira (FAB) é o da Intendência Operacional. Essa é uma vertente da logística operacional da FAB voltada a apoiar o militar em ambientes de campanha.


Normalmente uma das primeiras a chegar e última a deixar o local da missão, a Intendência Operacional tem um leque de atuação bastante diverso. O engajamento pode se dar em situações de ajuda humanitária, calamidade pública, desastres naturais, enchentes, acidentes aéreos, ações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) e até mesmo em guerras. O objetivo é prover alojamento, alimentação, áreas de recreação e de manutenção do bem estar para proporcionar a recuperação diária dos militares e eles poderem encarar a rotina de trabalho longe de suas casas, de seus familiares e em situações de elevado estresse.


Já foram várias as operações da Intendência Operacional contabilizadas ao longo dos anos no Brasil e no exterior. Entre elas estão o acidente da aeronave Gol 1907, no ano de 2006; o socorro às vítimas do terremoto do Haiti, em 2010; e a Operação Serrana, em janeiro de 2011, no Rio de Janeiro.

A Divisão de Intendência Operacional da FAB está sediada na Base Aérea dos Afonsos (BAAF), no Rio de Janeiro (RJ). A unidade concentra a maior parte do material utilizado nas operações. Em situações de crise, em um período de 24 a 48 horas, a Intendência Operacional pode ser ativada. E dependendo da região e do tipo de operação (enchente, terremoto) são separados os insumos necessários. Ao mesmo tempo, os militares são acionados por meio de um banco de dados de pessoal para compor as equipes.


Além dessa vertente ligada ao auxílio à população civil, a Intendência Operacional também auxilia as unidades-escola da FAB em exercícios de campanha de seus alunos ou exercícios de padronização de recrutas realizados anualmente.



Estágio

Para manter toda essa operacionalidade, os militares são formados e treinados no Estágio de Intendência Operacional. O curso ocorre anualmente e se destina a formar planejadores (Aspirantes a Oficial Intendente) e operadores (Graduados) de Unidade Celular de Intendência (UCI). Os alunos recebem instruções variadas de planejamento logístico, além de aulas práticas técnico-especializadas de montagem de barracas, elétrica, infraestrutura, hidráulica e de acampamentos. Esses conhecimentos são muito relevantes, pois preparam os militares para os empregos futuros da logística operacional da FAB. No exercício é ativada uma estrutura logística integrada envolvendo engenharia, segurança e defesa, saúde e tecnologia da informação.


Outro estágio é voltado para operações helitransportadas, em que são treinadas várias técnicas, táticas e procedimentos específicos para operações com aeronaves de asas rotativas a fim de aprimorar o auxílio prestado pela FAB em situações como enchentes, deslizamentos e terremotos, quando o helicóptero é o primeiro a chegar.



Assista abaixo à reportagem que apresenta a capacitação prática dos militares que trabalham na Intendência Operacional:

 



 

 

Trabalho em Conjunto


Assista ao vídeo abaixo do exercício conjunto envolvendo a intendência operacional, a engenharia operacional e a saúde que treina o efetivo para realizar missões desdobradas em localidades remotas ou sem infraestrutura básica. O exercício, além de promover uma doutrina integrada de apoio logístico, permite uma maior economia de meios e recursos.

 

 



 

História


 

A

atividade de intendência é tão antiga quanto a instituição. Com a criação do Ministério da Aeronáutica, em 20 de janeiro de 1941, foi constituída uma comissão de orçamento e, ao mesmo tempo, foi criado um órgão para gerir os serviços de contabilidade e fazenda, orçamento, distribuição de verbas e créditos, além das tomadas de contas e pagamento em geral. Com a criação do Serviço de Fazenda da Aeronáutica, que contava com militares da Marinha e do Exército, foi criado o quadro de oficiais intendentes.


No contexto da Segunda Guerra, a atividade de intendência cresceu e reorganizou-se na instituição. Foram formados os primeiros profissionais na Escola de Intendência do Exército e nasceu o curso de oficiais intendentes na Escola de Aeronáutica, no Campo dos Afonsos, no Rio de Janeiro. Finalmente, em 23 de agosto de 1945, pelo Decreto-Lei nº 7892, foi constituído oficialmente o Serviço de Intendência da Aeronáutica – a data é celebrada até hoje como o Dia da Intendência.


Na época, o recém-criado Serviço de Intendência era formado pela Divisão de Finanças, pela Divisão de Provisões de Intendência, pelos Serviços de Intendência das Zonas Aéreas e de Órgãos de Alta Administração, além dos Depósitos Centrais e de Intendência das Zonas Aéreas e das Formações de Intendência das unidades administrativas.


Ao longo de sua história, a intendência passou por diversas fases de aperfeiçoamento, como em seu início, quando se tornou pioneira no serviço público a implantar o pagamento de pessoal por crédito bancário e, anos mais tarde, ao ingressar na era da computação (década de 60). Nos anos 50, nasce de vez a intendência em campanha e, nos anos 60, é criada a Pagadoria de Inativos e Pensionistas da Aeronáutica, dentre outras evoluções que marcaram a história da atividade.

 

 

Curiosidades


 

 

Patrono - Tenente-Brigadeiro José Epaminondas de Aquino Granja

Natural de Leopoldina (PE), o Tenente-Brigadeiro Intendente José Epaminondas de Aquino Granja nasceu em 27 de agosto de 1897. Aos 17 anos, em 1914, ingressou na carreira militar, participando da Campanha do Contestado. Como sargento, fez o Curso de Oficial Intendente do Exército e, nos anos 30, conclui o Curso de Intendente de Guerra no Rio de Janeiro.

Com a criação do Ministério da Aeronáutica, foi assistente do Serviço de Fazenda da Aeronáutica e, em 1945, o primeiro Diretor Geral Interino (mais tarde efetivado) do recém criado Serviço de Intendência da Aeronáutica, função que exerceu até 1951, quando passou para a reserva no posto de Tenente-Brigadeiro.

Além de ter elaborado o Regulamento do Serviço de Intendência da Aeronáutica, o Brigadeiro Granja idealizou e organizou o Depósito Central de Intendência da Aeronáutica em Marechal Hermes, no Rio de Janeiro, os Reembolsáveis da Fazenda de Pirassununga, da Lavanderia e da Fazenda do Galeão. Implementou, também, a mecanização contábil nas unidades administrativas, além de inúmeros outros serviços prestados ao Ministério da Aeronáutica. Morreu em 1975, no Rio de Janeiro, aos 78 anos.

 

 

Padroeiro – São Cândido

A história de Cândido, Intendente-Mor da Legião Tebana, uma das muitas de que era composto o Exército Romano, remonta ao ano de 286 da era Cristã.

Naquele ano, quando o Exército Romano, liderado pelo Imperador Maximiliano, dirigia-se à região das Gálias para sufocar uma revolta, deu-se o fato que veio a imortalizar Cândido e outros mártires.

Ao acamparem na região de Octodurum, no Alto Ródano, próximo ao lado de Genebra, para dar repouso à tropa e reajustarem o dispositivo do exército, Maximiliano observou que uma de suas Legiões se distanciara do restante da tropa: era a Legião Tebana, que, pelo seu recrutamento e catequese, era inteiramente formada por soldados cristãos e, como tais, não participavam dos rituais pagãos, comuns ao restante da tropa.

Irritado com a atitude da Legião, Maximiliano ordenou ao restante da tropa que, se a Legião Tebana não se juntasse aos demais para a prática dos rituais pagãos, fosse executada.

Ao tomar ciência da ordem de Maximiliano, Maurício, seu Comandante, falando em nome de todos os componentes, respondeu: "Somos fiéis a César pelo dever militar, mas não negaremos a Deus o que é de Deus"! Dito isto, os legionários abateram seus escudos e lanças, em sinal de obediência e de aceitação do castigo.

Maximiliano ordenou às demais Legiões que compunham o seu exército que lanceassem e degolassem todos os membros da Legião Tebana.

Em meio à chacina que teve ali o seu lugar, pereceu Cândido, o Intendente-Mor que, não apenas por sua morte de martírio, como também por sua vida de soldado probo, dedicada ao trabalho e vivida no espírito cristão do estrito cumprimento do dever de fidelidade a Deus, foi mais tarde santificado.

A data em que se reverencia a memória de São Candido é o dia 22 de setembro.

 

 

Símbolo - Acanto

Do grego "akantha", é uma planta de folhas muito longas, verdes e recortadas, encontrada em terrenos úmidos e pedregosos do sul da Europa e dos trópicos. Lembra a pureza de caráter, perfeição moral e trabalho honesto.

 

Álbuns




Hino da Intendência

 




Letra - Luiz Rabelo de Melo - 2S STA
Música - Francisco Bezerra da Silva


Esplendor de saber e bondade,
Galardão de perene ideal,
Elevando o estandarte às estrelas
Sempre fui e serei sem igual.


Do ACANTO, - a florente pureza -
Estará sublimando o perfil,
Desta força vibrante e coesa,
Que enaltece o valor do Brasil.


Sou o hoje, o amanhã, a história,
A virtude, o progresso, a essência,
Sou a paz, ouro, prata, vitória,
Somos um, sou você INTENDÊNCIA!

TEXTO: Tenente Jornalista João Elias  |  WEBDESIGN: Tenente Analista de Sistemas Gonçalves

Melhor visualização: 1360 x 768 pixels, Desktop.